Luís Onofre é o novo presidente da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado

| Economia

Luís Onofre foi eleito hoje novo presidente da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS), sucedendo a Fortunato Frederico, num inédito processo eleitoral, que teve uma taxa de participação superior a 80%.

A associação era presidida há 18 anos pelo líder do grupo Kyaia (dono da marca Fly London), Fortunato Frederico, que em fevereiro anunciou que não se recandidataria a um novo mandato.

A direção da APICCAPS foi disputada por duas listas pela primeira vez, em 42 anos de existência, tendo a lista de Luís Onofre) vencido a lista de Sérgio Cunha, que presidia à mesa da assembleia-geral da Associação.

Luís Onofre, empresário e designer de 45 anos, foi convidado pela direção em funções para formar uma lista "de consenso", assumindo um projeto de "continuidade" e pretendendo manter "a equipa de empresários que ajudou a tornar a APICCAPS num exemplo do movimento associativo, em Portugal e no estrangeiro".

A APICCAPS é uma associação empresarial de âmbito nacional com sede no Porto, fundada em 1975 e que representa toda a fileira do calçado em Portugal (indústria de calçado, indústria de componentes para calçado, indústria de artigos de pele e indústria e comércio de bens de equipamento).

A associação é constituída por 1834 empresas, responsáveis por 45 164 postos de trabalho (dados do Ministério do Trabalho alusivos a 2015), a fileira do calçado exporta mais de 90% da sua produção, o equivalente 2.250 milhões de euros no final de 2016.

Tópicos:

Calçado, Industriais Calçado, Industriais Calçado Componentes Artigos,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.