Estados Unidos deixam de ser país-membro da UNESCO

| Mundo

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, e o Presidente Donald Trump
|

A Administração Trump anunciou esta quinta-feira a saída dos Estados Unidos da UNESCO. A diplomacia norte-americana justifica a decisão com o que considera ser o pendor anti-israelita da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Os Estados Unidos pretendem manter, de ora em diante, apenas o estatuto de observador, abdicando da representação permanente na UNESCO.A diplomacia norte-americana quer ver reservado aos Estados Unidos o papel de “observador não-membro” da UNESCO, sem deixar de “contribuir com perspetivas e conhecimento”.


A diretora-geral da organização com sede em Paris já veio “lamentar profundamente” a decisão carimbada pelo Departamento de Estado norte-americano, tutelado por Rex Tillerson.

“A universalidade é essencial à missão da UNESCO para construir a paz e a segurança internacionais face ao ódio e à violência, pela defesa dos Direitos Humanos e da dignidade humana”, lê-se num comunicado de Irina Bokova.

Em conformidade com os estatutos da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, a saída norte-americana só se efetivará a partir de 31 de dezembro do próximo ano.


A decisão, procurou explicar o Departamento de Estado, “não foi tomada de forma ligeira”, espelhando as preocupações da atual Administração norte-americana com contribuições em atraso, “a necessidade de uma reforma fundamental da organização” e uma “continuada” postura “anti-Israel na UNESCO”.
“Afronta à História”
A Administração de Donald Trump havia já ameaçado, no início de julho, reavaliar o estatuto do país na UNESCO, depois de esta organização ter declarado a cidade de Hebron, na Cisjordânia, como “zona protegida”.

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, referia-se então ao gesto da organização como “uma afronta à História”, que vinha “desacreditar ainda mais uma agência da ONU já altamente discutível”.O Conselho Executivo da UNESCO é composto por 58 membros.

Já em 2011 Washington deixara de contribuir para o financiamento da UNESCO, como retaliação pela abertura de portas aos palestinianos, que passaram a figurar entre os Estados-membros.

Segundo o Departamento de Estado, a Administração norte-americana continuará atenta a “determinados dossiers importantes geridos pela organização”, nomeadamente “a proteção do património mundial, a defesa da liberdade de imprensa” e o fomento das ciências e da educação.

c/ agências internacionais

Tópicos:

Donald Trump, Estados Unidos, Organização, Presidente, Rex Tillerson, UNESCO,

A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.