Luís Onofre é o novo presidente da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado

| Economia

Luís Onofre foi eleito hoje novo presidente da Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS), sucedendo a Fortunato Frederico, num inédito processo eleitoral, que teve uma taxa de participação superior a 80%.

A associação era presidida há 18 anos pelo líder do grupo Kyaia (dono da marca Fly London), Fortunato Frederico, que em fevereiro anunciou que não se recandidataria a um novo mandato.

A direção da APICCAPS foi disputada por duas listas pela primeira vez, em 42 anos de existência, tendo a lista de Luís Onofre) vencido a lista de Sérgio Cunha, que presidia à mesa da assembleia-geral da Associação.

Luís Onofre, empresário e designer de 45 anos, foi convidado pela direção em funções para formar uma lista "de consenso", assumindo um projeto de "continuidade" e pretendendo manter "a equipa de empresários que ajudou a tornar a APICCAPS num exemplo do movimento associativo, em Portugal e no estrangeiro".

A APICCAPS é uma associação empresarial de âmbito nacional com sede no Porto, fundada em 1975 e que representa toda a fileira do calçado em Portugal (indústria de calçado, indústria de componentes para calçado, indústria de artigos de pele e indústria e comércio de bens de equipamento).

A associação é constituída por 1834 empresas, responsáveis por 45 164 postos de trabalho (dados do Ministério do Trabalho alusivos a 2015), a fileira do calçado exporta mais de 90% da sua produção, o equivalente 2.250 milhões de euros no final de 2016.

Tópicos:

Calçado, Industriais Calçado, Industriais Calçado Componentes Artigos,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.