Maria Flor Pedroso entrevista Arménio Carlos

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Arménio Carlos

Foto: Antena1

Salário Mínimo Nacional: 600 euros não chegam para base de negociação e não pusemos o aumento salarial para este ano na gaveta.

Arménio Carlos, o líder da CGTP, em entrevista à Antena1 nas vésperas de mais um 1º de Maio, anuncia que na próxima terça-feira vai pedir um novo patamar para o Salário Mínimo. 600 euros não podem ser a base, porque a CGTP já não parte sequer da fasquia atual dos 580 euros. "Inevitavelmente vamos ver cartazes a pedir mais de 600 euros".

A CGTP não desiste do aumento dos salários ainda em 2018: "não vamos meter na gaveta o aumento para este ano". O líder da CGTP afirma que "o PM tem uma oportunidade única de juntar a palavra à honra e pôr uma linhazinha no Orçamento 2019, não é preciso mais, a dizer que o Governo assume a responsabilidade de atualizar os salários do sector público".

O mês de Maio é rico em greves e pré-avisos de greve, o Secretário-Geral da CGTP é claro: quando questionado sobre a temperatura da contestação social, responde que esta é "uma Primavera que começa a tornar-se quente (...), se a economia evoluiu e as pessoas não veem retorno, as pessoas ficam indignadas".

Ainda assim, afasta, nesta entrevista à Antena1, a possibilidade de vir a gritar 'está na hora, está na hora do Governo ir embora' enquanto esta solução governativa durar. Reconhece que a situação dos trabalhadores está melhor com o atual Governo, mas inverte a questão, considerando que a comparação não pode ser com 2016, mas sim com 2011.

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de Arménio Carlos a Maria Flor Pedroso:

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.