Gaza. Netanyahu afirma que métodos não letais "não funcionam"

| Mundo

”Tentámos de todas as maneiras. Testámos todos os tipos de métodos”, afirmou o primeiro-ministro do Estado hebraico em entrevista à norte-americana CBS
|

Em entrevista à norte-americana CBS, o primeiro-ministro israelita sustentou que às forças do Estado hebraico só restam “más opções” para responder à vaga de protesto dos palestinianos em Gaza, onde no início da semana foram abatidas mais de 60 pessoas. Benjamin Netanyahu responsabiliza, uma vez mais, o movimento Hamas pelos acontecimentos dos últimos dias.

“Tentámos de todas as formas. Experimentámos todos os tipos de métodos. Tentamos métodos não letais e não funcionam. Só nos restam estas más opções. É mau”, afirmou o chefe do Executivo israelita, entrevistado pela estação televisiva CBS em Jerusalém.
Na terça-feira, dia de funerais de palestinianos mortos na véspera, as forças israelitas abateram pelo menos dois ativistas.

Netanyahu argumentou mesmo que as Forças de Defesa de Israel procuraram “minimizar” o número de vítimas, ao reprimir os protestos potenciados pela abertura da nova embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, cidade agora reconhecida pela Administração Trump como a capital do Estado hebraico.

“Mas são eles que as causam, na tentativa de pressionar Israel”, acentuou o primeiro-ministro israelita, para então acusar o movimento palestiniano Hamas de “empurrar civis, mulheres e crianças para a linha de fogo”.


Estas declarações de Benjamin Netanyahu repercutem o que havia já sido defendido, horas antes, pela ministra israelita da Justiça, Ayelet Shaked, que acusou igualmente o movimento palestiniano que administra a Faixa de Gaza de sacrificar civis.

“As forças de segurança estão a fazer um muito bom trabalho em conter os acontecimentos. O Hamas está a sacrificar o seu povo por objetivos políticos, mas as IDF [Forças de Defesa de Israel, na sigla inglesa] conseguem lidar com a situação”, propugnou na terça-feira a ministra.

“Espero que ontem tenham percebido a mensagem e que as coisas não se descontrolem”, acrescentou.
“Um pretexto”

Também na terça-feira, durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o emissário da organização para o Médio Oriente repartiu responsabilidades por Israel e Hamas, lamentando o que descreveu como uma “tragédia sem justificação”.

Nikolai Mladenov exortou Israel a “calibrar o recurso à força”, o que significaria encarar meios letais como “último recurso”.

Nesta reunião, a delegação dos Estados Unidos ficou isolada na defesa de Israel.

Em Washington, o Departamento de Estado norte-americano ficou aquém de um apelo à contenção, cerrando fileiras com Israel.

Para o braço diplomático do Governo Federal dos Estados Unidos, a inauguração da embaixada em Jerusalém foi um “pretexto” do Hamas para “encorajar a violência”.

“Vimos estas manifestações nas últimas seis semanas, não é novo. Se o Hamas quer utilizar isto como pretexto para acicatar as pessoas e encorajar a violência, é uma escolha sua e é uma escolha irresponsável”, vincou a porta-voz Heather Nauert, antes de sublinhar que “os Estados Unidos lamentam a perda de vidas humanas, de todas as vidas humanas”.

c/ agências internacionais

Tópicos:

Benjamin Netanyahu, Embaixada, Estados Unidos, Gaza, Hamas, Israel, Jerusalém, Médio Oriente, Palestinianos, Primeiro-ministro,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.