Horta Osório diz que divulgação de grandes créditos aos bancos é de "elementar justiça"

| Economia

|

O presidente do Lloyds Bank, António Horta Osório, considerou hoje ser de "elementar justiça" a divulgação de grandes créditos em incumprimento nos bancos ajudados pelo Estado, vincando que deveriam ter sido os acionistas a suportar tais perdas.

"Parece-me de elementar justiça que os portugueses saibam como é que esse dinheiro foi aplicado e acho muito bem que o parlamento esteja a legislar no sentido de os bancos que tiveram ajudas públicas terem de ser obrigados a divulgar a lista dos maiores devedores para os portugueses ficarem com clareza a par de como esse dinheiro foi empregue", disse o banqueiro.

O responsável, que falava à margem da conferência "Banca & Seguros: O Futuro do Dinheiro", organizada pelos meios TSF e Dinheiro Vivo e pelas empresas Iberinform Crédito y Caución e Sage, em Lisboa, aludia à aprovação do parlamento, na quinta-feira, de projetos de lei do BE, PCP e CDS-PP que preveem a divulgação dos maiores devedores em incumprimento dos bancos que beneficiaram de ajuda pública, documentos que serão agora apreciados na especialidade após o aval na generalidade.

"Obviamente temos sigilo bancário em Portugal, mas esse princípio do sigilo bancário colide com outro princípio que me parece mais importante, que é o facto de que os bancos nunca deveriam ter tido de recorrer a ajudas públicas para continuar a operar", notou Horta Osório, sublinhando que "os bancos têm acionistas, esses acionistas obtiveram os resultados positivos quando os houve, e deveriam ter sido responsáveis pelas perdas, quando as houve".

Contudo, "dados os efeitos da crise, isso não foi possível e teve de se recorrer a medidas excecionais de apoio aos bancos para continuarem a operar e, portanto, os contribuintes portugueses tiveram de injetar dinheiro nos bancos", acrescentou.

Relativamente à situação do Novo Banco, Horta Osório sublinhou que, "como disse desde o primeiro dia", uma "parte da conta chegará sempre aos portugueses", dado que a intervenção naquela instituição financeira foi feita com recurso ao Mecanismo de Capital Contingente, "que é patrocinado pelo mecanismo de garantia de depósitos e tem como um dos garantes a Caixa Geral de Depósitos, que é detida pelos portugueses".

Questionado pelos jornalistas sobre a aprovação na generalidade na Assembleia da República, também na quinta-feira, de diplomas do Governo e do BE para permitir ao fisco conhecer as aplicações e contas bancárias com saldos de mais de 50 mil euros, o banqueiro optou por não se pronunciar.

Argumentou, apenas, que "deve haver transparência, mas também [...] equiparação a nível europeu e [isso deve] ser bem ponderado em termos de confiança".

Quanto ao limite a fixar, "é um assunto mais técnico do que outra coisa", afirmou.

Já falando sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, apontada para março de 2019, num processo a que se chamou de `Brexit`, referiu que "o impacto é ainda muito difícil de analisar".

Isto porque "o Reino Unido conseguiu um acordo inicial com a União Europeia de transição (...) e o acordo de saída só será conhecido por volta de outubro ou novembro", adiantou o líder do Lloyds Bank, banco que tem sede em Londres.

Tópicos:

Argumentou, Caución, Lloyds Bank,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.