Dinamarca suspende vacina da AstraZeneca após casos de coagulação de sangue em doentes imunizados

por Andreia Martins - RTP
Depois da Áustria, Estónia, Lituânia, Letónia e Luxemburgo, é agora a vez da Dinamarca suspender temporariamente o uso da vacina desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford. Reuters

A Dinamarca interrompeu temporariamente o uso da vacina contra a Covid-19 produzida pela AstraZeneca. A suspensão "por precaução" surge após um número indeterminado de casos de formação de coágulos sanguíneos entre utentes que tinham sido vacinados, anunciou a autoridade de saúde dinamarquesa. São já seis os países que interromperam de alguma forma o uso desta vacina.

Depois da Áustria, Estónia, Lituânia, Letónia e Luxemburgo, é agora a vez de a Dinamarca suspender temporariamente o uso da vacina desenvolvida pela AstraZeneca e Universidade de Oxford contra a Covid-19. A interrupção surge após “relatos de casos graves de coágulos sanguíneos em pessoas que foram vacinadas com a vacina da AstraZeneca para a Covid-19”, refere a agência dinamarquesa de saúde.

A mesma explicação é dada pelo ministro dinamarquês da Saúde. “Agimos com antecipação, agora devemos investigar exaustivamente”.

No entanto, Magnus Heunicke ressalva que, até ao momento, “não se pode concluir que haja uma ligação” entre a vacina e os casos de coagulação do sangue, refere o ministro dinamarquês da Saúde no Twitter.

Com esta suspensão, todas as marcações com a vacina referida ficam suspensas e quem já tinha recebido a primeira dose deverá aguardar por novas orientações.

Na segunda-feira, a Áustria anunciou a suspensão da administração de um lote de vacinas produzidas pela AstraZeneca após a morte de uma enfermeira de 49 anos, que morreu poucos dias depois de ter recebido a vacina após "sérios problemas de coagulação".

Dois dias depois, uma investigação preliminar da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) concluiu que não houve ligação entre a morte e a administração da vacina da AstraZeneca.

De acordo com a EMA, até 9 de março houve 22 casos de trombose entre mais de três milhões de pessoas que foram vacinadas na União Europeia com a inoculação da AstraZenca, número que está em linha com o que é observado na população em geral.

Ainda assim, outros países europeus – Luxemburgo, Estónia, Lituânia e Letónia – suspenderam de imediato a vacinação com doses desse mesmo lote, distribuído por 17 países e que incluía um milhão de vacinas.

De acordo com a agência Reuters, a suspensão na Dinamarca surge após a morte de um utente que recebeu a vacina da AstraZeneca e sofreu posteriormente de distúrbios de coagulação e embolia pulmonar.

O diretor-geral de Saúde da Dinamarca, Søren Brostrøm, não deu mais detalhes sobre este caso nem esclareceu quantos casos de distúrbios de coagulação foram registados no país.

“É importante enfatizar que não estamos a desistir da vacina da AstraZeneca, é apenas uma suspensão”, salientou o responsável. “Há documentação significativa que comprova a eficácia e a segurança da vacina. Mas, em conjunto com a agência dinamarquesa do medicamento, temos de responder aos relatos de possíveis efeitos colaterais graves, tanto na Dinamarca como noutros países europeus”, acrescentou.

A Dinamarca tinha aprovado a vaciina da AstraZeneca em pessoas maiores de 65 anos há apenas seis dias, a 5 de março. Agora, a suspensão em causa deverá ser reavaliada dentro de duas semanas.

Entretanto, a farmacêutica AstraZeneca já veio garantir em comunicado que as vacinas são sujeitas a um controlo de qualidade muito rigoroso nos vários testes realizados e que “não houve efeitos adversos graves associados à vacina”. Garante, no entanto, uma colaboração estreita com as autoridades europeias no estudo destes casos e que a segurança dos pacientes é "a maior prioridade".

A vacina da AstraZeneca é uma das três imunizações que foram aprovadas pela Agência Europeia do Medicamento (EMA), e consequentemente, em Portugal. Na quarta-feira, a Direção-Geral da Saúde atualizou a norma relativa a esta vacina, aprovando o seu uso em utentes com mais de 65 anos.
pub