Guerra no Médio Oriente. A evolução do conflito entre Israel e o Hamas ao minuto

por Graça Andrade Ramos, Joana Raposo Santos, Paulo Alexandre Amaral, Carlos Santos Neves - RTP

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre o reacender do conflito israelo-palestiniano, após a vaga de ataques do Hamas e a consequente retaliação das forças do Estado hebraico.

Emissão da RTP3


Christophe Petit Tesson - EPA

Mais atualizações Voltar ao topo
Momento-Chave
por RTP

Israel. Hospitais dizem que reféns estão bem e querem privacidade

Os hospitais de Israel dizem que os reféns que receberam estão bem de saúde e pedem respeito pela privacidade.

pub
Momento-Chave
por Lusa

Exército diz que entraram em Gaza 200 camiões com ajuda humanitária

As forças armadas israelitas (IDF) indicaram que 200 camiões com ajuda humanitária entraram na sexta-feira em Gaza, através da passagem de Rafah, na fronteira com o Egito, e foram entregues a organizações internacionais de ajuda.

"O fluxo contínuo de ajuda humanitária foi aprovado pelo Governo de Israel como parte do quadro para a libertação dos reféns acordado com os Estados Unidos e mediado pelo Qatar e o Egito", refere comunicado divulgado pelas IDF na noite de sexta-feira.

As IDF divulgaram também um vídeo que mostra uma longa caravana de camiões após uma inspeção de segurança, alegadamente em Rafah, posto fronteiriço egípcio por onde são abastecidas as organizações que prestam assistência no sul da Faixa de Gaza.

Ao 49.º dia, a guerra entre Israel e o Hamas conheceu pela primeira vez uma trégua, marcada por uma histórica troca de 24 dos reféns, incluindo uma luso-israelita em posse do movimento islamita, e 39 prisioneiros palestinianos.

Acompanhando a trégua de quatro dias, que entrou em vigor às 07:00 locais (05:00 em Lisboa), caravanas de ajuda humanitária puderam entrar na Faixa de Gaza, que se encontrava isolada e à beira do colapso, sem luz, água e combustível, e onde as unidades de saúde encerravam uma atrás da outra por falta de condições, com 2,4 milhões de habitantes do enclave a enfrentarem escassez de água e comida.

Às 16:00 locais (14:00 em Lisboa), o Hamas continuava a cumprir o acordado e começou a libertar a primeira parte dos reféns envolvidos no entendimento, 24 ao todo, incluindo 13 israelitas, 10 tailandeses e um filipino, entregues à Cruz Vermelha Internacional.

Mais tarde, coube a Israel cumprir a sua parte do acordo e libertar por sua vez 39 palestinianos que se encontravam em três prisões israelitas. Vinte e oito foram deixados na Cisjordânia, enquanto os outros 11 foram levados para Jerusalém Oriental.

No grupo estavam 15 menores e 24 mulheres, segundo a lista divulgada pela comissão responsável pelos prisioneiros da Autoridade Palestiniana, num dia marcado por reencontros mas sem lugar a festejos exuberantes em Israel, onde a polícia anunciou que proibia qualquer celebração da libertação de prisioneiros em Jerusalém.

A trégua permitiu à ONU aumentar a entrega de ajuda humanitária na Faixa de Gaza onde foram hoje descarregados 137 camiões, segundo a agência das Nações Unidas responsável pela coordenação humanitária (OCHA), a "maior caravana humanitária" a entrar no enclave desde o início do conflito.

A agência especificou que 129 mil litros de combustível também conseguiram atravessar a fronteira para Gaza e que 21 pacientes em situação crítica foram retirados do norte do enclave.

No total, 200 camiões partiram de Nitzana - uma zona de Israel perto da fronteira com o Egito onde as forças israelitas realizam inspeções a estes veículos - em direção a Rafah, informou a ONU em comunicado, sem indicar o motivo pelo qual nem todos os camiões entraram ao mesmo tempo em Gaza.

"As Nações Unidas saúdam a libertação de 24 reféns mantidos em cativeiro em Gaza desde 07 de outubro e reiteram o seu apelo à libertação imediata e incondicional dos restantes", concluiu a agência.

O grupo islamita do Hamas lançou em 07 de outubro um ataque surpresa contra o sul de Israel com o lançamento de milhares de foguetes e a incursão de milicianos armados, fazendo duas centenas de reféns.

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas, movimento que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e que é classificado como terrorista pela União Europeia e Estados Unidos, bombardeando várias infraestruturas do grupo na Faixa de Gaza e impôs um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

pub
Momento-Chave
por Lusa

Teste à paz superado no primeiro dia de cessar-fogo e troca de prisioneiros

Ao 49.º dia, a guerra entre Israel e o Hamas conheceu pela primeira vez uma trégua, marcada por uma histórica troca de 24 dos reféns, incluindo uma luso-israelita em posse do movimento islamita, e 39 prisioneiros palestinianos.

Acompanhando a trégua de quatro dias, mediada pelo Qatar e Egito, e que entrou em vigor às 07:00 locais (05:00 em Lisboa), caravanas de ajuda humanitária puderam entrar na Faixa de Gaza, que se encontrava isolada e à beira do colapso, sem luz, água e combustível, e onde as unidades de saúde encerravam uma atrás da outra por falta de condições, com 2,4 milhões de habitantes do enclave a enfrentarem escassez de água e comida.

A pausa das hostilidades entrou em vigor após uma noite em que Israel continuou a atacar a Faixa de Gaza e em que o Hamas lançou mísseis contra dois colonatos israelitas situados perto do território palestiniano, cujos habitantes já tinham sido retirados.

A última madrugada foi uma igual às outras ao fim de mais de um mês e meio de bombardeamentos intensivos das forças israelitas no enclave palestiniano controlado pelo Hamas, a que seguiu uma invasão terrestre com o propósito declarado de aniquilar o movimento islamita, provocando, segundo o Governo local, cerca de 15 mil mortos, na maioria civis, 33.000 feridos, e 1,7 milhões de deslocados, de acordo com a ONU, em aglomerados urbanos reduzidos a pó.

No entanto, as colunas de fumo negro que pairavam no horizonte da Faixa de Gaza à hora do início da trégua foram sendo dissipadas com os acontecimentos do dia, afastando também temores sobre um acordo frágil desde o sangrento dia 07 de outubro, quando combatentes do Hamas invadiram o sul de Israel e massacraram cerca de 1.200 pessoas, segundo as autoridades de Telavive, e levaram mais de 200 na condição de reféns.

Às 16:00 locais (14:00 em Lisboa), o Hamas continuava a cumprir o acordado e começou a libertar a primeira parte dos reféns envolvidos no entendimento, 24 ao todo, incluindo 13 israelitas, 10 tailandeses e um filipino, entregues à Cruz Vermelha Internacional.

Ao fim do dia, o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, confirmou que Adina Moshe, 72 anos, uma dos reféns israelitas libertados também tinha nacionalidade portuguesa.

"Tínhamos esperança e confirma-se que saiu", comentou o chefe da diplomacia portuguesa, que hoje realiza uma visita a Israel e Cisjordânia.

Quatro crianças, uma das quais de 2 anos, e seis idosas com mais de 70 também constam da lista oficial dos reféns hoje libertados pelo Hamas e, segundo a comunicação social israelitas, 12 pertenciam ao `kibutz` Nir Oz, um dos mais atingidos pelo Hamas no seu ataque brutal de 07 de outubro e onde foram sequestradas cerca de 80 pessoas.

Os reféns foram transportados em ambulâncias para Kerem Shalon, um posto fronteiriço entre o Egito e Israel que também liga à Faixa de Gaza.

De acordo com o plano, uma vez chegados a território israelita, os reféns foram levados em helicópteros militares para Hatzerim, uma base militar da Força Aérea no deserto do Neguev, perto da cidade de Beersheva, e dali para cinco hospitais nas imediações de Telavive.

Várias televisões mostraram em direto a saída dos reféns por Rafah, imagens em que se viu uma idosa a saudar as pessoas concentradas junto ao terminal fronteiriço.

À semelhança do que acontece todas as sextas-feiras, hoje, representantes de famílias dos reféns e centenas de israelitas organizaram uma receção do Shabat, em memória dos mais de 240 sequestrados do Hamas no centro de Telavive, que contou com a presença do ministro do Gabinete de Guerra, Benny Gantz.

Mais tarde, coube a Israel cumprir a sua parte do acordo e libertar por sua vez 39 palestinianos que se encontravam em três prisões israelitas. Vinte e oito foram deixados na Cisjordânia, enquanto os outros 11 foram levados para Jerusalém Oriental.

No grupo estavam 15 menores e 24 mulheres, segundo a lista divulgada pela comissão responsável pelos prisioneiros da Autoridade Palestiniana, num dia marcado por reencontros mas sem lugar a festejos exuberantes em Israel, onde a polícia anunciou que proibia qualquer celebração da libertação de prisioneiros em Jerusalém.

A trégua permitiu à ONU aumentar a entrega de ajuda humanitária na Faixa de Gaza onde foram hoje descarregados 137 camiões, segundo a agência das Nações Unidas responsável pela coordenação humanitária (OCHA), a "maior caravana humanitária" a entrar no enclave desde o início do conflito.

A agência especificou que 129 mil litros de combustível também conseguiram atravessar a fronteira para o território e que 21 doentes em situação crítica foram retirados do norte do enclave.

No rescaldo do dia, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, saudou a libertação dos primeiros reféns do Hamas e prometeu o regresso de "todos os raptados".

"Concluímos o retorno do primeiro dos nossos sequestrados. As crianças, as suas mães e outras mulheres. Cada uma delas é um mundo inteiro", disse o chefe do governo numa mensagem em vídeo, embora já tenha avisado que esta trégua não significa o fim dos combates com o Hamas.

O movimento palestiniano divulgou, ao final do dia, um vídeo mostrando alguns dos seus milicianos, encapuzados e fortemente armados, a entregarem a elementos da Cruz Vermelha crianças e idosos libertados.

Em Washington, o Presidente norte-americano, Joe Biden, reiterou os apelos para uma "solução de dois estados", a fim de "acabar com o ciclo de violência no Médio Oriente" e afirmou que a libertação dos primeiros reféns "é apenas o começo", estimando ainda que existem "possibilidades reais" de prolongar a trégua.

Estima-se que as milícias palestinianas em Gaza tenham como reféns cerca de 240 pessoas, cerca de 210 nas mãos do Hamas e outras 30 da Jihad Islâmica.

Israel e o Hamas chegaram a um acordo para um cessar-fogo, que permitirá a libertação de 50 reféns israelitas que as milícias islamitas mantêm dentro da Faixa de Gaza, em troca da libertação de 150 prisioneiros palestinianos. Em ambos os casos, são mulheres e menores.

A trégua que hoje entrou em vigor poderá ser prorrogada por mais um dia até um máximo de dez dias, sendo cada um deles um teste a duas partes que há muito não experimentavam o diálogo.

pub
por Lusa

Cruz Vermelha congratula-se com intervenção na libertação de reféns e prisioneiros

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) congratulou-se hoje pela sua intervenção na libertação de reféns raptados pelo Hamas e de palestinianos detidos por Israel, sublinhando a vontade de continuar o trabalho no sábado.

"Esta operação mostra o verdadeiro impacto do nosso papel como intermediário neutro entre as partes em conflito", destacou o CICV, numa declaração feita no final das libertações, no primeiro dos quatro dias de trégua acordados entre Israel e o grupo islamita Hamas.

A organização humanitária escoltou e transportou 24 reféns de Gaza para o Egito, através da passagem fronteiriça de Rafah, onde foram entregues às autoridades egípcias, enquanto os 39 palestinianos detidos em Israel deixaram a prisão de Ofer. Na maioria, foram levados para Ramallah, a capital administrativa da Autoridade Nacional Palestiniana.

Anteriormente, a centenária organização humanitária tinha indicado que as suas equipas iniciaram uma operação de "vários dias" para facilitar a libertação e transporte de reféns raptados em Gaza e de detidos palestinianos com destino à Cisjordânia.

A operação também vai permitir o envio de ajuda para Gaza, incluindo equipamentos médicos para hospitais, adiantou a organização com sede em Genebra.

O CICV reiterou que não participou nas negociações que levaram à libertação das pessoas, embora estas tenham ocorrido na mesma semana em que a presidente da organização, Mirjana Spoljaric, se reuniu no Qatar com o líder político do Hamas, Ismail Haniya.

"O nosso maior desejo é que todos os reféns sejam libertados e que os civis parem de sofrer a dor que o conflito trouxe", acrescentou o diretor regional do CICV no Médio Oriente, Fabrizio Carboni, no comunicado hoje divulgado.

Segundo o acordo alcançado entre Israel e o Hamas, mediado pelo Qatar e pelo Egito, durante os quatro dias de trégua, Israel vai receber 50 reféns israelias, que serão trocados pela libertação de 150 prisioneiros palestinianos.

pub
por Lusa

Diplomacia espanhola convoca embaixadora israelita após críticas a Pedro Sánchez

O Ministério dos Negócios Estrangeiros espanhol convocou hoje a embaixadora israelita em Espanha, na sequência das acusações de Israel de que o primeiro-ministro, Pedro Sánchez, apoia o terrorismo ao defender a possibilidade de reconhecimento unilateral do Estado palestiniano.

A convocação da embaixadora de Israel em Espanha, Rodrica Radian-Gordon, confirmada à agência Efe por fontes diplomáticas, ocorre em resposta ao Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita que, ao início da tarde chamou os embaixadores de Espanha e Bélgica, devido às declarações no Egito do chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, e do primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, que considerou "apoio ao terrorismo".

O ministro dos Negócios Estrangeiros, José Manuel Albares, respondeu que estas acusações são "totalmente falsas e inaceitáveis" e garantiu que Espanha daria uma resposta cabal.

Para Albares, as acusações do Governo israelita "são especialmente graves" porque são dirigidas contra o atual presidente da União Europeia (UE) e o primeiro-ministro do país que ocupará a presidência da UE a partir de 01 de janeiro.

O ministro lembrou que, desde 07 de outubro, o líder do Governo, Pedro Sánchez "não hesitou em condenar o ataque terrorista do Hamas e deixar bem claro que não representa o povo palestiniano e é apenas uma organização terrorista".

Além disso, o Governo sempre apelou à "libertação incondicional e imediata de todos os reféns" e apoiou o direito do Estado israelita de se defender deste ataque terrorista, como Sánchez transmitiu na sua viagem a Israel.

Para o ministro, "isto não é incompatível" com a mensagem que Sánchez transmitiu na sua viagem a Israel, Palestina e Egito, de que "este direito de defesa deve ser feito no respeito escrupuloso pelo direito humanitário internacional".

Na última paragem do seu périplo por Israel e Palestina, na passagem fronteiriça de Rafah, entre Gaza e Egito, Sánchez mostrou-se hoje firme com a proposta espanhola de reconhecer a soberania de um Estado Palestiniano e alertou que se a UE não concorda, Espanha "tomará as suas próprias decisões".

No último ato da sua visita ao Médio Oriente juntamente com o primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, o governante espanhol reiterou a sua proposta sobre o reconhecimento dos dois Estados, Israel e Palestina.

As declarações de Pedro Sánchez foram também criticadas internamente, tendo o presidente do Partido Popular espanhol (PP, direita), Alberto Núñez Feijóo, acusado o chefe do executivo de ter ido a Israel criar um "problema para Espanha".

Para o dirigente da maior formação no parlamento de Espanha, e atualmente na oposição, Sánchez foi "imprudente na política externa", enquanto fontes da liderança do PP, citadas pela agência de notícias espanhola Efe, referiram que visitar um país para "ofendê-lo" é "o oposto da diplomacia".

pub
Momento-Chave
por Rachel Mestre Mesquita - RTP

Israel. Ministro da Comunicação propõe sanções contra jornal por "propaganda falsa"

Amir Cohen - Reuters

O ministro israelita da Comunicação, Shlomo Karhi, propôs esta quinta-feira uma resolução governamental para suspender qualquer publicidade, assinaturas ou outros laços comerciais com o jornal de esquerda "Haaretz", devido à sua cobertura do conflito na Faixa de Gaza, acusando o diário de ser o "porta-voz dos inimigos de Israel" e de veicular "propaganda derrotista e falsa" contra o Estado de Israel.

Numa carta dirigida ao gabinete do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, o ministro da Comunicação de Israel denuncia a posição editorial do jornal Haaretz na sua cobertura da guerra, propondo cortar todas as relações comerciais com a publicação, nomeadamente suspender a publicidade estatal paga e bloquear quaisquer pagamentos pendentes.

"À luz da distribuição consistente de "propaganda derrotista e falsa, e incitamento contra o Estado de Israel durante a guerra" no jornal Haaretz, apresentei agora ao governo uma proposta de resolução para parar o financiamento do jornal", anunciou Shlomo Karhi numa publicação na rede social X, antigo Twitter, na quinta-feira. 


“Desde o início da guerra, o meu gabinete tem recebido inúmeras queixas de que o jornal Haaretz tem adotado uma linha prejudicial que prejudica os objetivos da guerra e enfraquece o esforço militar e a resistência da sociedade", escreveu Shlomo Karhi na sua carta, segundo o jornal israelita The Times of Israel.

O ministro acrescentou que  "é inconcebível que, numa altura em que estamos a tomar medidas contra canais estrangeiros, um jornal israelita possa continuar a receber uma parte significativa do seu financiamento do povo israelita, servindo de porta-voz inflamado dos inimigos de Israel", de acordo com o jornal francês Libération."Se o governo quer fechar o Haaretz, agora é a altura certa para ler o Haaretz", reagiu o diretor do Haaretz, Amos Schocken.

Desde o início do conflito entre o Hamas e Israel, a 7 de outubro, que o ministério da Comunicação tem agido para silenciar aqueles que considera estarem contra os interesses de Israel, tendo conseguido suspender a emissão do canal de notícias libanês Al Mayadeen, associado ao Hezbollah, alegadamente por prejudicar a segurança nacional, conta o Libération. 

Apesar de ter tentado igualmente suspender a emissão do canal Al Jazeera, com sede em Doha, a proposta foi recusada pelo Governo de Netanyahu devido aos esforços diplomáticos do Catar na libertação de reféns no conflito.


Numa publicação na rede social X, o diário israelita de esquerda escreveu"enquanto o Governo de Netanyahu tenta sufocar a imprensa livre em Israel, o Haaretz continua empenhado em informar sem medo ou favor".

pub
por Lusa

Paris e Berlim saúdam libertação de primeiros reféns do Hamas

França e a Alemanha saudaram hoje a libertação do primeiro grupo de reféns do movimento islamita palestiniano Hamas, sequestrados durante o ataque perpetrado a 07 de outubro em território palestiniano.

O Governo francês expressou a sua satisfação pela libertação de 24 reféns do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) -- que desde 2007 controla a Faixa de Gaza e está classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel -, alertando de que continuará mobilizado para obter a libertação dos reféns de nacionalidade francesa, estimados em oito pessoas.

"França saúda a libertação de um primeiro grupo de 24 reféns (13 israelitas, 10 tailandeses e um filipino) e a entrada em vigor de um acordo de cessar-fogo de quatro dias e pede a libertação de todos os sequestrados" pelo Hamas, comunicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

O executivo francês deu a entender que entre este primeiro grupo não há qualquer refém de nacionalidade francesa. Mas há oito cidadãos franceses cujo paradeiro é desconhecido, pelo que há hipóteses de se encontrarem nas mãos do Hamas.

"A libertação de todos os nossos compatriotas é uma prioridade absoluta para França, e estamos a trabalhar sem parar para consegui-la", declarou o MNE, que em nenhum momento forneceu uma estimativa oficial do número de reféns franceses.

Segundo a comunicação social francesa, entre o grupo de oito cidadãos franceses por localizar, há três menores -- dois de 12 anos e um de 16 -- que poderão ter sido sequestrados.

Paris felicitou também o Qatar, o Egito e os Estados Unidos pelo seu trabalho de mediação, bem como a Cruz Vermelha, que foi à Faixa de Gaza buscar os reféns e transportá-los para fora daquele território palestiniano.

Entretanto, também o Presidente da República francês, Emmanuel Macron, se pronunciou sobre esta matéria, assegurando às famílias dos reféns franceses a sua "determinação" em obter a respetiva libertação.

"Saúdo a libertação de um primeiro grupo de reféns (...) Penso em especial nos reféns franceses e suas famílias. Podem contar com a nossa determinação", escreveu Macron na rede social X (antigo Twitter).

"Continuamos mobilizados ao lado dos mediadores para obter a libertação de todos", acrescentou.

Por sua vez, o Governo alemão saudou também a libertação dos primeiros reféns do Hamas, entre os quais quatro germano-israelitas.

A ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, declarou-se hoje "infinitamente aliviada" com o êxito da operação.

O Governo alemão "está extremamente reconhecido a todos os que contribuíram para esta libertação", em particular o Qatar, o Egito e a Cruz Vermelha, indicou a chefe da diplomacia num comunicado, considerando "agora essencial que todos respeitem os acordos concluídos para que mais reféns sejam libertados nos próximos dias".

Um total de 24 reféns -- 13 israelitas, dez tailandeses e um filipino -- foram hoje entregues ao Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) na Faixa de Gaza pelo Hamas, anunciou o Qatar, principal mediador do conflito.

Trinta e nove prisioneiros palestinianos -- mulheres e menores -- foram libertados da prisão em Israel, em troca dos reféns, indicou o Clube dos Prisioneiros, uma organização não-governamental (ONG) que defende os presos palestinianos.

Este cessar-fogo em Gaza, iniciado hoje de madrugada, é o primeiro em sete semanas de guerra, após bombardeamentos incessantes daquele enclave palestiniano pobre e uma ofensiva terrestre desde 07 de outubro, em retaliação ao ataque perpetrado por combatentes do Hamas infiltrados em território israelita, que fez 1.200 mortos, na maioria civis, e cerca de 5.000 feridos.

O Exército israelita estimou em cerca de 240 o número de pessoas sequestradas pelo Hamas a 07 de outubro e desde então mantidas em cativeiro na Faixa de Gaza.

pub
por RTP

Bebé luso-palestinana. Segurança Social avalia se Nour tem condições para viver com o pai

A bebé luso-palestiana salva do meio dos bombardeamentos em Gaza continua internada no hospital de Santa Maria em lisboa mas por razões sociais.

A Segurança Social está a avaliar se o pai da criança tem condições para levar a filha para casa.
pub
Momento-Chave
por RTP

Gomes Cravinho em Israel e na Cisjordânia. Portugal defende dois Estados

Neste primeiro-dia da tréguas e troca de reféns, o ministro dos Negócios Estrangeiros português esteve em Israel e depois em Ramallah, na Cisjordânia.

João Gomes Cravinho transmitiu ao governo de Telavive que Portugal está com os israelitas na parte na luta pela paz mas que é necessário respeitar os civis e implementar a solução dos dois estados.

Uma mensagem que repetiu depois no encontro com o primeiro-ministro e o ministro dos negócios estrangeiros da autoridade palestiniana.
pub
por RTP

Mais de 100 camiões com ajuda humanitária entraram em Gaza

A trégua acordada e a libertação de reféns prevê também o envio de mais ajuda humanitária para a Faixa de Gaza.

Mais de uma centena de camiões atravessou já a fronteira de Rafah a partir do Egito.

É o maior número desde o início da guerra a 7 de Outubro.
pub
por RTP

Hamas libertou 24 reféns esta sexta-feira

O Hamas libertou 13 mulheres e crianças israelitas, dez trabalhadores tailadenses e um filipino. Em troca, Israel devolveu 39 prisioneiros palestinianos.

pub
por RTP

Portuguesa libertada vai para o hospital Wolfson

Muitas famílias anseiam por saber quem serão os próximos reféns a ser libertados, como conta o enviado especial da RTP, Paulo Jerónimo.

pub
Momento-Chave
por RTP

Refém luso-israelita foi libertada esta sexta-feira

Já estão em liberdade 24 dos reféns que tinham sido raptados pelo Hamas. Entre os que viram hoje a liberdade está Adina Moshe, uma luso-israelita de 72 anos.

Esta mulher tinha estado em Portugal, com a família em julho. Foi raptada quando regressou a Israel.

À RTP, a neta contou como o Hamas assassinou o avô e raptou a avó que hoje voltou a casa.
pub
por RTP

Presidente Emmanuel Macron, declara a sua "determinação" em conseguir a libertação dos reféns franceses

pub
Momento-Chave
por RTP

"Este é o início de uma longa viagem de recuperação", reage Joe Biden à libertação dos reféns

O presidente dos Estados Unidos da América saudou a libertação de reféns do Hamas, esta sexta-feira, destacando que se trata "do início de um processo".

"Nos próximos dias esperamos que mais reféns sejam recuperados pelas suas famílias", acrescentou. "Não vamos parar até conseguir levar para casa todos os reféns e sabermos onde estão".

Foram libertados 13 israelitas, 10 tailandeses e um filipino, enquanto Israel libertou 39 palestinianos, sobretudo mulheres e adolescentes. Nos próximos três dias está prevista a libertação de novos grupos.

"Hoje, sejamos gratos por todas as famílias que estão reunidas e por aquelas que o estarão em breve", disse o chefe de Estado, um dia após o feriado norte-americano do Dia de Ação de Graças.

"Todos esses reféns passaram por uma provação terrível e este é o início de uma longa viagem de recuperação para eles", disse.

O Presidente dos Estados Unidos declarou ainda que "encorajou o primeiro-ministro (israelita, Benjamin Netanyahu) a concentrar-se na redução das vítimas civis enquanto tenta eliminar o Hamas", considerando ser "um objetivo legítimo".

O líder norte-americano disse não saber "quando" ocorrerá a libertação dos norte-americanos feitos reféns, cujo estado de saúde desconhece, e que também não sabe "a lista de todos os reféns e quando serão libertados".

"A minha esperança e expectativa é que aconteça em breve", afirmou, recordando "as duas mulheres americanas" e uma menina de quatro anos com dupla nacionalidade -- israelita e norte-americana - que "continuam entre os desaparecidos".

"Não sei quanto tempo vai demorar. A minha expectativa e esperança é que, à medida que avançamos, o resto do mundo árabe na região também pressione todas as partes para que ponham um fim a isto o mais rápido possível", afirmou.

Biden considerou que esta pausa no conflito, decretada para o resgate de reféns por troca de prisioneiros palestinianos detidos em prisões israelitas, permitiu um alívio humanitário importante, prometendo continuar a fazer tudo para que o Hamas não desvie o auxílio. 

Agradecendo a intervenção de diversos líderes internacionais, incluindo da região, para ser conseguido o acordo entre Israel e o Hamas, o presidente norte-americano viu também "possibilidades concretas" de prolongar a pausa nas hostilidades.

"Temos de terminar este ciclo de violência no Médio Oriente", defendeu ainda, voltando a apelar à solução de dois Estados. "Não podemos dar ao Hamas o que eles querem", afirmou o presidente dos EUA, depois de lembrar que o grupo palestiniano pretende impedir a existência de Israel.
"Uma solução de dois Estados onde israelitas e palestinianos possam um dia viver lado a lado, com igual medida de liberdade e igualdade", defendeu o chefe de Estado em declarações à imprensa.

Joe Biden sublinhou ainda a importância de também os países árabes se esforçarem diplomaticamente em resolver o problema israelo-palestiniano e serem parte da solução.

Os Estados Unidos desempenharam um papel importante nas negociações que conduziram às primeiras libertações de reféns, num acordo que foi alcançado graças à mediação do Qatar e com o apoio do Egito.

com Lusa
pub
Momento-Chave
por Lusa

Autoridade Palestiniana quer garantir que "esta é a última guerra"

 O Governo palestiniano fez hoje votos de que a trégua entre Israel e o grupo islamita Hamas "se transforme num cessar-fogo permanente" e manifestou disponibilidade para trabalhar com a comunidade internacional para garantir que esta é "a última guerra".

"Que esta trégua - que saudamos - se transforme em permanente e se desenvolva para um cessar-fogo permanente", disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros palestiniano, no final de um encontro com os homólogos português, João Gomes Cravinho, e eslovena, Tanja Fajon, em Ramallah, Cisjordânia.

No encontro, os três governantes abordaram perspetivas sobre o "dia seguinte" na Faixa de Gaza, após a guerra com Israel.

"Concordámos em muitos aspetos em como antevemos o dia seguinte e como devemos trabalhar juntos para garantir que desta crise saia uma oportunidade e tomar partido dessa oportunidade para garantir que esta guerra seja a última guerra a acontecer", declarou Riyad al-Maliki, que sublinhou o empenho da Autoridade Palestiniana na resolução do conflito.

"Estamos muito empenhados e dispostos, como Governo e Estado palestiniano, a fazer o que é necessário com a comunidade internacional para garantir que a guerra termine, que a matança acabe, que o cessar-fogo se torne permanente e que a assistência humanitária flua e alcance toda a gente, não só no sul mas também no norte", garantiu o chefe da diplomacia da Palestina.

O seu executivo, reiterou, está disposto a trabalhar "de forma próxima com Portugal e Eslovénia, juntamente com a União Europeia (UE) e a Liga Árabe" para "contemplar esta oportunidade e garantir que mais nenhuma criança ou mulher palestiniana ou israelita é morta".

Al-Maliki sublinhou a necessidade de prestar atenção ao "sofrimento de 2,5 milhões de palestinianos em Gaza" e que é necessário perceber "como lhes devolver comida, água, eletricidade, combustível, atenção médica, mas também esperança de que o bombardeamento e a matança os poupe e de que o futuro seja muito melhor que hoje".

"A ocupação deve chegar ao fim e a Palestina deve usufruir de liberdade como qualquer outro povo no mundo", salientou, afirmando que o seu Governo procura "paz e justiça na Palestina, em Israel e em toda a parte".

O governante palestiniano deplorou "o deslocamento forçado da população" em Gaza e apontou como "inaceitável" a reocupação de Gaza "no seu todo ou em parte".

 

JH // SCA

Lusa/Fim

pub
Momento-Chave
por Lusa

UE defende que trégua com Hamas seja prolongada para fins humanitários

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, saudou a trégua de quatro dias celebrada entre Israel e o movimento islamita palestiniano Hamas, que começou hoje, mas pediu que seja prolongada para fins humanitários.

Borrell exigiu ainda que o cessar-fogo seja "totalmente implementado, como um primeiro passo para acabar com a terrível situação humanitária em Gaza", de acordo com um comunicado, citado pela agência Efe.

O alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança frisou também que o Hamas deve libertar incondicionalmente todos os reféns que capturou em 07 de outubro, porque "ninguém deve negociar com vidas civis".

Na mesma linha, acrescentou que a ajuda humanitária que pode entrar em Gaza durante a trégua deve chegar aos civis neste enclave "sem condições".

O cessar-fogo, que faz parte de um acordo para a libertação de 50 reféns israelitas em troca de 150 prisioneiros palestinianos, durará quatro dias e poderá ser estendido para dez se o Hamas entregar mais pessoas sequestradas e servirá também para a entrada de ajuda humanitária para o enclave.

Borrell realçou que a UE deplora o grande número de mortes de civis, particularmente de mulheres e crianças, e reiterou que o direito de Israel de se defender deve basear-se na legislação internacional.

"Um horror não pode justificar outro horror. A espiral atual deve ser invertida, para o bem de ambos os povos", defendeu o diplomata espanhol.

Josep Borrell também disse que "a violência dos colonos contra os palestinianos na Cisjordânia é inaceitável", tal como os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 já expressaram.

A 07 de outubro, combatentes do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) -- desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel -- realizaram em território israelita um ataque de proporções sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo 1.200 mortos, na maioria civis, 5.000 feridos e cerca de 240 reféns.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para "erradicar" o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre que cercou a cidade de Gaza.

A guerra entre Israel e o Hamas, que hoje entrou no 49.º dia e ameaça alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza cerca de 15.000 mortos, na maioria civis, e mais de 33.000 feridos, de acordo com o mais recente balanço das autoridades locais, e 1,7 milhões de deslocados, segundo a ONU.

Na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, 200 palestinianos foram mortos pelas forças israelitas ou em ataques perpetrados por colonos.

pub
por RTP

Quatro alemães entre os reféns libertados, anuncia ministra alemã dos Negócios Estrangeiros

pub
por Lusa

Associação Luso-Israelita apela a libertação de todos os reféns além dos 24 iniciais

A organização Aliados -- Associação Luso-Israelita reagiu hoje com "emoções contraditórias" à libertação de 24 reféns retidos desde 07 de outubro pelo Hamas, celebrando o regresso a casa de cidadãos inocentes, mas expectante com a libertação dos restantes.

A associação civil independente reagiu, num comunicado enviado à agência Lusa, à libertação dos 24 reféns do Hamas, entre eles 13 cidadãos israelitas - que já se encontram em Israel - 10 tailandeses e um filipino.

"Nos últimos 50 dias, desde o ataque brutal pela organização terrorista Hamas contra civis israelitas, a Aliados, enquanto associação luso-israelita, tem estado empenhada em sensibilizar os portugueses em geral e os líderes portugueses em particular para a libertação dos 240 reféns - crianças, mulheres, homens, jovens e idosos", lê-se no documento.

"Por um lado, celebramos o regresso destes cidadãos inocentes e aguardamos com expectativa a libertação da totalidade das 50 crianças e mulheres israelitas nos próximos quatro dias, conforme estipulado no acordo. Por outro lado, enfatizamos a necessidade premente de continuar os esforços para garantir a libertação de todos os reféns", acrescentou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, confirmou hoje a libertação, pelo grupo islamita Hamas, de uma refém com nacionalidade portuguesa.

Adina Moshe, 72 anos, é uma de 24 reféns libertados até agora, de acordo com as autoridades israelitas, no primeiro dia de trégua em Gaza.

"Efetivamente tínhamos a esperança, não queríamos falar muito do assunto. Tínhamos esperança e confirma-se que saiu", comentou o chefe da diplomacia portuguesa, que hoje realiza uma visita a Israel e Cisjordânia.

Para a Aliados, 180 civis inocentes vão, "infelizmente, permanecer nas mãos do grupo terrorista, que ceifou brutalmente as vidas de familiares e amigos" durante o ataque de 07 de outubro.

"Muitos dos reféns testemunharam o assassínio de mães, pais, irmãos, avós ou amigos e foram depois raptados. A situação é particularmente delicada, pois, mesmo com algumas famílias a reencontrarem-se, outras continuam separadas. Temos cenários em que mães e crianças voltam a casa, mas o pai fica refém, ou os avós ficam para trás, jovens que não voltam para os seus pais ou idosos a precisar de cuidados que continuam reféns", sustenta a associação.

A associação saúda a intervenção da Cruz Vermelha para atender às necessidades humanitárias dos reféns.

"É um aspeto crucial deste acordo, considerando as condições desumanas em que foram mantidos, sem acesso a tratamento médico ou medicamentos vitais e sem termos quaisquer informações sobre o seu estado", acrescenta a associação.

"Expressamos a nossa gratidão pelo ato de solidariedade do governo português, destacando a visita do Ministro dos Negócios Estrangeiros a Israel e à sede que representa as famílias dos reféns. Esperamos que esse gesto inspire mais líderes a se manifestarem e a exigirem a libertação de todos os reféns", refere a Aliados.

O grupo islamita do Hamas lançou em 07 de outubro um ataque surpresa contra o sul de Israel com o lançamento de milhares de foguetes e a incursão de milicianos armados, fazendo mais de duas centenas de reféns.

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas, movimento que controla a Faixa de Gaza desde 2007 e que é classificado como terrorista pela União Europeia e Estados Unidos, bombardeando várias infraestruturas do grupo na Faixa de Gaza e impôs um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

pub
por RTP

Tréguas. ONU aplaude entrada de 137 camiões com ajuda humanitária em Gaza esta sexta-feira

Este foi o maior comboio de auxílio a entrar no enclave desde dia 7 de outubro, referiu o gabinete da ONU para as operações humanitárias, OCHA.

Entraram em Gaza também 129.000 litros de combustível e quatro camiões com gás.
pub
por Lusa

UE e Canadá insistem na criação de Estado Palestiniano

Os países-membros da União Europeia (UE) e o Canadá manifestaram hoje intenção de "contribuir para reacender" as negociações de paz no Médio Oriente e avançar com a criação de um Estado Palestiniano "independente, democrático e soberano".

Em comunicado, no final da XIX cimeira bilateral entre a UE e o Canadá, em San Juan de Terranova, os dois lados criticaram "qualquer saída forçada" de palestinianos da Faixa de Gaza.

Na cimeira participaram os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do Conselho Europeu, Charles Michel, juntamente com o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau.

Von der Leyen insistiu na necessidade de evitar o contágio do conflito a todo o Médio Oriente e disse que está na altura de discutir a solução dos dois Estados (israelita e palestiniano), que é defendida pela UE.

Os representantes dos 27 e o primeiro-ministro do Canadá concordaram que em trabalhar em conjunto e "contribuir para reacender o processo de paz" entre todos os interlocutores no Médio Oriente, nomeadamente Israel e os países árabes.

E a única maneira de assegurar que a paz prospera, de acordo com von der Leyen, Michel e Trudeau, é criar um Estado palestiniano "independente, democrático, viável e soberano", livre da influência do movimento islamita Hamas e de outros países da região.

pub
Momento-Chave
por RTP

Luso-israelita libertada tem 72 anos

Adina Moshe foi raptada do kibutz de Nir Oz durante o Ataque do Hamas, a 7 de outubro. O marido desta refém foi morto nessa noite.

A luso-israelita conseguiu a nacionalidade portuguesa em outubro deste ano, um processo que começou em 2020.
pub
por Lusa

EUA saúdam trégua e pedem mecanismos de ajuda permanentes

Os Estados Unidos saudaram a trégua entre Israel e Hamas hoje iniciada e afirmaram que é "urgente e imperativo" que sejam estabelecidos mecanismos duradouros para acelerar a ajuda humanitária a Gaza.

A afirmação foi feita pela administradora da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), Samantha Power, poucas horas após o início da primeira trégua entre Israel e o Hamas e ao fim de um mês e meio de guerra.

"Os Estados Unidos saúdam a pausa nas hostilidades em Gaza como uma oportunidade para acelerar a prestação segura de assistência humanitária vital a civis palestinianos em grande necessidade e facilitar a libertação de reféns capturados pelo Hamas após 48 dias angustiantes de cativeiro", disse Power num comunicado.

Com aproximadamente 1,7 milhões de pessoas deslocadas internamente e 2,2 milhões de civis necessitados de assistência humanitária, a magnitude das necessidades humanitárias em Gaza "é impressionante", detalhou.

O cessar-fogo, que faz parte de um acordo para a libertação de 50 reféns israelitas em troca de 150 prisioneiros palestinianos, durará quatro dias e poderá ser estendido para dez se o Hamas entregar mais pessoas sequestradas e servirá também para a entrada de ajuda humanitária para o enclave.

Esta pausa, observou a USAID, é "um resultado direto da diplomacia americana" e "permitirá às organizações humanitárias entregar alimentos, medicamentos, água e outra ajuda vital aos civis".

Além disso, acrescentou, "facilitará a evacuação de doentes, feridos e outras pessoas vulneráveis que enfrentam condições extremamente difíceis".

Os Estados Unidos estão em coordenação direta com os Governos de Israel e do Egito, a ONU e outros intervenientes internacionais para transferir assistência humanitária e pessoal para Gaza.

Até à data, Washington entregou cerca 226,8 toneladas em assistência alimentar àquela região.

"Continuaremos a enfatizar às partes a importância crítica de proteger os civis de acordo com o direito humanitário internacional", acrescentou a responsável da USAID.

Desde que a guerra entre Israel e o Hamas começou, em 07 de outubro, o número de mortos ultrapassou os 14.800, incluindo 4.000 crianças e 6.000 mulheres.

pub
por Lusa

Quatro crianças e seis idosas entre 13 reféns israelitas libertados

Quatro crianças, uma das quais de dois anos, e seis idosas com mais de 70 anos constam da lista oficial dos reféns hoje libertados, após um acordo entre Israel e o movimento islamita palestiniano Hamas.

O documento, divulgado pelo gabinete do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, refere os nomes dos 13 reféns.

Entre eles, figuram, nomeadamente, uma mãe de 34 anos e as suas duas filhas, de dois e quatro anos, uma mulher de 85 anos e uma família com três gerações: a avó, a sua filha e o seu neto. Nenhum homem foi libertado.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, confirmou hoje a libertação, pelo grupo islamita Hamas, de uma refém com nacionalidade portuguesa.

Adina Moshe, 72 anos, é uma de 24 reféns libertados até agora, de acordo com as autoridades israelitas, no primeiro dia de trégua em Gaza ao fim de um mês e meio de bombardeamentos e combates.

"Efetivamente tínhamos a esperança, não queríamos falar muito do assunto. Tínhamos esperança e confirma-se que saiu", comentou o chefe da diplomacia portuguesa, que hoje realiza uma visita a Israel e Cisjordânia.

pub
Momento-Chave
por RTP

Troca por 39 presos palestinianos. Foram libertados esta tarde 24 reféns do Hamas

Os libertados são 13 israelitas, entra os quais uma mulher com cidadania portuguesa, 10 tailandeses e um filipino.

Os primeiros a ficar em liberdade foram os cidadãos tailandeses e o cidadão filipino.

Os 13 israelitas foram encaminhados para ambulâncias do Crescente Vermelho e seguiram para a fronteira de Rafah.

A libertação dos reféns teve, como moeda de troca, a libertação de 39 palestinianos: 24 mulheres e prisioneiros menores de Jerusalém e da Cisjordânia. O rácio é de um israelita por três palestinianos.

Os prisioneiros palestinianos libertados por Israel foram transportados, em ambulâncias para a prisão israelita de Ofer, no território palestiniano ocupado da Cisjordânia.
pub
por Antena 1

Hamas liberta 24 reféns, Israel entrega 39 palestinianos

Reuters

13 israelitas, 10 cidadãos tailandeses e um de nacionalidade filipina foram esta tarde de sexta-feira libertados pelo Hamas, no âmbito do acordo celebrado entre a organização e o Governo de Israel.

Na última hora, o Catar que mediou as negociações entre as duas partes do conflito, retificou o número de reféns libertados até ao momento.

são 24 o número de pessoas libertadas, como refere o jornalista da Antena 1 Sérgio Infante.
pub
Momento-Chave
por Lusa

MNE confirma libertação pelo Hamas de refém com nacionalidade portuguesa

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, confirmou hoje a libertação, pelo grupo islamita Hamas, de uma refém com nacionalidade portuguesa.

Adina Moshe, 72 anos, é uma de 24 reféns libertados até agora, de acordo com as autoridades israelitas, no primeiro dia de trégua.

"Efetivamente tínhamos a esperança, não queríamos falar muito do assunto. Tínhamos esperança e confirma-se que saiu", comentou o chefe da diplomacia portuguesa, que hoje realiza uma visita a Israel e Cisjordânia.

pub
Momento-Chave
por RTP

Portuguesa libertada chama-se Adina Moshe e tem 72 anos

Está confirmado. Foi libertada esta tarde pelo Hamas uma refém luso-israelita. Adina Moshe tem 72 anos. O marido foi morto no ataque de 7 de outubro do Hamas.

pub
por Lusa

Reféns libertados pelo Hamas estão já em território israelita

Os 13 reféns israelitas retidos em Gaza já se encontram em território israelita, anunciou hoje o exército de Israel, após terem sido libertados pelo movimento islamita Hamas.

"Os reféns libertados foram submetidos a um exame médico inicial em território israelita. Continuarão acompanhados por soldados das Forças de Defesa de Israel a caminho dos hospitais israelitas, onde se reunirão com assuas famílias", indicou um porta-voz militar citado pela agência EFE.

"As Forças Especiais do Exército e os Serviços de Informações israelitas estão atualmente com os reféns libertados", indicou um comunicado do exército.

Antes, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Qatar, Majed Al-Ansari, havia indicado que"entre os libertados hoje pelo Hamas estão 13 cidadãos israelitas, "alguns dos quais têm dupla nacionalidade, bem como 10 cidadãos tailandeses e um cidadão filipino".

A diplomacia do Qatar - que mediou a libertação de reféns e prisioneiros, ao abrigo do acordo de tréguas na Faixa de Gaza - acrescentou que "39 mulheres e crianças [palestinianas] detidas em prisões israelitas" também tinham sido libertados.

pub
Momento-Chave
por RTP

Foi libertada uma refém israelita com cidadania portuguesa

Apesar da incerteza inicial, foi agora confirmado que uma das reféns libertadas pelo Hamas tem também nacionalidade portuguesa.

pub
Momento-Chave
por RTP

Já foram libertados os 39 prisioneiros palestinianos

Foi confirmada a libertação do grupo de 39 palestinianos detidos nas prisões israelitas. Constituem este grupo 24 mulheres e 15 menores palestinianos.

pub
Momento-Chave
por RTP

Corrigido número de reféns tailandeses libertados: são afinal 10 e não 12

Fazem parte do grupo de libertados 10 tailandeses e não 12, como inicialmente foi indicado. Há ainda um filipino neste grupo. São assim 24 os reféns libertados e não os 25 anunciados.

Vinte e quatro reféns detidos em Gaza, incluindo 13 israelitas, 10 tailandeses e um filipino, foram entregues à Cruz Vermelha Internacional pelo movimento islamita Hamas, enquanto Israel libertou 39 mulheres e crianças detidas nas suas prisões, anunciou o Catar.

"Entre os libertados estão 13 cidadãos israelitas, alguns dos quais têm dupla nacionalidade, bem como 10 cidadãos tailandeses e um cidadão filipino", informou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Catar, Majed Al-Ansari.

A diplomacia do Catar - que mediou a libertação de reféns e prisioneiros, ao abrigo do acordo de tréguas na Faixa de Gaza - acrescentou que "39 mulheres e crianças [palestinianas] detidas em prisões israelitas" também tinham sido libertados.


c/ Lusa
pub
Momento-Chave
por RTP

Cruz Vermelha diz que operação para libertar reféns de Gaza e detidos palestinianos levará vários dias

A Cruz Vermelha Internacional confirmou na sexta-feira que as suas equipas começaram a levar a cabo uma operação de vários dias para facilitar a libertação e transferência de reféns detidos em Gaza e de detidos palestinianos.

"A dor profunda que os familiares separados dos seus entes queridos sentem é indescritível. Estamos aliviados por alguns se reunirem depois de muita agonia", disse Fabrizio Carboni, diretor regional do Comité Internacional da Cruz Vermelha para o Próximo e Médio Oriente.
pub
Momento-Chave
por RTP

Cravinho fala em momento potencialmente histórico nestes 75 anos de conflito

O ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou a partir de Ramallah, na Cisjordânia, que a situação que se desenrola no terreno não deverá servir como pretexto para relocalização da população palestiniana que vive em Gaza. João Gomes Cravinho insiste na necessidade de prosseguir o diálogo com Israel para assegurar uma solução diplomática rumo aos dois Estados a viverem em paz lado a lado.

pub
Momento-Chave
por RTP

Foram libertados 24 reféns

De acordo com indicação do porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros do Catar, a Cruz Vermelha recebeu já 24 civis que estavam reféns do Hamas.

pub
Momento-Chave
por RTP

Crianças israelitas que estavam reféns transportadas para vários hospitais

A operação de libertação dos reféns israelitas nas mãos do Hamas já está em marcha.

pub
Momento-Chave
por RTP

Treze reféns já terão chegado à fronteira

Treze reféns israelitas libertados pelo Hamas já foram entregues ao Egito e a funcionários da Cruz Vermelha na fronteira, adiantam estações de televisão de Israel.
pub
Momento-Chave
por RTP

Reféns tailandeses foram libertados em acordo separado

Um responsável do Governo tailandês esclareceu que os 12 cidadãos dessa nacionalidade foram libertados pelo Hamas num acordo separado, mediado pelo Catar e pelo Egito. Trata-se de uma dúzia de homens que não estão relacionados com o acordo entre Israel e Hamas, que apenas prevê a libertação de mulheres e crianças.
pub
por RTP

Fontes próximas ao Hamas confirmam que reféns foram entregues à Cruz Vermelha

Duas fontes próximas ao Hamas ouvidas pela agência AFP afirmaram que alguns dos reféns sequestrados a 7 de outubro foram entregues na Faixa de Gaza ao Comité Internacional da Cruz Vermelha, de modo a poderem regressar a Israel.

“Os prisioneiros foram entregues à Cruz Vermelha, que os levará até aos egípcios” através da passagem fronteiriça de Rafah e depois até aos israelitas, disse uma das fontes à AFP. A segunda fonte confirmou pouco depois a informação.
pub
por RTP

Primeiro-ministro tailandês diz que 12 cidadãos foram libertados

O primeiro-ministro tailandês, Srettha Thavisin, avançou que 12 reféns de nacionalidade tailandesa foram libertados pelo Hamas.

“Foi confirmado pelo Departamento de Segurança e pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros que 12 reféns tailandeses já foram libertados. Os funcionários da embaixada vão buscá-los” em breve, escreveu Thavisin nas redes sociais.
pub
por Lusa

Portugal desconhece se algum refém português será libertado nos próximos dias

 O Governo português disse hoje desconhecer se há algum cidadão português entre os 50 reféns do grupo islamita palestiniano Hamas que deverão ser libertados no âmbito da trégua de quatro dias acordada com Israel.

"Temos vários reféns que têm nacionalidade portuguesa. (...) Queremos a libertação incondicional de todos os reféns, mas é evidente que nos interessamos muito em particular por aqueles que têm nacionalidade portuguesa. Cada caso é um caso, cada um tem especificidades diferentes, mas interessamo-nos por todos. Estamos a interceder também junto da Cruz Vermelha e vamos trabalhar com autoridades de outros países que possam ter alguma influência para que sejam libertados estes reféns cidadãos portugueses e também todos os outros", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, após um encontro com familiares de reféns, em Telavive, o último ponto da sua visita a Israel.

"Sabemos que há um conjunto de critérios que foram estabelecidos e não sabemos se haverá algum cidadão português contemplado dentro destes 50. Temos expectativas que todos os portugueses sejam libertados, mas naturalmente que, olhando para as características identificadas, só haverá eventualmente uma pessoa que pode vir a ser libertada durante os próximos dias. Não temos ainda nenhuma garantia quanto a isso", acrescentou.

Segundo o acordado entre o Hamas e Israel, será dada prioridade a mulheres e menores na libertação de reféns.

O ministro português destacou a "enorme coragem" dos familiares de reféns, alguns dos quais também vivem um período de luto por terem tido familiares mortos.

"Disse-lhes que tudo faríamos, naturalmente, para promover a libertação desses reféns", salientou.

Sobre a sua deslocação a Israel, que fez em conjunto com a homóloga eslovena, Tanja Fajon, Gomes Cravinho referiu que a conversa que manteve esta manhã com o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Eli Cohen, "foi uma conversa entre amigos", acrescentando: "E é entre amigos que se devem dizer, às vezes, verdades duras e difíceis".

"Tivemos uma conversa, que diria muito franca, com o ministro israelita, a quem expressei condolências, solidariedade, mas também profunda preocupação em relação à atitude em relação a Gaza e ao número de mortos e a violência em Gaza. Portanto, tivemos pontos de convergência e pontos de divergência, mas sublinhei a importância que atribuímos a que se encontre um caminho para a paz, e que a utilização de meios violentos não é o melhor caminho", referiu o chefe da diplomacia portuguesa.

João Gomes Cravinho teve também "uma reunião muito útil" com o Presidente israelita, Isaac Herzog, que permitiu "pensar sobre o futuro".

"Pensando sobre qual pode ser a natureza de Gaza daqui a um ano, por exemplo, pensando sobre que papel pode haver para uma intervenção internacional. O caminho não é fácil, mas foi extremamente interessante começar a identificar alguns dos elementos para que se utilize esta situação trágica para projetar uma dinâmica de paz", afirmou.

Depois da deslocação a Israel, que incluiu também uma visita ao `kibbutz` de Sfar Aza, no sul do país, uma das comunidades atacadas pelo Hamas em 07 de outubro, os ministros português e eslovena seguem para a Cisjordânia, onde se encontrarão com o homólogo palestiniano, Riyad al-Maliki, e com o primeiro-ministro, Mohammad Shtayyeh.

pub
Momento-Chave
por RTP

Primeiros reféns do Hamas já foram libertados e estão a caminho da fronteira com o Egito

Os primeiros reféns israelitas em Gaza já foram libertados e estão ao cuidado da Cruz Vermelha, dirigindo-se agora à fronteira com o Egito. De lá serão transferidos para hospitais, podendo depois reunir-se novamente com as famílias.

O Governo de Israel já confirmou a libertação destes reféns do Hamas.
pub
Momento-Chave
por RTP

Cravinho em Israel. "Utilização de meios violentos não é o melhor caminho"

No primeiro dia de um périplo pelo Médio Oriente, o ministro português dos Negócios Estrangeiros visitou um kibbutz atacado pelo Hamas a 7 de outubro. Ouvido em Telavive pelos enviados especiais da RTP, João Gomes Cravinho revelou ter mantido "uma conversa muito franca" com o homólogo israelita, a quem manifestou solidariedade, mas também preocupação face ao "número de mortos" e à "violência em Gaza".

O ministro português esteve ainda reunido com o presidente israelita, Isaac Herzog.

"Foi uma reunião muito útil, pensando mais sobre o futuro, pensando sobre o que pode ser a natureza de Gaza daqui a um ano, que papel pode haver para uma intervenção internacional", adiantou Gomes Cravinho.

"O caminho não é fácil, mas foi extremamente interessante começar a identificar alguns dos elementos para que se utilize esta situação trágica para projetar uma dinâmica de paz", prosseguiu o titular da pasta dos Negócios Estrangeiros, que, nesta deslocação a Israel, esteve reunido com familiares de reféns com ligações a Portugal.
pub
por Lusa

Youcef Atal detido por incitamento ao ódio

Youcef Atal foi detido por apologia ao terrorismo Reuters

O futebolista argelino Youcef Atal, do Nice, foi detido ao abrigo de uma investigação por “apologia ao terrorismo”, após uma publicação ligada ao conflito entre Israel e o Hamas, foi agora anunciado.

Youcef Atal, que deverá ser levado à justiça nas próximas horas, estava a ser investigado por incitamento ao ódio por motivos religiosos, por ter partilhado nas suas redes sociais um vídeo em que um pregador palestiniano apelava ao ataque a Israel.

O jogador, de 27 anos, publicou em outubro na sua conta Instagram um vídeo de um pregador palestiniano a rezar por “um dia negro para os judeus” e a pedir para acompanhar “a mão” dos habitantes da Faixa de Gaza que “atiram pedras” contra Israel.

A publicação provocou a reação do presidente da Federação Francesa de Futebol (FFF), Philippe Diallo, que as considerou “contrárias à ética” do desporto, e motivou tanto o autarca de Nice, Christian Estrosi, quanto as instituições judaicas francesas a solicitar a abertura de uma investigação.

Youcef Atal apagou rapidamente a publicação e pediu desculpa, mas as autoridades judiciais francesas abriram em 16 de outubro uma investigação por “apologia ao terrorismo” e “provocação ao ódio ou à violência por causa de uma religião específica”.

O Nice, clube que se encontra na segunda posição da liga francesa de futebol, atrás do Paris Saint-Germain, suspendeu o jogador até novo aviso e o comité disciplinar da Liga Profissional de Futebol (LFP) impôs-lhe uma suspensão de sete jogos.

Apesar das desculpas de Atal, o Nice optou por “tomar de imediato” sanções, “antes” daquelas que poderiam ser tomadas pelas autoridades desportivas ou judiciais, “tendo em conta a natureza da publicação partilhada e a sua gravidade”.

O futebolista, que já esteve envolvido em idêntica situação em 2020, não escondeu o seu apoio ao povo palestiniano e condenou “todas as formas de violência”, mostrando ainda solidariedade para com as vítimas.

“Nunca apoiarei uma mensagem de ódio”, disse o defesa internacional argelino, que participou este fim de semana no triunfo por 2-0 da sua seleção frente a Moçambique, em jogo referente à fase de qualificação africana para o Mundial2026.

pub
por Lusa

Portugal e Eslovénia defendem "solução diplomática" com vista à paz e dois Estados

Portugal e Eslovénia defenderam hoje, junto do Governo israelita, que o conflito com o grupo islamita Hamas não será resolvido pela via militar, pedindo uma "solução diplomática" que permita "uma paz sustentável" com vista à implementação dos dois Estados.

Num encontro em Sderot, sul de Israel, os ministros dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, e eslovena, Tanja Fajon, transmitiram ao homólogo israelita, Eli Cohen, condolências pelos ataques do grupo islamita palestiniano Hamas em 7 de outubro, que fizeram cerca de 1.200 mortos e mais de 200 reféns, enquanto deploraram também o elevado número de mortos na Faixa de Gaza resultado dos ataques israelitas.

"Quero apresentar as nossas mais profundas condolências e a nossa solidariedade a todos aqueles que sofreram estas atrocidades e esta violência às mãos do Hamas no dia 7 de outubro. Todo o Estado português, toda a população portuguesa estão solidários", declarou o governante português.

Sobre a situação em Gaza, Gomes Cravinho sublinhou que as autoridades portuguesas estão "extremamente preocupadas e perturbadas com o elevado número de vítimas civis", salientando a necessidade de procurar uma solução além da militar.

"É muito importante passar do militar para o diplomático, da violência para a paz e criar uma dinâmica que nos permita construir uma paz sustentável para o futuro com uma solução de dois Estados. Sabemos que isso leva tempo, mas estamos profundamente convencidos de que, no final do dia, não será uma solução militar, terá de ser também uma solução diplomática", comentou.

Por seu lado, a ministra Tanja Fajon considerou que "cada vida inocente é uma vida a mais".

"Estamos unidos no apoio a Israel, lutando juntos contra o terrorismo e contra todas as formas de extremismo", disse a governante eslovena.

A chefe da diplomacia da Eslovénia enalteceu o início, esta manhã, de uma trégua de quatro dias, acordada entre Israel e o grupo islamita palestiniano Hamas, fazendo votos de que sejam libertados "todos os reféns mantidos pela organização terrorista".

"Ao mesmo tempo, estamos muito chocados, por vermos tantos civis inocentes a serem mortos [em Gaza] desde 7 de outubro, tantas mulheres e crianças", lamentou, sublinhando a "importância do respeito pelo Direito internacional humanitário".

"Não pode haver uma solução militar para garantir a paz e a estabilidade na região e nós queremos apoiar Israel nos seus esforços para alcançar a segurança", declarou, antes de assinalar: "A única garantia para a segurança de Israel é também a solução pacífica, a solução de dois Estados, que pode levar ao reconhecimento da Palestina. Temos de trabalhar em prol de uma paz justa e duradoura na região".

Na resposta, o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Eli Cohen, garantiu que Israel retomará a guerra após a trégua e "até que sejam eliminados todos os terroristas do Hamas".

A trégua de quatro dias entrou em vigor às 07:00 de hoje (05:00 em Lisboa) após mais de um mês e meio de guerra, como parte de um acordo para libertar 50 reféns em troca de 150 prisioneiros palestinianos.

A guerra eclodiu quando membros do Hamas invadiram o sul de Israel, matando pelo menos 1.200 pessoas, na maioria civis, e fazendo reféns, incluindo bebés, mulheres e idosos, bem como soldados.

Espera-se que o Hamas exija um grande número de prisioneiros em troca dos soldados.

Os bombardeamentos israelitas em Gaza, agora na sétima semana, fizeram até agora neste enclave palestiniano pobre cerca de 15.000 mortos, na maioria civis, e 33.000 feridos, de acordo com o mais recente balanço das autoridades locais, e 1,7 milhões de deslocados, segundo a ONU.

pub
por RTP

Trégua em Gaza é uma pausa curta, reforça ministro israelita da Defesa

Yoav Gallant já veio dizer que a trégua em curso com o Hamas é uma "pausa curta" após a qual Israel voltará a operar com força militar total.

De acordo com o gabinete de Gallant, o ministro da Defesa fez estas declarações ao seu homólogo italiano, que está a realizar uma visita a Telavive.

"Haverá uma breve pausa e depois continuaremos a operar com pleno poder militar. Não vamos parar até atingirmos os nossos objetivos: a destruição do Hamas e recuperar os reféns que estão em Gaza – há 240 reféns e isso é algo que não podemos tolerar".
pub
Momento-Chave
por RTP

Trégua em vigor. Palestinianos rumam a norte apesar dos avisos de Israel

Foto: Ronen Zvulun - Reuters

Começou esta sexta-feira e vai durar quatro dias. Durante este período, haverá troca de reféns do Hamas por prisioneiros palestinianos em Israel.

Com a pausa nos bombardeamentos, muitos palestinianos começaram a dirigir-se para norte, de regresso a casa, apesar de Israel ter avisado para não o fazerem.
pub
Momento-Chave
por RTP

Ministro dos Negócios Estrangeiros está em Israel

Neste primeiro dia de trégua, está em Israel o ministro português dos Negócios Estrangeiros.

João Gomes Cravinho quer transmitir ao Governo de Telavive que Portugal está com os israelitas, mas sobretudo do lado da paz e que para trilhar esse caminho é necessário respeitar os civis e implementar a solução dos dois Estados.
pub
Momento-Chave
por RTP

Chefe do Hamas diz-se comprometido com trégua e "troca de reféns"

Ismail Haniyeh, líder do Hamas sedeado no Qatar, disse que está comprometido com a trégua e o acordo de "troca de reféns" desde que Israel também esteja comprometido.
pub
por RTP

Fronteira norte com o Líbano vive alguma calma desde que a trégua entrou em vigor

A calma reina na zona fronteiriça do sul do Líbano, esta sexta-feira, desde que a trégua entre Israel e o Hamas entrou em vigor na Faixa de Gaza, segundo um fotógrafo da AFP.

"Uma calma inquietante prevalece na fronteira sul, com a trégua humanitária em Gaza", informou a agência de notícias ANI.

"A situação é (...) calma, sem troca de tiros", disse à AFP Andrea Tenenti, porta-voz da missão da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL).
pub
Momento-Chave
por RTP

OMS "extremamente preocupada" com quem ficou para trás no Hospital Al Shifa

Um porta-voz da Organização Mundial de Saúde explicou estarem a trabalhar em novas evacuações dos hospitais do norte de Gaza para aproveitar ao máximo a trégua, mas deixou receios pela segurança dos que permanecem no Hospital Al Shifa.

"Estamos extremamente preocupados com a segurança dos cerca de 100 pacientes e profissionais de saúde que permanecem em Al Shifa", disse Christian Lindmeier.

Há relatos de que Israel mantém retida a equipa médica para interrogatórios.
pub
Momento-Chave
Chegada de reféns a Israel prevista para as 18h00
por RTP

Primeiro grupo a libertar pelo Hamas será submetido a exames em hospitais, onde vai reunir-se com familiares

O exército israelita revelou mais detalhes sobre o processo de entrega de reféns ao Estado hebraico. O primeiro grupo deverá chegar a solo de Israel às 18h00 (16h00 em Lisboa).

Segundo as Forças de Defesa de Israel, durante o período de cessar-fogo será publicada diariamente, pelas 16h00 locais, uma lista com os nomes de reféns que serão libertados.

Os reféns vão ser recebidos "nas proximidades da fronteira" e levados para a Base da Força Aérea de Hatzerim, no sul de Israel. Deverão permanecer sob observação médica por dois dias, no mínimo.
pub
Momento-Chave
Resgate de doentes e feridos em Gaza
por RTP

Com o cessar-fogo de quatro dias em vigor, dez ambulâncias dirigiram-se a Gaza para retirar doentes da cidade

A operação, lê-se numa entrada do Crescente Vermelho na rede social X, foi "coordenada e acompanhada" pelas Nações Unidas.

A coluna de ambulâncias partiu de Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, para retirar doentes e feridos do Hospital Al-Ahli, unidade a operar na capacidade mínima, segundo o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

A Organização Mundial da Saúde indicou recentemente que 22 dos 36 hospitais da Faixa de Gaza cessaram operações por causa da contraofensiva israelita.
pub
Falso alarme em Eilat
por RTP

Forças de Defesa de Israel descartam ameaça de ataque dos rebeldes Houthis a partir do Iémen

As sirenes de alarme soaram na manhã desta sexta-feira na estância turística de Eilat, no Mar Vermelho.
pub
Possível ataque a partir do Iémen
por RTP

Sirenes de alarme soam em Eilat, estância turística do Mar Vermelho

Segundo a Reuters, teme-se o lançamento de mísseis de longo alcance a partir de posições dos Houthis no Iémen. Os rebeldes têm lançado alguns ataques com mísseis e drones contra Israel, em solidariedade para com os movimentos da resistência palestiniana.
pub
Momento-Chave
Palestinianos feridos
por RTP

Cessar-fogo pode ter sido violado por israelitas

O Haaretz noticia que pelo menos 15 palestinianos terão ficado feridos após serem alvejados por tropas israelitas, quando tentavam alcançar o norte da Faixa de Gaza, já na vigência da trégua de quatro dias. O jornal israelita adianta que estas pessoas foram entretanto transportadas para um hospital em Deir al-Balah, no centro daquele território palestiniano.
pub
Momento-Chave
O trajeto da liberdade
por RTP

Primeiros reféns a libertar pelo Hamas serão transferidos para o Egito e depois transportados de helicóptero até Israel

A libertação do primeiro grupo de reféns do movimento radical palestiniano está prevista para as 16h00 (14h00 em Lisboa). O diário israelita Haaretz escreve que estas 13 pessoas deverão ser encaminhadas pela Cruz Vermelha para o Egito através da passagem de Rafah. Posteriormente, serão levadas pelo Tsahal a bordo de um helicóptero para Israel.
pub
"Diplomacia intensiva"
por RTP

Primeiro-ministro do Reino Unido agradece esforços de mediação do Catar e do Egito

Rishi Sunak quis assinalar a "diplomacia intensiva" implementada nas últimas semanas por Doha e pelo Cairo no sentido de obter a trégua de quatro dias que agora se inicia na Faixa de Gaza.

"Esta pausa humanitária é crítica para acabar com a terrível provação dos reféns cativos do Hamas e fazer chegar a Gaza ajuda para salvar vidas", observou o primeiro-ministro britânico na rede social X.
pub
Momento-Chave
por Lusa

Diplomata palestiniano em Portugal vê Hamas como "resistência" e não terrorismo

O representante diplomático da Palestina em Lisboa recusa a ideia de que o Hamas seja um grupo terrorista, defendendo que o movimento islamita, ao assistir à interminável ocupação israelita, mostrou a Telavive o que é "luta de resistência".

Em declarações à agência Lusa, Nabil Abuznaid salientou que os palestinianos "acreditam na democracia" e que o Hamas, considerado terrorista pela União Europeia e Estados Unidos, "faz parte desses palestinianos", mas que, tal como em todos os países, "há uma oposição e uma corrente dominante, uma direita e uma esquerda".

"Tentámos que a ANP [Autoridade Nacional Palestiniana] avançasse para a paz. Assinámos um acordo de paz com Israel. Reconhecemos Israel e o que aconteceu? [Itzhak] Rabin [o quinto primeiro-ministro de Israel, de 1974 a 1977, e de 1992 até ao seu assassínio em 1995] foi morto, Israel ocupou ou confiscou sete vezes mais terras do que as que tinha antes de [os acordos de paz assinados com a Organização para a Libertação da Palestina, então liderada por Yasser Arafat, em] Oslo", sustentou Abuznaid.

"O Hamas diz que não somos estúpidos para acreditar nos israelitas. Perderam mais terras, [foram alvo de] maior opressão e não conseguiram nada para os palestinianos no acordo de paz. Por isso, devemos seguir um caminho diferente, que os israelitas talvez compreendam, que é a luta de resistência. De acordo com o direito internacional, as pessoas têm o direito de resistir à ocupação", justificou o diplomata.

Abuznaid lembrou que, na História, nunca os povos em conflito obtiveram a liberdade através de uma carta no correio.

"Em que país da História as pessoas obtiveram a sua liberdade através de uma carta numa caixa de correio. As pessoas tiveram de lutar pela liberdade. Têm de a merecer. Os israelitas têm um bom apetite pelas terras e não as vão deixar. O que é que podemos oferecer ao nosso povo agora?", acrescentou.

Questionado pela Lusa sobre qual o futuro de uma governação na Faixa de Gaza após o final de um conflito em que não se perspetiva qualquer solução a curto prazo, Abuznaid afirmou não acreditar que o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, a pare até atingir o objetivo de acabar com a resistência palestiniana.

"Penso que Netanyahu está a tentar marcar mais pontos, a matar mais palestinianos, mas penso que a atitude do mundo mudou, sendo exemplo disso as manifestações de apoio [à causa palestiniana] nos Estados Unidos, que estão a dificultar as coisas a [Joe] Biden", Presidente norte-americano, avisou.

"Penso que Netanyahu tem de compreender que não pode ir mais longe, que tem de parar. Mas o que está a dizer é que vai intensificar os ataques a Gaza", acrescentou.

Instado pela Lusa a comentar as críticas que têm como alvo a própria ANP, sobretudo pelo papel pouco ativo que tem demonstrado no conflito na Faixa de Gaza, Abuznaid desdramatizou-as.

"A Autoridade Palestiniana está a tentar fazer o seu melhor para não arrastar a Cisjordânia para as mãos de Netanyahu. Netanyahu está a tentar empurrar as pessoas de Gaza para o Egito ou para o Sinai, está a tentar criar uma zona tampão no norte de Gaza, está a tentar livrar-se dos palestinianos", afirmou.

"Conhecemos o comportamento dos colonos que se encontram na Cisjordânia, que são apoiados pelo exército israelita e que estão a tentar aumentar a violência na Cisjordânia, para que Netanyahu tenha uma desculpa para matar mais palestinianos ou para nos empurrar para a Jordânia", país vizinho, acrescentou.

Abuznaid recusou terminantemente a possibilidade de Israel vir a governar a Faixa de Gaza e a própria Cisjordânia, defendendo que a "ocupação" israelita, que data de 1967, tem de acabar, pois não é Telavive que determina quem pode exercer o poder nos dois territórios.

"A Faixa de Gaza e a Cisjordânia são zonas palestinianas. Isso é reconhecido pela comunidade internacional. Este é o nosso país. Está ocupado por Israel. Não é outra pessoa que nos pode dizer quem o vai governar. Esta é uma terra ocupada em 1967 por Israel. O mundo inteiro diz que é uma terra palestiniana. Deveria fazer parte do Estado palestiniano. Portanto, não cabe a Netanyahu dizer isso", frisou.

Sobre se vê qualquer possibilidade de reconciliação entre o Hamas e a Fatah, divididos desde 2007, Abuznaid admitiu que "tudo é possível", mas que tem de se contar com o interesse dos palestinianos.

"Tudo é possível com o interesse dos palestinianos. Estamos em tempo de guerra e devemos estar unidos. Mas acreditamos, enquanto ANP, em negociações pacíficas. A questão que se coloca agora aos israelitas é se estão dispostos a reconhecer os palestinianos? Esta é a questão. Quais são as fronteiras de Israel? Israel é o único Estado? Não declara as suas fronteiras? Têm de dizer que aceitam as fronteiras de 1967. Aí, o Hamas estará a bordo", respondeu.

pub
por Lusa

Ocupação de Gaza, dois Estados ou protetorado no cenário pós-guerra

Ronen Zvulun - Reuters

O conflito em Gaza desencadeado a 7 de outubro pelo ataque surpresa do movimento islamita Hamas a Israel prossegue sem fim à vista, embora se perfile uma trégua humanitária condicionada às exigências das várias partes.

Com as forças israelitas a reforçarem o seu controlo em Gaza e a destruírem os centros de poder do Hamas e infraestruturas civis, Estados Unidos, União Europeia, Nações Unidas e países árabes já começaram a tomar posição sobre a administração do território pós-conflito.

Segundo dados das autoridades locais da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas, cerca de 45% de todas as habitações do enclave já foram destruídas ou gravemente danificadas. Eis alguns pontos essenciais sobre os cenários pós-conflito defendidos pelas diferentes partes:Protetorado da ONU em Gaza rejeitado por Guterres

A 20 de novembro, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, rejeitou que Gaza se torne "protetorado da ONU" depois da guerra, defendendo em alternativa uma "transição" envolvendo múltiplos atores, nomeadamente os Estados Unidos e os países árabes.

"É importante poder transformar esta tragédia em oportunidade e, para que isso seja possível, é essencial que depois da guerra avancemos de forma decisiva e irreversível em direção a uma solução de dois Estados", disse António Guterres à imprensa na sede da ONU.

Isto requer que "a responsabilidade por Gaza seja assumida por uma Autoridade Palestiniana fortalecida", mas esta "não pode ir para Gaza com os tanques israelitas", pelo que "a comunidade internacional deve considerar um período de transição", adiantou.

"Não creio que um protetorado da ONU em Gaza seja uma solução. Penso que precisamos de uma abordagem multilateral, onde diferentes países, diferentes entidades, irão cooperar", disse Guterres.
Israel quer controlo de Gaza após fim do conflito

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, assegurou que Israel continuará a controlar Gaza após o fim do conflito com o grupo islamita Hamas, garantindo, por outro lado, que não permitirá que forças internacionais participem num eventual acordo.

Netanyahu tem vindo a moldar o seu discurso nos últimos dias, com sucessivas entrevistas nas quais tem afirmado que Israel assumirá "responsabilidade de segurança" sobre a Faixa de Gaza por um "período indefinido", mas que não tem intenção de reocupar o território.

Apesar de aparente oposição a este cenário pelos Estados Unidos, o primeiro-ministro israelita, noutra declaração, disse querer "outra coisa" em vez da Autoridade Palestiniana (AP), presidida por Mahmoud Abbas, a governar a Faixa de Gaza, após a guerra que está a travar para "erradicar" o grupo islamita Hamas.

"Não pode haver uma autoridade dirigida por alguém que, mais de 30 dias após o massacre [de 07 de outubro], ainda não o condenou (...). Será necessário algo mais lá. Mas, em todo o caso, terá de haver o nosso controlo de segurança", afirmou Netanyahu, insistindo que Israel precisa de "um controlo de segurança total, com a possibilidade de entrar sempre que quiser, para retirar os terroristas que possam surgir novamente".

Mais radical do que Netanyahu, o ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben Gvir, de extrema-direita, defende que a AP "deve ser tratada da mesma forma" que o Hamas, pois o conceito de Palestina falha em Gaza como também na Judeia e Samaria (nome bíblico para a Cisjordânia usado pelas autoridades israelitas para se referirem ao território].

"Temos de confrontar o Hamas e a AP, que tem uma visão semelhante à do Hamas e cujos dirigentes simpatizam com o massacre perpetrado pelo Hamas [nos ataques de 07 de outubro], da mesma forma que o fazemos em Gaza", afirmou.

Ben Gvir disse que confiar no Presidente da ANP, Mahmoud Abbas, que descreveu como "um negacionista do Holocausto", é um ato de "ilegalidade". "A contenção vai rebentar-nos na cara, tal como aconteceu em Gaza. É altura de agir", afirmou.

Segunda-feira, o ministro das Finanças israelita Bezalel Smotrich, ligado à extrema-direita, disse que Israel deveria "desmoronar o sistema estatal" em Gaza.

Outro membro do Governo de Netanyahu, a ministra da Informação Gila Gamliel, foi ainda mais longe e roçou a ideia do desaparecimento dos palestinianos da região, ao afirmar que a comunidade internacional devia "promover o realojamento voluntário" de palestinianos fora da Faixa de Gaza, noutros países.

"Em vez de enviar dinheiro para reconstruir Gaza ou para a fracassada UNRWA [a agência das Nações Unidas para os refugiados palestinianos], a comunidade internacional podia ajudar a financiar o realojamento e ajudar os habitantes de Gaza a construir as suas novas vidas nos seus novos países de acolhimento", afirmou Gamliel em artigo publicado no jornal Jerusalem Post.

Membro do Likud, o partido liderado por Netanyahu, Gamliel defende esta solução por considerar que "todas as outras falharam", nomeadamente a retirada dos colonatos da Faixa de Gaza e a "construção de muros altos na esperança de manter os monstros do Hamas fora de Israel".

"Seria uma situação em que todos ganhariam: para os civis de Gaza, que querem uma vida melhor, e para Israel, depois desta terrível tragédia", afirmou a ministra.
Autoridade Palestiniana quer continuar a governar

O presidente da AP, Mahmoud Abbas, curiosamente no discurso que assinalou o 35.º aniversário da declaração de independência da Palestina, acusou Israel de travar uma conflito contra a existência dos palestinianos, salientando a "bárbara agressão e uma guerra aberta de genocídio contra o povo na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, incluindo Jerusalém, a capital eterna" palestiniana.

O presidente da AP tem a sede em Ramallah, na Cisjordânia ocupada, geograficamente separada da Faixa de Gaza por território israelita. O Hamas controla a Faixa de Gaza desde 2007.

Abbas, 88 anos, disse que a Palestina é a terra onde o povo palestiniano "vive há mais de 6.000 anos" e considerou vergonhoso haver quem apoie a agressão israelita e lhe dê cobertura política e militar.

"[A Faixa de Gaza] foi e continuará a ser para sempre parte integrante do território do Estado da Palestina. E é parte integrante das nossas responsabilidades nacionais que não podemos abandonar", acrescentou, numa altura em que se questiona quem assumirá o controlo da Faixa de Gaza se Israel derrotar o Hamas.

Abbas recordou a declaração de independência como o corolário da luta histórica da Organização de Libertação da Palestina (OLP). Disse que o povo decidiu que a OLP "seria o seu único representante legítimo, o portador do seu estandarte nacional e o guardião do sonho da independência, do regresso e do Estado".
Irão quer manter Hamas no poder em Gaza

O Presidente do Irão, Ebrahim Raisi, exige uma "decisão firme" dos países da Organização de Cooperação Islâmica (OCI) de apoio aos palestinianos e condenação das ações de Israel na Faixa de Gaza, garantindo novamente o apoio à manutenção do Hamas no poder no enclave.

O Irão é aliado do Hamas e também do grupo xiita libanês Hezbollah, com quem as forças israelitas trocam ataques quase diariamente na fronteira libanesa.

A 17 deste mês, o chefe da Força Quds da Guarda Revolucionária do Irão prometeu que Teerão e outros membros do "eixo da resistência" impedirão Israel de atingir os seus objetivos em Gaza, incluindo a eliminação do Hamas.
UE e Estados Unidos defendem dois Estados

Tal como afirmaram os presidentes da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e do Egito, Abdelfatah al-Sisi, o chefe de Estado norte-americano, Joe Biden defendeu que a solução de dois Estados é "mais necessária do que nunca", sublinhando que Gaza e a Cisjordânia devem permanecer nas mãos da AP, mas só depois de Israel conseguir derrotar o Hamas na Faixa de Gaza.

"A solução de dois Estados é a única forma de garantir a segurança a longo prazo tanto do povo israelita como do povo palestiniano. Embora possa parecer um tiro no escuro agora, esta crise tornou-a mais necessária do que nunca", afirmou Biden num artigo de opinião publicado a 18 deste mês no The Washington Post.

Na opinião de Biden, para alcançar a solução de dois Estados, vivendo lado a lado com condições iguais de "liberdade e dignidade", é necessário o empenho de israelitas e palestinianos, bem como dos Estados Unidos e dos seus aliados.

O líder democrata voltou a distanciar-se do plano de Netanyahu, que levantou a hipótese de assumir o controlo da Faixa de Gaza por tempo indefinido.

Para Biden, não deve haver "deslocação forçada" de palestinianos de Gaza, nem "reocupação, cerco, bloqueio ou redução do território" da Faixa por parte de Israel.

Para a Casa Branca, Gaza e a Cisjordânia "devem ser reunidas sob uma única estrutura de governo, em última análise sob uma ANP revitalizada".

No mesmo tom, o alto representante da diplomacia europeia, Josep Borrell, afirmou que a solução de dois Estados seja real é necessário deixar claras as linhas vermelhas que não podem ser ultrapassadas: não há reocupação dos territórios palestinianos nem deslocação forçada da população palestiniana.

Para Borrell, não há três territórios palestinianos: Faixa de Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental. "Há um território palestiniano. Portanto, não haverá redução do território de Gaza", disse na sua intervenção.

Perante este cenário, Borrell afirmou que "o Hamas já não pode ter o controlo de Gaza" e apontou a ANP como a "única" entidade que o poderá fazer.
Países Árabes duvidam da Autoridade Palestiniana

Segundo o colunista de The Washington Post Ishaan Tharoor, nem Israel nem os seus vizinhos árabes têm interesse em repetir os ciclos anteriores de conflito, destruição e reconstrução.

"Nesta altura, muitos em Israel não estão preocupados com o que virá a seguir, dado o desejo generalizado de neutralizar o Hamas depois do que este infligiu a civis israelitas inocentes. Alguns políticos da direita israelita, incluindo ministros do gabinete de Netanyahu, querem impor um preço ainda mais elevado à população de Gaza", acrescentou.

E esses doadores de países terceiros também enfrentam questões difíceis, frisou Tharoor, que recorreu às palavras de Gregg Carlstrom, do The Economist: "Os governantes árabes não querem limpar a `porcaria` de Israel e ajudar a policiar os seus compatriotas árabes".

"Mas também não querem ver Israel reocupar o enclave e admitem, pelo menos em conversas privadas, que a AP é demasiado fraca para retomar o controlo total de Gaza. Se nenhuma destas opções é realista ou desejável, não se sabe o que será", declarou à margem de uma conferência regional no Bahrein.

pub
Momento-Chave
Israel prepara libertação de palestinianos
por RTP

Autoridades do Estado hebraico encetaram preparativos para libertar esta sexta-feira 39 mulheres e menores palestinianos

Esta libertação de prisioneiros ocorrerá em troca de 13 reféns do Hamas, no quadro da trégua de quatro dias agora iniciada, noticiam os meios de comunicação israelitas.

O Serviço Prisional de Israel já recebeu os nomes das mulheres e dos menores palestinianos, todos eles condenados por terrorismo, que vão ser libertados.

Os 39 prisioneiros serão, num primeiro momento, transferidos para a prisão de Ofer, na Cisjordânia ocupada, cerca das 12h00 (10h00 em Lisboa). Ali vão aguardar a entrega de 13 reféns cativos do Hamas, o que deverá ter lugar pelas 16h00 (14h00 em Lisboa).

O acordo para quatro dias de cessar-fogo entre Israel e o Hamas, mediado pelo Catar, prevê a libertação de 50 reféns em troca da libertação de prisioneiros palestinianos. Entrou em vigor às 7h00 locais desta sexta-feira.
pub
Momento-Chave