Johnson & Johnson paga indemnizações a 22 mulheres por causa de pó de talco

| Mundo
Johnson & Johnson paga indemnizações a 22 mulheres por causa de pó de talco

A ver: Johnson & Johnson paga indemnizações a 22 mulheres por causa de pó de talco

As 22 mulheres desenvolveram cancro nos ovários, alegadamente por causa do pó de talco, e vão por isso receber mais de 4 mil milhões de euros.

Especialistas testemunharam que o amianto, cancerígeno, é misturado com o talco mineral, principal ingrediente do pó de talco da multinacional americana.

A empresa foi condenada pelo Tribunal de Saint Louis, no Missouri.

Um dos advogados da acusação, Mark Lanier, afirmou que "a multinacional encobriu provas da existência de amianto nos seus produtos durante mais de 40 anos".

A empresa reafirmou a confiança nos produtos e afirmou que vai provar não conterem amianto.

Em 2015, a DECO chegou a desaconselhar o uso de pó de talco por causa da possível pneumonia química, devido à aspiração de partículas pelos bebés.

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.