Catarina Martins: Se o PS tiver maioria absoluta não pode contar com o BE

| Maria Flor Pedroso
Catarina Martins: Se o PS tiver maioria absoluta não pode contar com o BE

Foto: Lusa

A líder do Bloco de Esquerda diz que "um partido com maioria absoluta não precisa de mais ninguém". Portanto, se isso acontecer em próximas eleições, o BE não serve para "par de jarras". Em entrevista a Maria Flor Pedroso da Antena 1, Catarina Martins diz que não vê utilidade na continuação da atual solução política se o PS tiver maioria absoluta, coisa em que não acredita: "nada aponta para que o PS tenha maioria".

Pode ver aqui toda a entrevista:

Sobre a hipótese de Mário Centeno ir para o Eurogrupo, Catarina Martins considera que isso não deve ser uma prioridade. E a acontecer, diz, o ministro das Finanças ficaria "condicionado" a fazer uma política diferente da que faz em Portugal. A líder bloquista afirma que só "com ingenuidade" se pode pensar que teria margem para fazer diferente.


Ainda sobre o ministro Mário Centeno, a líder do Bloco de Esquerda não aceita que não haja aumento de salários para a Função Pública até ao final da Legislatura, como o ministro afirmou à Antena 1 na segunda-feira. Os aumentos têm que ser uma realidade "agora", acrescenta.

A líder do Bloco de Esquerda é muito clara, nesta entrevista à Antena 1, ao afirmar que "neste momento já temos (Governo e BE) convergência sobre os escalões do IRS", mas não quer ser o BE a fazer o anúncio do número de escalões e como serão distribuídos.

Catarina Martins, sem falar da questão das lideranças, afirma que seria benéfico para o debate democrático que "a direita se recompusesse para que possamos discutir projetos políticos".

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.