Desempregados inscritos diminuem 16% em Dezembro para 339 mil (IEFP)

| Economia

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 16,0% em Dezembro passado face ao mesmo mês de 2017 e aumentou 1,2% relativamente a novembro, para um total de 339.035 pessoas, revela hoje o IEFP.

De acordo com a Informação Mensal do Mercado do Emprego disponível na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2017 (-64.736 pessoas), contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (-18,3%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (-15,3%), os inscritos há um ano ou mais (-23,0%), os que procuravam novo emprego (-15,0%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo básico (-21,1%).

Face ao mês anterior, o aumento do desemprego aconteceu sobretudo nos homens (+1,8%), na procura de novo emprego (+2,2%), em inscrições com menos de um ano (+2,2%), nos que procuravam novo emprego (+2,2%) e entre os que possuem como habilitação o 3.º ciclo.

O desemprego jovem fixou-se nas 34,8 mil pessoas em dezembro, um decréscimo homólogo de 21,7% (menos 9,7 mil pessoas) e uma queda em cadeia de 6,6% (-2,5 mil pessoas).

O desemprego de longa duração recuou 23,0% na comparação homóloga, com um decréscimo de 44,3 mil pessoas inscritas há mais de 12 meses nos centros de emprego, situando-se nas 148,7 mil pessoas (mais 0,1%, ou 120 pessoas, face ao mês de novembro).

Segundo o IEFP, o peso do desemprego de longa duração no desemprego registado baixou para 43,9% em dezembro, o que compara com 44,4% no mês anterior e com 47,8% em dezembro de 2017.

A redução homóloga do desemprego foi transversal a todas as regiões do país, destacando-se, com as descidas percentuais mais acentuadas, as regiões Norte (-19,0%), Lisboa (-16,3%) e no Centro (-15,3%).

Face ao período homólogo, o desemprego diminuiu em todos os setores de atividade económica, com a maior redução a ocorrer na construção (-26,5%), na fabricação de mobiliário, reparação de máquinas e equipamentos e outras indústrias transformadoras (-21,7%), indústria da madeira e da cortiça (-21,6%) e ainda em outras atividades do setor secundário.

Por grupos profissionais dos desempregados registados no continente destacaram-se os trabalhadores não qualificados (25,8% do total), os trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção segurança e vendedores (19,8% do total), o pessoal administrativo (11,5% do total) e os trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices (11,4% do total).

Ao longo do passado mês de dezembro, inscreveram-se nos serviços de emprego de todo o país 40.791 desempregados, número inferior ao do mesmo mês de 2017 (-148 ou -0,4%). Em relação a novembro, o volume de inscrições foi também inferior (-13.015; -24,2%).

As ofertas de emprego recebidas ao longo de dezembro totalizaram 6.171, número inferior ao mês homólogo de 2017 (-813 correspondente a -11,6%) e também ao do mês anterior (-3.238; -34,4%).

As atividades com maior expressão nas ofertas de emprego recebidas (dados do continente) foram as imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio (30,3%), comércio por grosso e retalho (12,6%) e administração pública, educação, atividades de saúde e apoio social (8,5%).

A informação mais vista

+ Em Foco

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Mação, que ardeu no mês passado, era apontado como o concelho modelo na prevenção de incêndios. Nada impediu que o fogo voltasse.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.