Turismo e negócios trazem novos operadores aéreos para o Porto

| Economia
Turismo e negócios trazem novos operadores aéreos para o Porto

A ver: Turismo e negócios trazem novos operadores aéreos para o Porto

As receitas do turismo voltaram a crescer em fevereiro, para os 677,5 milhões de euros. Um crescimento de 13% face ao mesmo período de 2016. O Porto voltou a ser considerado um dos destinos de eleição na Europa e é de novo um dos que mais cresce neste inicio de ano.
Os números estão a atrair novas companhias aéreas.
Londres, Manchester e Birmingham passam a estar ligadas ao Porto pela companhia de baixo custo inglesa Monarch Airlines.

A companhia inglesa, que transporta globalmente cerca de cento e cinco mil passageiros para mais de cem destinos começa na próxima semana a operar no aeroporto Francisco Sá Carneiro. A aposta deverá resultar em 75 mil passageiros transportados até ao final de outubro.

Portugal é o segundo mercado mais forte da Monarch e está a crescer consistentemente. A operação quer em Faro, quer em Lisboa, ou no Funchal resultam nalgumas das mais rentáveis rotas da companhia que tem bases apenas no Reino Unido.

"A Monarch não é nova no mercado português - já cá estamos há quarenta anos - mas a expansão dos últimos anos tem acontecido aproveitando o aumento pela apetência turista dos destinos, que não é preenchida pelas grandes companhias", explica no Jornal 2 Hugo Vicente Freitas, o português que gere na companhia os programas de fidelização de clientes.

O movimento no Aeroporto do Porto tem vindo a aumentar de forma sustentada, com diversas novas companhias a agarrarem as muitas oportunidades de uma região onde o turismo, e os novos negócios são uma aposta forte.

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.