Promover a madeira premiando design e inovação

| Economia
Promover a madeira premiando design e inovação

A ver: Promover a madeira premiando design e inovação

A Universidade de Aveiro e Escola Superior de Artes e Design, de Matosinhos, foram os grandes vencedores dos prémios "Guilherme Award" atribuídos pela Associação das Industriais de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP).
"A intenção é promover o design no setor, porque tem sido essa a grande ferramenta das nossas exportações", explica no Jornal 2 Vitor Poças.

Os pre%u0301mios Querem incentivar estudantes, profissionais e indu%u0301strias a desenvolverem e a dinamizarem a concec%u0327a%u0303o de novos produtos destinados ao espac%u0327o casa, promovendo a inovac%u0327a%u0303o a tecnologia e o design.

Em 2016 o setor ultrapassou os 2,3 mil milhões de euros em exportações, o que significa que nesta atividade há um saldo positivo para a balança comercial do país de quase 900 milhões de euros.

"Nos últimos oito anos fizemos crescer as nossas exportações ao ritmo de cem milhões de euros todos os anos", afirma o responsável pela AIMMP, que acredita que a aposta em feiras nos principais mercados mundiais e no valor acrescentado proporcionado pelo design e pelos novos materiais ajudam a explicar o sucesso desta indústria tradicional.

A associação quer também promover a construção em madeira. Em conjunto com a Ordem dos Arquitetos acaba de lançar a quarta edição do Prémio Nacional de Arquitetura em Madeira.

Vitor Poças revela que há cerca de "50 a 60 obras candidatas por ano, de arquitetos portugueses com obras feitas em Portugal".

Este concurso aceita candidaturas até ao final do mês de março. Apenas obras já executadas podem ser candidatas a este prémio que visa "fomentar o uso da madeira na construção e da construção em madeira"

A informação mais vista

+ Em Foco

O novo líder do PSD promete dialogar com todos os partidos nesta legislatura, mas tem consciência de que dois anos é pouco tempo para apresentar todas as propostas que defende.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.