ONU revê dados e desce Guiné Equatorial no índice de desenvolvimento humano

| Economia

A Guiné Equatorial desceu no relatório global do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) divulgado hoje, ocupando a 141.ª posição entre 189 países, com um índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,591.

No relatório apresentado em Nova Iorque, com dados relativos ao ano de 2017, todos os números anteriores foram atualizados e recalculados segundo novas metodologias, tendo reposicionado a Guiné Equatorial em 139.º lugar no ano de 2016, corrigindo o lugar 135 que tinha sido atribuído.

Assim, a diferença efetiva de 2016 para 2017 é de dois lugares abaixo na tabela, nas últimas posições da categoria de "desenvolvimento médio".

Segundo os dados atualizados, o último crescimento no IDH da Guiné Equatorial foi em 2015 (com o IDH máximo de 0,593), tendo estado em redução desde então.

A esperança média de vida à nascença são 57,9 anos e a população tem, em média 5,5 anos de escolaridade, não existindo muitos dados concretos acerca do sucesso ou insucesso escolar. Menos de um quarto da população tem acesso à internet (23,8%).

O país apresenta uma ausência de dados que complicam a classificação atribuída pelo PNUD.

A Guiné Equatorial tem uma população muito jovem, com idade média de 22,2 anos. O número total de habitantes é contabilizado em 1,3 milhões.

Por outro lado, a Guiné Equatorial tem as taxas de mortalidade infantil entre as mais altas do mundo. Em cada mil crianças, morrem cerca de 66 com menos de um ano de vida e cerca de 91 com idade inferior a cinco anos.

Em 151 países, colocados em categorias de desenvolvimento muito alto, alto e médio, este é o país com números mais graves em mortalidade infantil, sendo ultrapassando em raros casos por países de IDH considerado baixo.

De acordo com o relatório, a Noruega, com um índice de 0,953 valores, é o país mais desenvolvido do mundo, enquanto o Níger, com 0,354 valores, o menos desenvolvido. O índice máximo atribuível é de 1,0 valores.

Tópicos:

Guiné Equatorial, IDH, Níger, PNUD,

A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.