Califórnia. Incêndio mais mortífero da história do Estado já fez 42 mortos

| Mundo

Muitas das vítimas foram encontradas em carros carbonizados
|

Subiu para 42 o número de mortos confirmados pelas autoridades. É o incêndio mais mortífero de sempre naquele Estado norte-americano, fustigado a cada ano pela violência das chamas. É também o mais destrutivo de que há memória. Mais de sete mil edifícios foram destruídos e a cidade de Paradise ficou praticamente incinerada. Mais de 50 mil pessoas continuam deslocadas para longe das suas casas. Há centenas dadas como desaparecidas.

Em conferência de imprensa na segunda-feira à noite, o xerife do condado de Butte, Korey Honea, afirmou que, "até agora, os restos mortais de 13 novas pessoas foram descobertos, elevando o número total de mortes para 42". E, claramente, as autoridades afirmam que o número de mortos deverá aumentar.

"Este é o incêndio florestal mais mortífero da história deste estado”, sublinhou Korey Honea. Os 42 mortos confirmados são o registo mais elevado de fatalidades decorrentes de um único incêndio, ultrapassando o anterior registo de 29 vidas perdidas em 1933, no Griffith Park, em Los Angeles.
Muitas das vítimas foram encontradas em carros carbonizados.
A Califórnia está a enfrentar dois dos mais graves anos seguidos de incêndios na sua história. Em outubro do ano passado, uma série de incêndios florestais lavraram na Califórnia, matando 46 pessoas.

As autoridades revelaram que pelo menos 228 pessoas estão oficialmente desaparecidas. A par do combate às chamas que ainda lavram, feita por mais de oito mil bombeiros, há uma larga operação de busca em curso. Foram pedidos meios de reforço para procurar quem está desaparecido. Entre os meios mobilizados, estão várias equipas com cães especializados em localizar restos mortais de pessoas.

O presidente norte-americano aprovado a declaração de calamidade para a Califórnia esta segunda-feira. Trump argumentou no Twitter que “queremos responder rapidamente para tentar aliviar algum do incrível sofrimento”. Esta declaração permite um sistema mais simplificado de acesso a ajuda ou a apoio jurídico.
Declarações mais pacíficas do que aquelas que Donald Trump proferiu no fim de semana, quando apontou a “má gestão florestal” como a principal causa dos incêndios, gerando várias críticas.

Uma comissão californiana está já a investigar qual o ponto de ignição dos incêndios mais recentes, entre relatos de que as companhias de eletricidade sofreram avarias, pouco antes das chamas terem começado a lavrar.

A baixa humidade, ventos quentes e a situação de seca criaram um cenário propício aos incêndios, agravando por uma concentração populacional duas vezes maior do que aquela que existia nos anos 70. As alterações climáticas não podem ser descartadas, com temperaturas a níveis recorde, temporadas de calor mais prolongadas e menos chuva. Para o governador do estado da Califórnia, “este não é o novo normal. É o novo anormal”.

Tópicos:

Paradise, desaparecidos, incêndios, mortos, Califórnia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Várias organizações de defesa dos Direitos Humanos exigem uma investigação rigorosa.

A morte do advogado foi conhecida há dois anos, no Natal, mas existem vários indícios de que a possa ter simulado.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.