Governo francês proíbe smartphones nas escolas

| Mundo

A medida entra em vigor a partir de setembro
|

Esta segunda-feira foi aprovada a lei que proíbe os smartphones de entrarem nas escolas francesas. A medida entra em vigor a partir de setembro.

A partir de setembro as crianças entre os três e os 15 anos não poderão ter ligados nas escolas francesas os seus smartphones, tablets ou outros aparelhos com ligação à internet. As escolas secundárias, com alunos a partir dos 15 anos, podem escolher se querem adotar a medida de forma total ou parcial.


Além disso, a lei faz exceções para “uso pedagógico”, atividades extracurriculares e no caso de alunos com necessidades especiais, tal como é explicado pela agência France Presse.

“O nosso principal objetivo é proteger as crianças e os adolescentes. É um papel fundamental na educação e esta lei permite-o”, disse o ministro francês da educação, Jean-Michel Blanquer, ao canal francês BFMTV, de acordo com a CNN.
Lei “envia mensagem à sociedade francesa”
A lei surge depois de Macron prometer impor a medida caso fosse eleito. Passou com 62 votos a favor, dos membros do seu partido, e um voto contra. Vários deputados de esquerda e de direita abstiveram-se de votar a lei, por considerarem que não fará grandes alterações.

“Na realidade, a proibição já foi feita. Não conheço nenhum professor neste país que permita a utilização de telemóveis na sala de aula”, disse Alexis Corbière, deputado de esquerda do partido France Insoumise, segundo a CNN.

Desta forma, o deputado relembra a lei de 2010, que proíbe os smartphones “durante as atividades escolares”.

Apesar da lei de 2010, o ministro francês da Educação é da opinião que a nova legislação “envia uma mensagem à sociedade francesa e aos outros países do mundo”.
Escola em Plousane já proibia telemóveis
De acordo com o Washington Post, esta não é a única lei francesa projetada para combater o uso diário da tecnologia digital.

No ano passado, o Governo francês aprovou uma lei onde exigia às empresas que limitassem o número de emails e as tecnologias relacionadas com o trabalho fora do escritório.

As autoridades francesas defendiam que a legislação pretendia reduzir o stress relacionado com o trabalho e evitar o desgaste dos funcionários.

Sem precisar de nenhuma lei, uma escola em Plouasne, na Bretanha, já funciona sem smartphones há quatro anos, segundo relata o jornal britânico The Guardian.

Desde que proibiram os smartphones, os funcionários da escola notaram que havia “mais interação social entre as crianças, mais empatia e uma maior disposição para aprender no início das aulas”, como se pode ler no artigo.

Jean-Claude Chevalier, diretor de uma escola em Burges, no centro de França, decidiu este ano introduzir a proibição de telemóveis durante os intervalos.

“Os funcionários ficavam surpreendidos por ver centenas de alunos simultaneamente agarrados ao telemóvel durante os intervalos – todos sentados a fixar um ecrã sem falarem uns com os outros”, declarou Chevalier ao jornal britânico.

Mais de 90 por cento das crianças francesas entre os 12 e os 17 anos tinham smartphones em 2016, de acordo com a agência reguladora de telecomunicações francesa ARCEP.

Tópicos:

França, Macron, escolas, proibição, smartphones, lei,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.