REN conclui aumento de capital de 250 ME com procura a superar oferta em 65,6%

| Economia

A REN -- Redes Enérgicas Nacionais concluiu a totalidade do aumento de capital de 250 milhões de euros, tendo a procura superado em 65,6% a oferta de ações, disse hoje a empresa liderada por Rodrigo Costa em comunicado.

"O aumento de capital foi totalmente subscrito, correspondente a um encaixe financeiro de cerca de 250 milhões euros", lê-se na informação enviada à imprensa.

O aumento de capital foi de 133.191.262 ações ao preço de subscrição de 1,877 euros cada.

O administrador financeiro da REN, Gonçalo Morais Soares, considerou citado no comunicado que "os resultados do aumento de capital permitem concluir que a operação foi um sucesso".

A REN informou que "no exercício de direitos de subscrição" foram subscritas 126.731.246 ações (95,1% do total) e que as restantes 6.460.016 ações foram para rateio (correspondentes a 4,9%).

A liquidação financeira das ações com direitos de subscrição decorreu hoje e a liquidação financeira das ações atribuídas em rateio ocorre na segunda-feira.

O presidente executivo da REN, Rodrigo Costa, disse em meados de novembro à Lusa que os acionistas da empresa iriam acompanhar o aumento de capital.

Atualmente, o maior acionista da REN é a chinesa State Grid, com 25% do capital, seguida pela Oman Oil, com 15%.

Já fundo Lazard Asset Management tem 6,7%, segundo a página da REN na Internet, e a seguradora Fidelidade (que pertence à chinesa Fosun) 5%.

Em maio, os acionistas da REN aprovaram em assembleia-geral um aumento de capital no valor de 250 milhões de euros para financiar parte da compra da EDP Gás à EDP, concluída em outubro por 532,4 milhões de euros.

Tópicos:

Lazard Management, Oman Oil, REN Gonçalo Morais, REN Rodrigo, State Grid,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    O Reino Unido está a sobrevalorizar o seu valor como parceiro comercial e vai "sofrer um desastre com o Brexit", alerta Mark Beeson.

    Em abril, uma cimeira histórica entre Coreias reaproximou dois países de costas voltadas há mais de 60 anos. O que esperar do futuro?

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.