Críticas de todo o mundo à decisão de Trump

| Mundo

|

A decisão do presidente dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, originou um coro de críticas à escala global. O mundo árabe mostra indignação e o tema vai ser levado ao Conselho de Segurança da ONU.

O presidente da Autoridade da Palestina, Mahmoud Abbas, disse que “os Estados Unidos "minam deliberadamente todos os esforços de paz" e considerou que a partir deste momento, a América não pode desempenhar qualquer papel no processo de paz.

“Abriram os portões do inferno”, afirmou Ismail Radwan, principal representado do Hamas aos repórteres na Faixa de Gaza. Espera-se pela hora em que os jovens vão voltar outra vez a agarrar em pedras.

No mundo árabe, as críticas sucederam-se desde Teerão que prevê uma “nova intifada”, até Riade. A Arábia Saudita, o tradicional aliado dos Estados Unidos no médio-oriente, classificou a decisão como “injustificada e irresponsável". A Jordânia considera a decisão de Trump uma "violação do direito internacional".


Um dos discursos mais incisivos partiu do secretário-geral das Nações Unidas. António Guterres lembrou que a ONU "sempre foi contra qualquer medida unilateral".

O Papa Francisco pediu a partir do Vaticano, que se evitem novos pontos de discórdia no médio-oriente.

A União Europeia veio exprimir a sua "profunda preocupação" com as repercussões que a decisão pode trazer para as perspetivas de paz.

Theresa May, Angela Merkel e Emmanuel Macron alinharam pelo mesmo diapasão. Ninguém está de acordo com a nova posição dos Estados Unidos a não ser Israel.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, elogiou a decisão de Trump como um "dia histórico" e assegurou que nada vai mudar em Jerusalém como um local sagrado para as três principais religiões monoteístas.

Tópicos:

Capital, Críticas, EUA, Intifada, Israel, Palestina, Trump, Jerusalém,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.