Furacão Dorian ameaça Bahamas com ventos de 240 km/h

por RTP

O furacão Dorian ameaça o norte das Bahamas com ventos de 240 quilómetros por hora, esperando-se ondas fortes e chuvas torrenciais. A população já procurou abrigo em escolas e igrejas, entre alertas de que se trata de um dos mais fortes furacões das últimas décadas. Ao início da tarde de domingo subiu de intensidade para a categoria 5, o nível máximo.

Do estado da Florida aos estados da Carolina, milhares de pessoas permanecem preocupadas com a rota que o furacão poderá tomar, após as autoridades terem indicado que o Dorian iria encaminhar-se para nordeste e passar pela costa sudoeste dos Estados Unidos. Prevê-se que este domingo, o furacão afete as Bahamas e, na segunda e terça-feira, deve atingir a costa da Florida. O aeroporto de Orlando vai encerrar na segunda-feira, enquanto mais de 12 mil soldados foram posicionados na Florida.

As autoridades já alertaram que, mesmo que o centro do furacão não atinja a costa dos Estados Unidos, esta área será afetada com ondas e ventos fortes.

O Dorian é já apontado como um dos furacões mais graves dos últimos 30 anos.
No norte das Bahamas, os hotéis encerraram e os residentes estão a ser encaminhados para as áreas baixas das ilhas.
O Governo está a montar abrigos, em igrejas e escolas, que estão a ser abertos ao longo do dia.

O primeiro-ministro das Bahamas avisou que o Dorian é uma “tempestade perigosa” e alertou que quem se recusar a abandonar a sua habitação “está a colocar-se numa situação de perigo extremo e pode esperar consequências catastróficas”.

O Governador da Florida, Ron DeSantis, argumentou que “as Bahamas vão ser absolutamente arrasadas por isto, porque se trata de um tempestade muito forte”, admitindo que não há qualquer defesa, nem muitos sítios adequados para abrigo.


Por sua vez, o porta-voz do Governo, Kevin Harris, avançou que é estimado que o Dorian tenha impactos sobre 73.000 residentes de 21.000 casas.

O presidente norte-americano demonstrou preocupação pelas previsões de que o furacão ia atingir algumas áreas com maior intensidade do que inicialmente se previa. “Está a mover-se e é muito difícil de prever”, disse Trump no Twitter, avisado que é um dos maiores e mais fortes furacões das últimas décadas. “Estejam seguros”, conclui.

As autoridades têm-se desdobrado em conselhos para que a população não tenha “atos de heroísmo”, pedindo que acatem as ordens dos socorristas e pessoal de segurança.
Tópicos