Atirador que matou um polícia em Paris estava a ser vigiado por suspeitas de radicalismo

| Mundo
Atirador que matou um polícia em Paris estava a ser vigiado por suspeitas de radicalismo

A ver: Atirador que matou um polícia em Paris estava a ser vigiado por suspeitas de radicalismo

O atirador que ontem matou um policia em Paris estava a ser vigiado por suspeitas de radicalismo e já tinha antecedentes criminais graves. As autoridades tentam agora perceber o que falhou para que tenha conseguido lançar o terror nos campos eliseos. A policia procura ainda um outro cúmplice e homenageou hoje os colegas atingidos no tiroteio. Reportagem da correpondente da RTP em Paris Rosário Salgueiro e de Jorge Vieira.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.