Ataque a petroleiros. EUA divulgam alegada prova contra Irão

| Mundo

Os EUA acreditam que o Irão quis recuperar provas do seu envolvimento no ataque contra os petroleiros
|

Os Estados Unidos divulgaram na quinta-feira um vídeo que alegadamente mostra uma embarcação iraniana a remover uma mina do petroleiro japonês Kokura Courageous, um dos dois que horas antes foram alvo de um possível ataque no Golfo de Omã.

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo tinha, na quinta-feira, responsabilizado Teerão pelo ataque ao navio japonês Kokura Courageous e ao norueguês Front Altair, ambos atingidos por engenhos explosivos no Golfo de Omã.

“O Governo dos Estados Unidos considera que (…) estes ataques constituem uma ameaça clara à paz e segurança internacionais, um flagrante ataque à liberdade de navegação e uma campanha inaceitável de tensão em espiral pelo Irão”, declarou Pompeo.

No mesmo dia, o Comando Central dos Estados Unidos, responsável pelas operações militares desta potência mundial, divulgou o polémico vídeo que mostra uma embarcação com vários homens que removem um objeto de um dos lados exteriores do petroleiro japonês, cerca de oito horas depois dos alegados ataques.


Os EUA acreditam que essa embarcação é iraniana, que o objeto em questão é uma mina que não chegou a explodir e que o objetivo dos tripulantes era recuperar provas do seu envolvimento no ataque contra os petroleiros.

De acordo com um funcionário do Comando Central, o vídeo foi capturado por uma aeronave militar norte-americana que sobrevoava o local. Na zona onde estava o petroleiro japonês encontrava-se também uma fragata de guerra e um drone norte-americanos, algo que não impediu a alegada recuperação de provas.

Outro funcionário contou à CNN que outros pequenos barcos iranianos entraram na área onde a fragata de guerra USS Bainbridge se encontra, o que levou o Comando Central a deixar claro que “não será tolerada qualquer interferência com a USS Bainbridge ou a sua missão”.
Irão rejeita acusações
Para além do vídeo, o Comando divulgou imagens dos tripulantes da USS Bainbridge a prestar auxílio aos membros do Kokura Courageous após o ataque, que a Associação Internacional dos Proprietários Independentes de Petroleiros considera ter sido “bem planeado e coordenado”, com as minas colocadas “junto à linha da água, próximo dos motores”.

Os 44 tripulantes dos navios japonês e norueguês tiveram de ser resgatados pelas marinhas do Irão e dos Estados Unidos, não tendo sido registadas vítimas.

A Missão Permanente do Irão para as Nações Unidas já rejeitou as acusações norte-americanas, considerando que estas “não possuem fundamento” e garantindo que Teerão está preocupado com estes “incidentes suspeitos”.

Já o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Javad Zarif, considerou suspeito que o ataque ao Kokura Courageous tenha ocorrido na altura em que o primeiro-ministro japonês se encontrava no Irão numa tentativa de acalmar as tensões entre esse país e os Estados Unidos.
Tensão crescente
O secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou-se contra aos ataques, dizendo condenar “com veemência qualquer ataque contra embarcações civis”. “Há que apurar os factos e clarificar responsabilidades. Se há algo a que o mundo não pode se pode sujeitar é a um confronto em larga escala na zona do Golfo”, frisou.

O recente ataque chega numa altura de tensão entre o Irão e os Estados Unidos, que atingiu o pico no início de maio, quando a Administração Trump destacou um porta-aviões e bombardeiros para o Médio Oriente de modo a “passar uma mensagem” ao Irão e impedir eventuais ataques por parte do país contra as forças norte-americanas na região.

Poucos dias depois, Teerão anunciou a retirada parcial do acordo nuclear que tinha assinado com outros seis países em 2015 e que os Estados Unidos haviam já abandonado no ano passado. O Presidente iraniano, Hassan Rouhani, ameaçou mesmo retomar o enriquecimento de urânio.

Na semana seguinte, dois petroleiros sauditas sofreram danos num alegado ataque de sabotagem na costa dos Emirados Árabes Unidos, incidente no qual John Bolton acredita que o Irão esteve “quase de certeza” envolvido.

Tópicos:

Golfo de Omã, Irão, Kokura Courageous, Mina, Petroleiro, Vídeo, Estados Unidos,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Entrevista Olhar o Mundo a um dos autores e investigadores militares mais reconhecidos do mundo anglo-saxónico.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.