Irlanda. Omissão de diagnósticos oncológicos mata 18 mulheres

| Mundo

Células cancerígenas
|

Foram identificados 208 casos de mulheres afetadas por erros nos resultados de exames médicos. “CervicalCheck” foi o programa de deteção de cancro do colo do útero utilizado pelas mulheres.

Os casos ficaram conhecidos depois de o laboratório norte-americano (onde foram deixados os testes) ter aceitado compensar Vicky Phelan, uma mulher irlandesa, com 2,1 milhões de euros. Phelan decidiu tornar o seu caso público depois de o programa ter escondido a informação durante três anos. 


Segundo a CNN, Phelan fez um rastreio CervicalCheck em 2011. O teste foi enviado a um laboratório norte-americano pelo HSE (Health Service Executive), que indicou estar o mesmo “livre de irregularidades”. Em 2014 Phelan voltou a fazer exames e acusaram cancro do colo do útero. Depois dos tratamentos, o cancro supostamente entrou em remissão.

"Eu não tive nenhum sintoma preocupante além da dor lombar. Queixei-me durante dois anos", disse Phelan. Em 2017 depois dum teste de rotina, os resultados mostraram que o cancro voltou. "Os resultados demoraram três semanas. Eu tinha um tumor de 10 centímetros numa posição muito estranha. Era inoperável, e eu não conseguia fazer mais quimioterapia (…) o cancro era terminal”, disse Phelan. Em janeiro de 2018 soube que tinha entre seis a um ano de vida.

Irene Teap continuava a sangrar quatro meses depois de ter um bebé. Após ter feito exames, também nesse programa, foi-lhe diagnosticado do cancro do colo do útero com grau 2 – lesões que, se não forem tratadas, podem evoluir para cancro. São células pré-cancerígenas que estão à superfície do colo do útero, que continuarão a evoluir se não forem tratadas. “Como é que os exames que fiz não mostraram isto?”, questionou a vítima de 35 anos, depois de ter feito o último exame em 2015.
O cancro do colo do útero está entre os mais fáceis de serem prevenidos
Leo Varadkar, primeiro-ministro irlandês, ordenou a abertura de uma investigação para esclarecer estes casos.
No dia 29 de Maio, o Health Information and Quality Authority informou que o CervicalCheck – Programa Nacional de Rastreio da Irlanda – mudou o seu método primário de rastreio para o teste HPV (Vírus do papiloma humano).

Segundo a CNN, um estudo publicado pelo Journal of American Medical Association, revista científica de medicina, concorda com as conclusões de especialistas, em relação à identificação do cancro através do teste HPV, mais rápida do que com o exame Papanicolau.
Comité da Cervical Check
O ministro irlandês estabeleceu um Comité de direção da Cervical Check para assegurar a implementação de decisões em relação à organização. O principal objetivo é a garantia de um programa de rastreamento do colo do útero eficiente e sustentável para a mulher.

Na última reunião do comité, Irene Teap e Lorraine Walsh, outra mulher vítima dos falsos resultados negativos, entregaram uma carta “Imagine”, com uma declaração conjunta relativa ao que se tinha passado. “Imaginem sete cirurgias para tentar preservar a fertilidade e ter os filhos que nós desesperadamente queríamos, que falharam porque esgotaram a minha reserva ovária devido ao suprimento de sangue comprometido”, escreveu Walsh na carta.

Segundo a CNN, Cliona Loughnane, coordenadora de saúde do Conselho Nacional das Mulheres da Irlanda, diz que todas as mulheres inscritas no programa merecem um pedido de desculpas.

A faculdade de Patologia do Royal College, os Physicians, da Irlanda, irá formar um grupo de especialistas para ajudar no novo programa de triagem da CervicalCheck. “A triagem, que envolve a análise patológica de células do colo do útero para alterações pré-cancerosas, continua a ser a maneira mais fiável e eficaz de prevenir e detetar cancros incipientes quando são realizados num serviço nacional organizado. Por isso, continuamos a incentivar as mulheres a fazerem exames de rotina”, disse Louise Burke, presidente da faculdade e do grupo de especialistas, em comunicado à CNN.
Cancro do colo do útero
Segundo o instituto CUF de oncologia, o cancro do colo do útero “é um tumor de crescimento lento e é precedido de alterações celulares chamadas de displasia em que as células alteradas começam a aparecer no tecido do colo do útero”.

O exame HPV é muito útil para detetar o cancro numa fase muito inicial. Quando o diagnóstico é feito numa fase mais avançada, a lesão vai crescendo para a zona profunda do colo do útero e espalha-se para outros órgãos mais próximos, e depois para os outros. As opções de tratamento são a cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

Tópicos:

Celúlas, Colo do útero, Exames, Mortes, Cancro,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.