Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se de emergência para debater Jerusalém

| Mundo

|

O mundo árabe está indignado com a decisão do presidente dos Estados Unidos de ter proclamado Jerusalém como capital de Israel. As manifestações mais expressivas acontecem na Turquia. O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir-se de emergência na sexta-feira.

Em Istambul, milhares de pessoas contestaram a decisão de Donald Trump. Em Ancara, os manifestantes fizeram um protesto ruidoso em frente ao consulado norte-americano. O presidente turco diz que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel vai beneficiar os grupos terroristas.

Erdogan convocou para 13 de dezembro, em Istambul, uma reunião de dirigentes de países muçulmanos para analisar a decisão norte americana.

Na Jordânia, nas ruas da capital, também houve protestos com os manifestantes a exigirem o corte de relações com os Estados Unidos. O mesmo aconteceu no Líbano, onde os refugiados palestinianos condenaram nas ruas a medida de Donald Trump.



Para além da população, o Líbano e a Síria juntaram-se oficialmente ao coro de críticas ao reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel. O Líbano "rejeita e denuncia esta decisão e anuncia a sua total solidariedade para como o povo palestiniano", afirmou o primeiro-ministro libanês, Saad Hariri.

O presidente sírio, Bashar al-Assad, na sua página oficial no Facebook, considerou que "o futuro de Jerusalém não será determinado por um Estado ou um presidente, mas pela sua história, a sua vontade e determinação daqueles que são leais à causa palestiniana".

Estes protestos realizam-se depois de o Presidente norte-americano ter reconhecido na quarta-feira Jerusalém como capital de Israel, ao anunciar a mudança da embaixada neste país de Telavive para a cidade santa.

A comunidade internacional nunca reconheceu Jerusalém como capital de Israel, nem tão pouco a anexação em 1967 da parte oriental da cidade.

Israel considera a cidade santa como a sua capital “eterna e reunificada”, mas os palestinianos defendem que Jerusalém Oriental será um dia a capital de um Estado palestiniano. Este é um dos principais diferendos a opor duas partes.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém apenas poderá ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

A data de 6 de dezembro de 2017 fica para a História como o dia em que os Estados Unidos reconheceram Jerusalém como capital de Israel, o único país no mundo a avançar com essa posição. O Conselho de Segurança vai reunir-se de emergência na sexta-feira.

A informação mais vista

+ Em Foco

Fãs de Aretha Franklin homenagearam a cantora em várias cidades dos ...

    Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

      Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.

      É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.