"Desta vez a vitória é minha" - Presidente eleito

| Mundo

O Presidente eleito timorense, Francisco Guterres Lu-Olo, manifestou-se hoje feliz pela vitória nas eleições de segunda-feira, para que considera foi determinante o apoio de Xanana Gusmão, comprometendo-se a trabalhar no cargo pelo diálogo nacional.

"Desta vez a vitória é minha", disse à Lusa Lu-Olo que foi eleito na primeira volta das eleições presidenciais e na sua terceira tentativa, depois de derrotado na segunda volta nas eleições de 2007 e 2012.

"Foi realmente decisivo esse apoio de Xanana Gusmão e do CNRT, mas posso dizer que muito mais decisivo foram os militantes e quadros da Fretilin que apoiaram a minha candidatura. Esses sim foram determinantes", afirmou à Lusa, nas suas primeiras declarações desde que foi eleito.

Lu-Olo falava à Lusa na sede do Comité Central da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) onde hoje à tarde, hora local, se concentraram centenas de militantes e simpatizantes do partido e onde o Presidente eleito foi congratulado por muitos dos presentes.

Pouco tempo depois da conversa com a Lusa, Lu-Olo recebeu um telefonema do seu principal rival na corrida presidencial, António da Conceição (ministro da Educação e secretário-geral do Partido Democrático, PD), que o felicitou pela vitória "em seu nome e do partido".

Lu-Olo, presidente da Fretilin e ex-presidente do Parlamento Nacional, chega à Presidência da República depois de vários anos afastado de cargos em órgãos de soberania e numa altura de grande aproximação entre os dois maiores partidos, o seu e o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT), presidido por Xanana Gusmão.

Um ambiente de diálogo nacional que Lu-Olo garante que vai continuar a partir do momento em que tomar posse, no dia 20 de maio, quando se cumprem 15 anos da restauração da independência de Timor-Leste.

"Sempre buscarei diálogo com os órgãos do poder político, principalmente com o Governo e o Parlamento Nacional e com toda a sociedade. Irei fazer isso, para ouvir um pouco mais sobre o que as pessoas pensam do desenvolvimento do país", afirmou.

"Tentarei falar com todos para que ninguém se sinta excluído na participação da governação do país", sublinhou Lu-Olo, de 62 anos.

O Presidente eleito disse que os resultados - obteve mais de 57% dos votos, quando ainda não terminou a contagem num dos 13 municípios do país - mostram que num país onde a grande maioria da população tem menos de 25 anos, a sua candidatura "não era da velha geração", como chegou a ser classificado durante a campanha.

"Não represento a velha geração. Muita gente da nova geração apoia a minha candidatura e votaram em mim. Basta ver aqui na nossa sede do Comité Central da Fretilin (CCF). Tenho muitos jovens, uma organização da juventude muito grande que apoia a minha candidatura. Muitos jovens que votaram em mim, não apenas da Fretilin mas de outros", afirmou.

Lu-Olo quis ainda agradecer a todos os que o apoiaram, especialmente à Fretilin, os seus quadros e militantes bem como os restantes partidos que apoiaram a candidatura.

"Finalmente quero agradecer ao povo de Timor-Leste que me deu esta confiança pra ser Presidente de todos os timorenses", afirmou.

Tópicos:

Lu Olo, Revolucionária Timor Leste,

A informação mais vista

+ Em Foco

Num contexto de retorno do medo ao Reino Unido, a diplomata britânica Kirsty Hayes aponta a importância de todos os habitantes de Londres estarem unidos.

Foram mais de três horas de debate a cinco mas sem grandes novidades. Le Pen defendeu o fim da imigração. Macron foi atacado pelas ligações à banca.

Estarão os nossos equipamentos comprometidos? O especialista em cibersegurança Pedro Queirós alerta para um problema "assustador".

    Em São Bento, uma fotografia denuncia a localização da Fundação Mário Soares, uma instituição de utilidade pública, cujo futuro está ainda a ser pensado.