Longas filas de espera nos postos de abastecimento em Espanha devido à greve

| Mundo

A greve dos motoristas, que se iniciou hoje, está a provocar longas filas de espera nalguns postos de abastecimento em Espanha, sobretudo na cidade fronteiriça de Huelva, avançou a Confederação Espanhola de Transporte de Mercadorias (CETM).

A afluência anormal aos postos de abastecimento espanhóis deve-se aos problemas de tráfego rodoviário e escassez de combustível em todo o território português, devido à greve dos motoristas, por tempo indeterminado, convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM).

Neste âmbito, a confederação espanhola CETM aconselha os motoristas que operam em Portugal ou circulem nas estradas portuguesas a tomarem medidas e organizarem bem as suas rotas de viagem face aos possíveis engarrafamentos e paragens de trânsito.

Já na sexta-feira de manhã, vários automobilistas concentravam-se nos postos de combustíveis junto à fronteira luso-espanhola entre o Algarve e a Andaluzia preocupados com os efeitos da greve dos motoristas.

A três dias do início da greve, a Lusa visitou postos de abastecimento do lado espanhol da fronteira, em Ayamonte, e encontrou automobilistas portugueses a abastecer, como João Carlos Nogueira, que disse acreditar que "as filas que já se registam nos postos de combustíveis em Portugal são motivadas pelas notícias" sobre a greve, que "estão a alarmar" as pessoas.

"Não percebo como é que, a dias do início da greve, já há tanta fila pelo país para abastecer o carro. Quando chegar a greve, como vai ser?", questionou este automobilista, frisando que, "para esperar em Portugal, mais vale vir a Espanha abastecer e ainda sai mais barato".

Luís Carlos também estava a abastecer em Ayamonte, mas garantiu que a razão que o fez viajar cerca de 15 quilómetros entre Portugal e a bomba mais próxima não foi o receio das consequências da greve, mas "porque habitualmente o abastecimento já é feito em Espanha".

"Deste lado não há greve, os combustíveis não vão acabar e temos sempre esta possibilidade de cá vir abastecer. Mas quem não mora junto à fronteira, não tem essa hipótese e pode ter a vida bastante complicada", considerou.

A necessidade de regressar a casa depois das férias e as reportagens televisivas a mostrar filas nos postos de abastecimento também levaram Carlos Figueiroa a Ayamonte, disse este alentejano de Beja à Lusa.

"Começámos a ver as filas na televisão, decidimos que era melhor encher já o depósito, mas como já havia algumas filas nas bombas em Vila Real de Santo António, decidimos aproveitar para dar uma volta e abastecer aqui em Ayamonte", afirmou.

Na sequência da greve dos motoristas, o Governo decretou serviços mínimos entre 50% e 100% e declarou crise energética, que implica "medidas excecionais" para minimizar os efeitos da paralisação e garantir o abastecimento de serviços essenciais como forças de segurança e emergência médica.

Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição da REPA - Rede de Emergência de Postos de Abastecimento, com 54 postos prioritários e 320 de acesso público.

 

Tópicos:

Beja, Figueiroa, Motoristas Mercadorias SIMM,

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP ouviu os seis lideres partidários sobre temas que escapam aos programas políticos e que contribuem para definir o perfil dos candidatos.

    Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

    Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.