Elon Musk admite que X "pode falhar, como tantos previram"

por RTP
Clodagh Kilcoyne - Reuters

No fim de semana, foi detetada uma falha na plataforma X , que fez com que o site removesse fotos e links de publicações feitas antes de dezembro de 2014. Essas publicações antigas da era Twitter, com fotografias e vídeos, tinham dado lugar a links corrompidos.

O especialista em tecnologias, Tom Coates, está entre os utilizadores da plataforma X de Elon Musk, que identificou a falha da rede X.

Trata-se de publicações com fotos e vídeos feitas antes de dezembro de 2014 em que os links passaram a dar erro.

Coates apontou a falha como “vandalismo de Musk” e sugeriu que poderia fazer parte de “um exercício de economia de custos”.


A conhecida selfie de Ellen DeGeneres no Oscar de 2014 é um dos exemplos da falha. A foto é considerada a publicação do antigo Twitter mais replicada na plataforma. Tem mais de dois milhões de partilhas. A dita publicaçao de 2014 desapareceu ou foi removida. Porém, acabou por ser restaurada posteriormente.

O tweet viral do ex-presidente dos EUA, Barack Obama, após a sua vitória nas eleições de 2012, permaneceu na plataforma.
Economia com armazenamento
Alguns dos utilizadores que detetaram a falha estão a especular sobre a alegada causa. Apontam o dedo a Elon Musk, dono da plataforma, alegando um esforço para economizar custos com armazenamento de dados.

Outras pessoas atribuíram a falha a mudanças feitas na plataforma em 2016, quando foi adicionado “enriquecimento aprimorado de URL”, projetado para mostrar visualizações de sites vinculados e anexos além do limite de 140 caracteres da empresa, de acordo com The Verge .

Musk já veio atenuar as criticas, sublinhando que “a triste verdade é que não existem grandes redes sociais de momento”.

E acrescenta: “Podemos falhar, como tantos previram, mas vamos fazer o possível para que haja pelo menos uma plataforma”.

O mau funcionamento ocorreu após relatórios na semana passada que sugeriram que o acesso do X a outros sites de media social tinha sido desacelerado.

Esse afunilamento de informação implicou o acesso às plataformas da Meta Facebook, Threads e Instagram.

O atraso de cinco segundos também apareceu em links para alguns sites de notícias, como o New York Times e a Reuters.

No início deste ano, muitos utilizadores revelaram que não podiam enviar mensagens uns aos outros ou mesmo fazer publicações.

 De acordo com o The Guardian, estas contas começaram a receber notificações a alertar que estavam “acima do limite diário de envio de tweets”.  As mensagens diretas também não funcionavam.

A empresa veio pedir desculpas pelo “problema” através de uma mensagem publicada na plataforma.




Tópicos
pub