Maria Flor Pedroso entrevista Carlos César

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Carlos César

Foto: Antena1

Presidente do PS considera que, por vezes, quando ouve alguns representantes de confederações patronais e centrais sindicais, não se tem a certeza que estejam a representar de facto a opinião dos empresários e dos trabalhadores.



Carlos César considera que há um problema em Portugal "de regulação, de interlocução social". O Presidente e líder parlamentar do PS entende que, por vezes, quando ouve alguns representantes de confederações patronais e centrais sindicais não se tem a certeza que estejam a representar de facto a opinião dos empresários. Para César, o mesmo acontece com os líderes das centrais sindicais e dos sindicatos. Exemplifica com a Autoeuropa "na maior parte dos casos, eles são objeto de tentativa por parte das centrais sindicais na tentativa de os absorver". Para o líder parlamentar do PS isto "dificulta muito a negociação em Portugal porque nem sempre um acordo entre o Governo e um Sindicato corresponde rigorosamente a um acordo com os respetivos públicos".

Sobre a lei de financiamento dos partidos, aprovada esta sexta-feira no parlamento, Carlos César não vê razões para que seja agora vetada pelo Presidente da República.

Sobre os entendimentos com o PSD, "em áreas não marcadas ideologicamente" como a descentralização e os fundos europeus Carlos César deixou a garantia de que o PS não fará qualquer acordo que ponha em causa a atual solução governativa. "Não estamos a trabalhar com o PSD em áreas de risco para a unidade dos partidos que apoiam o Governo". Exemplifica com a Segurança Social "abalaria muito a nossa a relação à Esquerda, mas também o próprio PS".

César vê a Direita a disputar a liderança da Oposição, "parece ser essa a maior ambição de ambos os partidos, depois de eles se entenderem, se calhar, falarão connosco". César diretamente acusa o CDS de "colonizar" o PSD.

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de Maria Flor Pedroso a Carlos César:

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.