Eleições autárquicas de Moçambique com participação recorde de 60%

| Mundo

A participação média nas eleições autárquicas de Moçambique atingiu um valor recorde de 60,3%, anunciou hoje uma plataforma de observação, com base na votação nos 53 municípios do país.

O Centro de Integridade Pública (CIP), organização da sociedade civil moçambicana, refere em comunicado que o valor significa "um aumento significativo" em relação às eleições anteriores, de 46% em 2013, 46% em 2008 e 28% em 2003.

"A cidade de Maputo teve uma participação de 63% e Matola [segundo maior município do país] 59%, comparado com 50% e 38%, respetivamente, nas eleições passadas", acrescenta.

Quatro municípios tiveram uma participação acima de 70%, com Metangula, na província nortenha do Niassa, a registar a mais alta participação, de 77%.

Malema, na província de Nampula, teve a mais baixa participação: 39%.

A Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) domina o mapa, com 44 vitórias, mas o CIP refere que "a oposição arrecadou 49% dos votos a nível nacional".

A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) conquistaram juntos nove municípios.

O MDM venceu na cidade da Beira, capital provincial de Sofala.

A Renamo venceu nas capitais provinciais de Nampula e Quelimane e ainda nos municípios de Nacala, Angoche, Malema, Ilha de Moçambique, Chiúre e Cuamba, recorrendo judicialmente dos resultados noutros cinco: Moatize, Monapo, Marromeu, Alto Molócue e Matola.

Tópicos:

Democrático, Integridade, Libertação, Molócue, Moçambique Chiúre, Nampula, Resistência, Sofala,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Girl Move Academy existe há quatro anos com o objetivo de criar uma geração de mulheres líderes. É um “movimento de capacitação e investimento da mulher”.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      A menos de 100 quilómetros da fronteira com a Síria, a cidade turca de Gaziantep é uma terra de tradições e sabores.

      Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.