Maria Flor Pedroso entrevista Arménio Carlos

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Arménio Carlos

Foto: Antena1

Salário Mínimo Nacional: 600 euros não chegam para base de negociação e não pusemos o aumento salarial para este ano na gaveta.

Arménio Carlos, o líder da CGTP, em entrevista à Antena1 nas vésperas de mais um 1º de Maio, anuncia que na próxima terça-feira vai pedir um novo patamar para o Salário Mínimo. 600 euros não podem ser a base, porque a CGTP já não parte sequer da fasquia atual dos 580 euros. "Inevitavelmente vamos ver cartazes a pedir mais de 600 euros".

A CGTP não desiste do aumento dos salários ainda em 2018: "não vamos meter na gaveta o aumento para este ano". O líder da CGTP afirma que "o PM tem uma oportunidade única de juntar a palavra à honra e pôr uma linhazinha no Orçamento 2019, não é preciso mais, a dizer que o Governo assume a responsabilidade de atualizar os salários do sector público".

O mês de Maio é rico em greves e pré-avisos de greve, o Secretário-Geral da CGTP é claro: quando questionado sobre a temperatura da contestação social, responde que esta é "uma Primavera que começa a tornar-se quente (...), se a economia evoluiu e as pessoas não veem retorno, as pessoas ficam indignadas".

Ainda assim, afasta, nesta entrevista à Antena1, a possibilidade de vir a gritar 'está na hora, está na hora do Governo ir embora' enquanto esta solução governativa durar. Reconhece que a situação dos trabalhadores está melhor com o atual Governo, mas inverte a questão, considerando que a comparação não pode ser com 2016, mas sim com 2011.

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de Arménio Carlos a Maria Flor Pedroso:

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

O Estado de Kerala, na Índia, está a enfrentar as piores cheias do último século. As chuvas torrenciais fizeram 350 mortos e deixaram cerca de 350 mil pessoas desalojadas.

    Os depósitos foram descobertos nas regiões polares. Se houver gelo suficiente na superfície, a água poderá ser utilizada em futuras missões ao satélite natural.

    Ocupou durante 60 anos vários cargos nas Nações Unidas e viria a deixar a sua marca na história da organização. Kofi Annan morreu em Berna aos 80 anos.

    Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.