Empresário Elon Musk apresenta projeto de túneis de alta velocidade em Los Angeles

| Economia

|

O empresário Elon Musk apresentou na quinta-feira, em Los Angeles, os avanços no projeto de túneis de alta velocidade para evitar engarrafamentos na cidade californiana, a segunda mais populosa dos Estados Unidos.

Numa apresentação sobre o futuro do grupo, com foco na companhia de túneis 'The Boring Company', Elon Musk mostrou-se confiante em "completar o sistema atual" do metro de Los Angeles, numa possível colaboração com a empresa que atualmente administra este transporte.

Durante uma discussão com o público, o empreendedor, nascido na África do Sul, mostrou um vídeo dos túneis que planeia construir sob Los Angeles.

Os vídeos mostravam carruagens a descer ao subsolo por uma espécie de elevador, a entrar numa rede de trilhos de alta velocidade e a circular - a eletricidade - a 200 quilómetros por hora.

Este "autocarro" para 16 pessoas posiciona-se como uma nova forma de transporte público, entre o metro e o carro particular. A vantagem: o custo de um dólar (cerca de 0,80 cêntimos) que permitirá ligar o aeroporto internacional de Los Angeles e centro da cidade em menos de dez minutos.

Eventualmente, o empresário, dos carros elétricos Tesla e dos foguetes SpaceX, pretende que os túneis possam atender a um dos seus outros projetos, o Hyperloop, um veículo revolucionário, semelhante a um comboio, que pode circular a 1.220 quilómetros por hora.

A barreira do som está nos 1.234 quilómetros por hora.

Tópicos:

Angeles,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.