Gaza. Netanyahu afirma que métodos não letais "não funcionam"

| Mundo

”Tentámos de todas as maneiras. Testámos todos os tipos de métodos”, afirmou o primeiro-ministro do Estado hebraico em entrevista à norte-americana CBS
|

Em entrevista à norte-americana CBS, o primeiro-ministro israelita sustentou que às forças do Estado hebraico só restam “más opções” para responder à vaga de protesto dos palestinianos em Gaza, onde no início da semana foram abatidas mais de 60 pessoas. Benjamin Netanyahu responsabiliza, uma vez mais, o movimento Hamas pelos acontecimentos dos últimos dias.

“Tentámos de todas as formas. Experimentámos todos os tipos de métodos. Tentamos métodos não letais e não funcionam. Só nos restam estas más opções. É mau”, afirmou o chefe do Executivo israelita, entrevistado pela estação televisiva CBS em Jerusalém.
Na terça-feira, dia de funerais de palestinianos mortos na véspera, as forças israelitas abateram pelo menos dois ativistas.

Netanyahu argumentou mesmo que as Forças de Defesa de Israel procuraram “minimizar” o número de vítimas, ao reprimir os protestos potenciados pela abertura da nova embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, cidade agora reconhecida pela Administração Trump como a capital do Estado hebraico.

“Mas são eles que as causam, na tentativa de pressionar Israel”, acentuou o primeiro-ministro israelita, para então acusar o movimento palestiniano Hamas de “empurrar civis, mulheres e crianças para a linha de fogo”.


Estas declarações de Benjamin Netanyahu repercutem o que havia já sido defendido, horas antes, pela ministra israelita da Justiça, Ayelet Shaked, que acusou igualmente o movimento palestiniano que administra a Faixa de Gaza de sacrificar civis.

“As forças de segurança estão a fazer um muito bom trabalho em conter os acontecimentos. O Hamas está a sacrificar o seu povo por objetivos políticos, mas as IDF [Forças de Defesa de Israel, na sigla inglesa] conseguem lidar com a situação”, propugnou na terça-feira a ministra.

“Espero que ontem tenham percebido a mensagem e que as coisas não se descontrolem”, acrescentou.
“Um pretexto”

Também na terça-feira, durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o emissário da organização para o Médio Oriente repartiu responsabilidades por Israel e Hamas, lamentando o que descreveu como uma “tragédia sem justificação”.

Nikolai Mladenov exortou Israel a “calibrar o recurso à força”, o que significaria encarar meios letais como “último recurso”.

Nesta reunião, a delegação dos Estados Unidos ficou isolada na defesa de Israel.

Em Washington, o Departamento de Estado norte-americano ficou aquém de um apelo à contenção, cerrando fileiras com Israel.

Para o braço diplomático do Governo Federal dos Estados Unidos, a inauguração da embaixada em Jerusalém foi um “pretexto” do Hamas para “encorajar a violência”.

“Vimos estas manifestações nas últimas seis semanas, não é novo. Se o Hamas quer utilizar isto como pretexto para acicatar as pessoas e encorajar a violência, é uma escolha sua e é uma escolha irresponsável”, vincou a porta-voz Heather Nauert, antes de sublinhar que “os Estados Unidos lamentam a perda de vidas humanas, de todas as vidas humanas”.

c/ agências internacionais

Tópicos:

Benjamin Netanyahu, Embaixada, Estados Unidos, Gaza, Hamas, Israel, Jerusalém, Médio Oriente, Palestinianos, Primeiro-ministro,

A informação mais vista

+ Em Foco

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

    Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

      O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

        Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.