UE adota lista negra de 17 paraísos fiscais que inclui Macau

| Economia

Macau foi incluído na lista negra de paraísos fiscais
|

Os ministros das Finanças da União Europeia (UE), reunidos hoje em Bruxelas, adotaram uma "lista negra" de 17 paraísos fiscais, por serem consideradas jurisdições não cooperantes, entre as quais Macau, anunciou o Conselho Ecofin.

A "lista negra" inclui Samoa Americana, Bahrein, Barbados, Granada, Guão, Coreia do Sul, Macau, Ilhas Marshall, Mongólia, Namíbia, Palau, Panamá, Santa Lúcia, Samoa, Trinidad e Tobago, Tunísia e Emirados Árabes Unidos.

Além desta lista de 17 jurisdições consideradas não cooperantes, a UE elaborou uma lista "cinzenta" de 47 jurisdições que se comprometeram a cumprir os critérios exigidos e que serão reavaliadas, entre as quais se conta Cabo Verde.

Governo de Macau rejeita ser "ponto de fuga e evasão fiscal"
O Governo de Macau negou hoje que o território seja um "ponto de fuga e evasão fiscal", reagindo ainda na altura à possibilidade de ser incluído nessa "lista negra".

"Quanto à notícia dada pela imprensa sobre a eventual inclusão de Macau na lista negra dos pontos de fuga e evasão fiscal pela União Europeia (UE), o Governo de Macau está a dar a maior importância ao assunto, reiterando que Macau não é absolutamente um alegado ponto de fuga e evasão fiscal ou um paraíso fiscal", reagiu o gabinete do Secretário para a Economia e Finanças.

O executivo de Macau acrescentou que "tem vindo a cooperar de forma ativa com a sociedade internacional, incluindo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e a UE, no sentido de combater, em conjunto, a fuga e evasão fiscal transfronteiriça e de promover a justiça tributária".

Além disso, apontou a aprovação em maio da lei sobre a troca de informações em matéria fiscal para "corresponder aos últimos critérios internacionais".

"Atualmente, o Governo de Macau está, também, a trabalhar de acompanhamento da extensão da Convenção Multilateral sobre Assistência Mútua Administrativa em Matéria Fiscal para ser aplicada em Macau. Por outro lado, o Governo está a estudar o aperfeiçoamento do regime jurídico aplicável à atividade 'offshore'", salientou o gabinete do Secretário para a Economia e Finanças.

 

 

Tópicos:

Ecofin, Lúcia Samoa Trinidad Tob Tunísia,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.