S&P mantém `rating` de Angola em B-

| Economia

A agência de notação financeira Standard & Poor`s (S&P) manteve o `rating` de Angola em B-, continuando também a prever também uma perspetiva estável daquela economia, mas alerta para a desvalorização do `kwanza`.

Numa informação hoje divulgada pela S&P, à qual a Lusa teve acesso, aquela agência confirma a manutenção do `rating` de `B-/B, semelhante à avaliação feita há seis meses.

"Prevemos que a dívida pública de Angola continue a subir em 2018, em grande parte como resultado da desvalorização do `kwanza` [...] e da sua subsequente depreciação, mas também devido aos défices orçamentais", explica aquela entidade.

Ao mesmo tempo, a S&P aponta que o preço do barril de Brent, que serve de referência ao petróleo, deverá ficar perto dos 60 dólares entre 2018 e 2021, o que "ajudará Angola a reduzir o seu défice a médio prazo".

Na avaliação hoje divulgada, esta agência de notação financeira indica ainda que a perspetiva (o chamado `outlook`) se mantém estável.

Para justificar tal atribuição, a S&P alude às "reformas governamentais em curso que visam um maior crescimento económico e a redução da dívida orçamental" a partir do próximo ano.

Tópicos:

S&P, Standard & Poor,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.