TotalEnergies pede avaliação a especialista humanitário

por Lusa

A petrolífera TotalEnergies encarregou um especialista em direitos humanos de avaliar a situação em Cabo Delgado para decidir se há condições para retomar o projeto de exploração de gás que estava a construir na região, foi hoje anunciado.

A decisão foi comunicada pelo diretor-executivo da TotalEnergies, Patrick Pouyanné, ao Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, após uma visita à região.

"Durante esta visita, Patrick Pouyanné disse ter confiado a Jean-Christophe Rufin", médico, escritor e diplomata falante de português, reconhecido "especialista em ação humanitária e direitos humanos", uma missão independente para avaliar a situação humanitária na província de Cabo Delgado", lê-se num comunicado.

A missão vai avaliar também "as ações tomadas pelo Mozambique LNG", o consórcio liderado pela Total, e deverá propor "ações adicionais a serem implementadas, se necessário". 

"O relatório desta missão será entregue no final de fevereiro e as suas conclusões serão partilhadas com todos os parceiros do Mozambique LNG, que decidirão se estão reunidas as condições para retomar as atividades do projeto", refere-se na nota.

O perímetro industrial em construção em Palma para liquefação de gás natural da bacia do Rovuma é o maior investimento privado em África, suspenso desde março de 2021, após um ataque armado por insurgentes que aterrorizam a região há cinco anos.

"Desde 2021, a situação na província de Cabo Delgado melhorou significativamente, graças, em particular, ao apoio prestado pelos países africanos que se comprometeram a restabelecer a paz e a segurança", disse hoje Patrick Pouyanné. 

O líder da TotalEnergies referiu que "o reinício das atividades exige o restabelecimento da segurança na região, a retoma dos serviços públicos e o regresso à vida normal das populações da região". 

"A missão confiada a Jean-Christophe Rufin deverá permitir aos parceiros do Mozambique LNG avaliar se a situação atual permite o reinício das atividades no respeito pelos direitos humanos", concluiu.

Como médico, escritor e diplomata, o especialista escolhido já desempenhou diversas funções.

Em representação do Estado francês, Rufin foi adido cultural e de cooperação no Brasil no final dos anos 1980 e década de 90, país sobre o qual escreveu no romance "Rouge Brésil" ("Vermelho Brasil"), de 2001.

No âmbito da ação humanitária, como médico, esteve em missões desde 1977 à Nicarágua, Eritreia, Sudão e Filipinas, tendo sido vice-presidente da organização Médicos Sem Fronteiras (1991-92) e presidente da Ação Contra a Fome (2003-2006). 

A província de Cabo Delgado enfrenta há cinco anos uma insurgência armada com alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde julho de 2021 com apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de ataques a sul da região e na vizinha província de Nampula.

O conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

 

pub