COP28. Emirados Árabes Unidos com planos para fechar acordos de petróleo e gás durante a cimeira climática

por Carla Quirino - RTP
Amr Alfiky - Reuters

Diversos documentos foram revelados na véspera da conferência climática da ONU - COP28, demonstrando que os Emirados Árabes Unidos, país anfitrião do evento, tem planos para usar o encontro para fechar acordos de petróleo e gás com 15 países.

Os documentos descobertos e revelados à imprensa foram obtidos por jornalistas independentes do Center for Climate Reporting que trabalham em conjunto com a BBC.

Nessa informação vazada estão textos que descrevem os planos preparados pela equipa da COP28 dos Emirados Árabes Unidos (EAU) para reuniões com cerca de 27 governos estrangeiros antes da cimeira da COP28, que começa a 30 de novembro, em Abu Dhabi.

Nos documentos estão expressos os "pontos de discussão" propostos, como um para a China, que afirma que a Adnoc, a empresa petrolífera estatal dos EAU, está "disposta a avaliar conjuntamente as oportunidades internacionais de GNL - gás natural liquefeito em Moçambique, Canadá e Austrália”.

Os textos sugerem ainda dizer a um ministro colombiano que a Adnoc “está pronta” para apoiar a Colômbia no desenvolvimento dos seus recursos de combustíveis fósseis.

Incluem também pontos de discussão para outros 13 países, incluindo a Alemanha e o Egipto, que sugerem dizer-lhes que a Adnoc quer trabalhar com os seus governos para desenvolver projetos de combustíveis fósseis.

Os planos dos Emirados alargam-se a pontos de discussão sobre oportunidades comerciais para a sua empresa estatal de energia renovável, Masdar, antes das reuniões com 20 países, incluindo Reino Unido, Estados Unidos, França, Alemanha, Países Baixos, Brasil, China, Arábia Saudita, Egipto. e Quénia.

A equipa dos EAU não negou o uso das reuniões da COP28 para se falar de negócios, sublinhando que “reuniões privadas são privadas”.

O mesmo grupo de trabalho recusou-se a comentar o que foi discutido nas reuniões e disse que em cima da mesa estiveram “acções climáticas significativas”.
Conflito de interesses
O sultão al-Jaber é o homem nomeado para presidente da cimeira do clima. Jaber é também chefe da empresa petrolífera estatal dos Emirados Árabes Unidos, a Adnoc e CEO da empresa estatal de energias renováveis, Masdar.

Como parte dos preparativos para a conferência, a equipa COP28 dos EAU organizou uma série de reuniões ministeriais com governos de todo o mundo que serão lideradas pelo presidente da cimeira,  al-Jaber.
Sultão al-Jaber, presidente da COP28 | Christophe Van Der Perre - Reuters

Os documentos revelados pela BBC explicam o resumo dos objetivos das reuniões com al-Jaber.

Se por um lado há questões sobre os esforços dos EAU para fazer avançar as negociações sobre o clima, tem por outro pontos de discussão elaborados pela Adnoc e Masdar, como por exemplo: "o ministro do Meio Ambiente brasileiro deve ser solicitado a ajudar a garantir o alinhamento e o endosso" à oferta da Adnoc pela maior empresa de processamento de petróleo e gás da América Latina, a Braskem. No início deste mês, a Adnoc fez uma oferta de 2,1 mil milhões de dólares para comprar uma participação importante.

Noutro ponto, a Adnoc dirige-se à Alemanha: "Estamos prontos para continuar o nosso fornecimento de GNL".

Ainda, a empresa petrolífera estatal dos EAU sugere que os estados produtores de petróleo da Arábia Saudita e da Venezuela fossem informadas de que "não há conflito entre o desenvolvimento sustentável dos recursos naturais de qualquer país e o seu compromisso com as alterações climáticas".

A BBC confirma que viu uma troca de e-mails em que os membros da equipe da COP28 são informados de que os pontos de discussão das empresas Adnoc e Masdar “precisam sempre de ser incluídos” nas notas informativas. A equipe da COP28 já veio dizer que era “simplesmente falso” que tenha havido essa ordem.
  "Obrigação de imparcialidade"
A tentativa de fazer negócios durante o processo da COP parece ser uma violação grave dos padrões de conduta esperados de um presidente da cimeira.

Essas normas são estabelecidas pelo órgão da ONU responsável pelas negociações climáticas, a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (CQNUAC).

Este grupo de trabalho afirma que o “princípio fundamental” para os presidentes da COP e suas equipas é “a obrigação de imparcialidade”.

À dúvida sobre a atuação desta presidência, a CQNUAC respondeu à BBC: “espera-se que os presidentes da COP atuem sem preconceitos, preconceitos, favoritismo, caprichos, interesses próprios, preferências ou deferências, estritamente baseados num julgamento sólido, independente e justo”.

“Espera-se também que os dirigentes da COP28 garantam que as opiniões e convicções pessoais não comprometam ou pareçam comprometer o seu papel e funções como oficial da CQNUAC”, apelou.

Já o especialista em política climática da ONU, professor Michael Jacobs, da Universidade de Sheffield, mostra-se menos otimista. 

Jacobs advertiu que as ações da equipa da COP28 revelam-se “hipócritas” e acrescenta: "Na verdade, penso que é pior do que isso", observou. E reitera: "neste momento os EAU são os guardiães de um processo das Nações Unidas que visa reduzir as emissões globais. E, no entanto, nas mesmas reuniões em que aparentemente está a tentar prosseguir esse objetivo, está na verdade a tentar fazer acordos paralelos que aumentarão as emissões globais".

O órgão de ciência climática da ONU considera crucial que a COP28 ajude a encontrar formas para limitar o aumento da temperatura global a longo prazo a 1,5ºC. Para atingir esse objetivo serão necessários cortes drásticos nas emissões de gases com efeito de estufa, nomeadamente uma redução de 43 por cento até 2030 em relação aos níveis de 2019.

O encontro termina a 12 de dezembro.
Tópicos
pub