Última Hora
Euro2024. Portugal sofre mais vence Chéquia por 2-1

Candidata da esquerda radical interrogada pela polícia francesa por "apologia do terrorismo"

por Lusa
Teresa Suarez - EPA

A ativista franco-palestiniana Rima Hassan, sétima na lista da coligação de esquerda França Insubmissa (LFI, sigla em francês), foi esta terça-feira interrogada pela polícia de Paris, no âmbito da investigação sobre "apologia do terrorismo".

"Correu tudo muito bem", disse Rima Hassan à imprensa, sorridente, após duas horas de audição.

À saída das instalações da polícia judiciária, várias centenas de apoiantes do movimento demonstravam o seu apoio à candidata da coligação dos partidos de esquerda e esquerda radical, afirmando "Rima, Paris está contigo".

A investigação foi aberta na sequência de uma entrevista no final de novembro ao meio de comunicação francês Le Crayon, na qual a jurista, de 32 anos, considerava "verdade" que o grupo islamita Hamas tinha medidas legítimas contra Israel, o que Hassan denunciou como uma edição enganosa da sua resposta.

O Hamas é considerado uma organização terrorista na União Europeia e pelos Estados Unidos, além de Israel.

Também a líder dos deputados do LFI, Mathilde Panot, foi chamada pela polícia para prestar declarações no âmbito da mesma investigação.

A acusação critica Hassan pelo seu tom em relação a Israel, um Estado que descreve como uma "entidade colonial fascista", que acusa de "mentir todos os dias", e pela utilização do slogan "do rio (Jordão) ao mar (Mediterrâneo) a Palestina será livre", expressão associada por alguns à destruição de Israel.

"A minha exigência é a igualdade de direitos desde o Jordão até ao mar pelos israelitas e palestinianos", afirmou Rima Hassan, acrescentando não questionar "de forma alguma" a existência de Israel e criticando a "preguiça intelectual" dos comentadores da questão palestiniana.

A especialista em direito internacional e sétima na lista do LFI para as eleições europeias está no centro das atenções por denunciar um "genocídio" em Gaza.

Hassan nasceu na Síria e passou a infância num campo de refugiados palestinianos nos arredores de Aleppo, antes de emigrar para França aos 10 anos, graças ao reagrupamento familiar. Tornou-se relatora do Tribunal Nacional de Asilo francês (CNDA, sigla em francês) e foi homenageada em 2022 pela Delegação Interministerial para o Acolhimento e a Integração como uma "Mulher Inspiradora".

O encontro entre Hassan e o LFI aconteceu numa conferência sobre a situação no Médio Oriente numa universidade no verão. Após os atentados do Hamas de 07 de outubro e a resposta israelita, a ativista foi contactada pelo LFI para se juntar à lista, tornando-se numa das principais figuras do partido.

Enquanto o LFI insiste na importância da causa palestiniana nestas eleições europeias, Rima Hassan ganhou visibilidade junto do grande público, pela polémica dos seus comentários e pelo seu à-vontade com os meios de comunicação social, ao ponto de conseguir ofuscar a cabeça de lista Manon Aubry.

A ativista franco-palestiniana e fundadora do Observatório dos Campos de Refugiados, cuja posição sobre o conflito israelo-palestiniano é criticada desde a extrema-direita até à esquerda, é uma das mais aplaudidas pelos ativistas pró-palestinianos, incluindo pelos estudantes franceses que nos últimos dias bloquearam universidades para apoiar a causa palestiniana.

Israel declarou a 07 de outubro do ano passado uma guerra na Faixa de Gaza para "erradicar" o Hamas depois de este, horas antes, ter realizado em território israelita um ataque de proporções sem precedentes, fazendo 1.163 mortos, na maioria civis.

O Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) -- desde 2007 no poder em Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel -- fez também 250 reféns, cerca de 130 dos quais permanecem em cativeiro e 34 terão entretanto morrido, segundo o mais recente balanço das autoridades israelitas.

Tópicos
pub