"Deportados para outro mundo"

Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

| Mundo



Assunto incómodo, abafado na época, que só nos últimos anos tem sido desvendado.

Histórias trágicas de portugueses que estiveram escondidas durante décadas. Ocultas em arquivos alemães e franceses no meio de documentos, livros de morte, registos de trabalhadores forçados.

Algarvios, minhotos, lisboetas, transmontanos que viveram o inferno nos campos de Auschwitz, Dachau, Buchenwald, Mauthausen, Bergen Belsen.

A maioria destes homens e mulheres morreu. Alguns sobreviveram às fábricas da morte para contar a história.

"Deportados para outro mundo" - a primeira grande reportagem de televisão sobre o tema - segue o rasto e a história de alguns destes portugueses, dá-lhes rosto e recolhe o testemunho dos seus familiares.

"Deportados para Outro Mundo" é uma reportagem de Ana Luísa Rodrigues, Carla Quirino e José Rui Rodrigues, com grafismo de Sofia Pedro, Pesquisa de Luísa Vaz, Produção de Natacha Silva.




O algarvio Tomás vieira emigrou para França na década de 1920 , com a mulher e as duas filhas. Morreu no campo de concentração de Mauthausen.

José Agostinho das Neves, militante anarquista, foi preso em França por razões políticas. Deportado para o campo de concentração de Dachau, sobreviveu à libertação para contar a história.


O tema dos portugueses deportados ou feitos escravos e prisioneiros de guerra pelos nazis tem sido recuperado nos últimos anos, sobretudo por uma investigação jornalística e através de um projeto internacional do Instituto de História Contemporânea.


Cartão de Deportada Política de Maria Barbosa.
Nascida em Ponte de lima, foi deportada para 3 campos de concentração e obrigada a trabalho escravo.
Foi libertada em Bergen-Belsen em Abril de 1945.


Ficha de prisioneiro do campo de Vernet D'Ariège em território francês. Deste campo sairam vários portugueses para campos de concentração.

Na aldeia de Ferrarias Cimeiras, Castelo Branco, Américo Nunes mostra a foto do tio.
José Nunes Mateus combateu na Guerra Civil de Espanha e exilou-se em França.
Quando a França é ocupada por Hitler, foi deportado juntamente com outros espanhóis. Morre em 1941 no campo de Mauthausen.

Abel Carvalho e Américo da Costa eram emigrantes em França.
Foram "passageiros" do sinistro "Comboio Fantasma" em julho de 1944 e deportados para o campo de concentração de Dachau.

"A Morte Lenta" foi publicado em 1945 e originalmente em português.
Émile Henry, tinha origem francesa mas longa ligação a Portugal. Escreveu-o quando regressou ao Porto depois da guerra.

Nos jornais censuravam-se artigos sobre os portugueses deportados. Este artigo do "Diário Popular" é uma exceção.



A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.