Lua, 50 Anos. A pequena-grande pegada da humanidade

Depois das grande migrações, chegadas sobretudo da Europa, o sonho americano passava agora por colocar um homem na Lua. Ambicioso e estratégico, este objetivo fora anunciado oito anos antes pelo Presidente John F. Kennedy, a 25 de Maio de 1961. Dois homens, Neil Armstrong e Edwin Aldrin, colocariam os pés no satélite natural em nome de toda a humanidade. Michael Collins ficaria a aguardar em órbita.

| Mundo

"Aqui, homens do planeta Terra colocaram pela primeira vez os pés na Lua. Julho de 1969, A.D. Viemos em paz por toda humanidade".


Créditos: NASA/DR

Os norte-americanos tinham como concorrentes diretos nesta corrida espacial os soviéticos. Os mesmos que, por repetidas vezes, haviam ultrapassado a América: o primeiro satélite artificial (Sputnik), o primeiro animal no espaço (Laika), o primeiro homem no espaço (Yuri Gagarin) e também a primeira mulher no espaço (Valentina Tereshkova).

A Guerra Fria não se fazia apenas na Terra e os Estados Unidos queriam mostrar ao mundo e, claro, aos soviéticos que não eram os eternos segundos que a História sempre teima em esquecer.
Hora de acordar a Águia
O relógio digital em Houston registava 81 horas, 22 minutos e 57 segundos quando Charlie Duke, o homem agora ao leme do Controlo de Comando na Terra, perguntava para a Lua (órbita): Olá, Apolo 11. Houston. Estamos a perguntar se já começaram a entrar na LM. Terminado.

Armstrong: Temos a escotilha do CSM para fora, a sonda e a tranca removidas e armazenadas, e estamos quase prontos para abrir a escotilha do LM agora.
Duke: Entendido. Muito obrigado, Neil. Estaremos a postos.
Armstrong e Aldrin removem a escotilha superior do Módulo Lunar da parte de dentro do túnel que conecta ao Módulo de Comando e flutuam até à Águia.
PAO: Aqui é o Controle Apollo, Houston; às 81 horas, 24 minutos de voo. O silêncio da conversa entre o Centro de Controlo de Missão, Houston e a tripulação foi interrompida há momentos. Charlie Duke ligou para a Apollo 11 e falou com Neil Armstrong, que indicou que a escotilha estava fora e a sonda e o drogue (tranca) removidos e eles estavam quase prontos para abrir a escotilha do Módulo Lunar. Nossa altitude atual mostra 54,7 milhas náuticas [101,3 km], apolune (apogeu) 65,4 [121,1 km], perilune (perigeu) 53,8 [99,6 km]. Curiosamente, a parte da ativação do LM que seguiremos mais de perto será no momento da reaquisição após a nossa passagem pelo lado mais distante da Lua (apolune). E será no lado da frente. O que nos dará a oportunidade de verificar as comunicações com o Módulo Lunar e haverá uma transferência para a potência da LM. Às 81 horas, 25 minutos; aqui é Apollo Control, Houston.
Armstrong: Ok, Charlie. Estamos no LM. A marca do índice de acoplamento é a mesma.
Duke: Entendido. Entendido.
(Pausa longa)
PAO: Ouviste o relatório de Neil Armstrong. Eles estão agora no Módulo Lunar.
Aldrin: Charlie, simplesmente não parece haver nenhuma maneira lenta de fazer aquele Repress to Auto sem fazer um big bang.
Duke: Apollo 11, Houston. Diga novamente. Terminado.
Aldrin: Entendido. Não parece haver nenhuma maneira mais lenta de tomar o Repress Closed to Auto e evitar um big bang. Over.
Duke: Ah, entendido, Buzz. Muito obrigado. Fora.
081:27:23 Duque: Nós concordamos, Buzz.
Pausa.

O Repress Closed a que Aldrin se referia era a manipulação da Válvula de Repressão do Módulo Lunar, que dava origem a um estrondo quando operada.

Curiosamente, mais tarde, na viagem da Apollo 13, o astronauta Fred Haise sabia desse defeito e por várias vezes brincou com os outros dois astronautas, pregando-lhes alguns sustos. Uma brincadeira que podia ter saído cara aos tripulantes da Apollo 13, isto se Jim Lovell, comandante da missão, apesar de já conhecer as atitudes de Haise, ao aperceber-se de um forte estrondo perguntou: Fred repetiste a brincadeira? Desta vez tinha sido a sério e a forte explosão devia-se ao rebentamento do tanque de oxigénio, quando os três astronautas ainda iam a caminho da Lua.

Duke: Apollo 11, Houston. Teremos LOS 81:45, próximo AOS - Aguarde.
Próximo AOS 82:32. Terminado.
Armstrong: Ok. 82:32.
(Quebra na comunicação)
Michael Collins era agora quem estava aos comandos do MCS (Módulo de Comando de Serviço).
Collins: Houston, Apollo 11. Eu vou começar uma manobra para a atitude do P22 neste momento.
Duke: 11. Roger. Entendido. Escuto.
Collins: Ok. Estamos a notar alguma água dentro do módulo de comando pela primeira vez. Há uma pequena poça de água no anteparo da popa, como se o 101 tivesse.
Duke: Entendido.
Collins : Eu gostaria de saber como a EECOM quer livrar-se dele. Há uma série de formas diferentes e qual é a melhor?
Duke: Só um momento, Mike. Aguarde.
Collins: Sem muita pressa. Isto vai durar até à próxima rev ou duas.
Duke: Tudo bem.

(longo intervalo sem comunicações)


PAO: Fala Apollo Control, Houston; 81 horas e 30 minutos de voo, Apollo 11. Os pilotos da Apollo 11 Commander e do Módulo Lunar parecem estar um pouco à frente nas linhas de tempo na ativação do ML.

Enquanto isso, o piloto do Módulo de Comando Mike Collins prossegue com exercícios de rastreio. Mike também relatou uma pequena poça de água dentro do Módulo de Comando, perto da antepara da popa. A referência a "como 101" referia-se à nave espacial Apollo 7, comandada por Walter Schirra.

A Nossa altitude atual, 54 milhas náuticas [100 km]; apolune atual, 65,4 [121,1 km]; nosso perilune atual, 53,8 [99,6 km]. Mostramos agora um peso em órbita de 70.472 libras [31.966 kg]. Aqui é a Apollo Control, Houston; continuando a monitorar às 81 horas, 32 minutos de voo.

Aldrin (a bordo ML): Bem, parece que foram feitos para partir. É isso - é isso, não é? Eles não foram feitos para estar aqui, então arrumaram-nos e colocaram aqui ao contrário da nossa maneira?

A equipa reiniciava o gravador de bordo em antecipação a Loss Of Signal em cerca de quatro minutos.

Collins: Então nós só temos que decidir o que - o que é suposto acontecer aqui.
Aldrin (a bordo): Eu [atrapalho] dois deles.
Collins: Ambos - essas coisas estão aqui.
Armstrong (a bordo): [Garble] não estou preocupado com nada que entre ali [garble].

Tudo estava encaminhado para a grande aventura.

A Águia que pousou na Lua 
Pousar na Lua era um feito inédito para uma nave tripulada. Um veículo espacial que obrigou os engenheiros a partir "muita pedra" e criar algo único e seguro. Era uma viagem pioneira, quase que a reconstruir as primeiras aventuras humanas, em que pequenas "naves" de madeira desbravaram mares nunca antes navegados na exploração de novos territórios.

O Módulo Lunar

Construir algo para viajar no espaço, alunar num astro sem gravidade, pela primeira vez, e regressar não era tarefa fácil para os mentores de tal façanha. Idealizar no papel era fácil, mas construir algo funcional era outra coisa.

O Módulo Lunar não surgiu tal como o conhecemos e foram criados e testados três projetos:

• Um sistema baseado numa peça única, consistindo num foguetão que iria levantar da Terra, pousar na Lua e regressar, à semelhança do atual Falcon 9, da Space X.

• Uma outra opção passaria por um encontro em órbita da Terra, em que o foguetão acoplaria a um outro, já em órbita, e seguiria o primeiro plano.

• A terceira opção, a que vingou, consistia num pequeno módulo que desceria ao solo lunar e depois voltaria à nave de retorno.

O Módulo Lunar (15.103 kg) era formado por dois sub-módulos: módulo de descida responsável pelo pouso na superfície lunar e módulo de regresso que permitia o retorno à órbita lunar para o rendez-vous com o MSC, veículo de retorno à Terra.

O sub-módulo de regresso, composto por uma tripulação de dois astronautas, era composto dos sistemas de direção, navegação, controlo, suporte de vida da tripulação e painéis e instrumentos, dispositivos eletro-explosivos, energia elétrica, escotilha, janelas de acoplagem e aterragem e propulsores laterais de reação e comunicações.

Este sub-módulo, após regressar e acoplar ao MC, é libertado e abandonado em órbita lunar, caindo posteriormente na Lua.

O sub-módulo inferior, de descida, era composto por tanques de combustível de oxigénio e hidrogénio, sapatas de pouso, propulsor central, escadas de acesso, plataforma de saída e contentor de material científico, onde nas missões seguintes se acoplava o carro lunar (Rover). Este elemento, utilizado para a missão extra-veicular executada pelos astronautas, permanece até aos dias de hoje em solo lunar.



O ML foi testado nas missões tripuladas Apollo 9 (em órbita da Terra) e Apollo 10 (em órbita da Lua), tendo servido de veículo de emergência à tripulação da missão Apollo 13, após a explosão nos depósitos de oxigénio do SMC ainda a caminho da Lua.

O projeto e fabrico do Módulo Lunar ficou a cargo da Grumman Aerospace Corporation, fabricante de aviões para a Marinha dos Estados Unidos.

Soltar amarras com o "companheiro de viagem"

Às voltas, em redor do grande satélite natural da Terra, os três astronautas norte-americanos ainda tiveram tempo para dormir, ao luar, antes da missão para a qual foram destinados.

O Módulo de Comando e Serviço acoplado umbilicalmente ao Módulo Lunar (MCS e ML) está agora numa órbita elíptica entre os 118,5 e os 102,8 quilómetros da superfície lunar.

As duas pequenas e frágeis naves viajavam em torno da Lua a 1.637 metros segundo, com um peso total estimado de 31.897 quilos.

O oficial e relações publicas (PAO) da NASA, da conta da última atualização: daqui Controlo Apollo, 93 horas e 29 minutos de tempo decorrido no solo.
(…)
Ainda a postos para a chamada de despertar.
(…)
Aguardando o grande momento de Ron Evans (CapCom de serviço) enquanto ele faz a chamada para a nave espacial, atualizando o horário de sono, o seu trabalho tem sido bastante fácil, ou pelo menos ele não tem tido muita conversa com... Aqui vamos nós.
(93h32m39) Evans: Apollo 11, Apollo 11. Bom dia da equipa Black Team.
Collins (a bordo do MCS): Bom dia, Houston.
Evans: Bom dia. Temos cerca de dois minutos para LOS aqui, Mike.
Collins: Vocês acordam cedo.
Evans: (rindo) Sim, vocês estão a ser acordados cerca de dois minutos mais cedo do que agendado para o despertar. Parece que vocês estão realmente a contar o tempo.
Collins: Estás totalmente correto.

O dia ia ser de fortes emoções. Depois da longa viagem e estabelecida uma órbita segura e estável, astronautas e equipas na Terra tinham de ter tudo bem oleado para a descida à Lua.

Os astronautas estavam a aproximavam-se do segundo local de desembarque escolhido da Apollo, a sudoeste do Mar da Tranquilidade, caso falhassem o primeiro. Esta foto foi registada por Buzz Aldrin através da janela do CDR, com o quadrante RCS no canto inferior esquerdo. Quando esta foto foi tirada, Neil e Buzz estavam no meio da ativaçãodo Módulo Lunar. Créditos NASA/DR

As cinco horas seguintes serviram para rever todos os pontos diretamente implicados com a descida. Às 98 horas e 27 minutos, Neil Armstrong informa Houston que procedera à abertura do trem de alunagem do ML. Mas o Centro de Controlo não copiou.

Ao minuto 44 (14 minutos mais tarde), a pergunta surge de forma natural, por parte do CapCom Duke, para espanto de Armstrong.

Duke: Eagle, Houston. Vocês já abriram o trem de alunagem? Câmbio.
(pausa)
Armstrong: Afirmativo. O trem está fora e cinza (registo visual do marcador dentro do ML).
Duke: Entendido.


Cortar o cordão umbilical com o MCS

A marca horária programada para as duas naves (MCS e ML) se desprenderem estava agendada para a hora 100. Mas antes havia que preparar a câmara para registar e decumentar o momento.

Collins (a bordo do CMS): Aquele transponder foi verificado. Espero que eles tenham um bom, grande e forte [sinal de vídeo] de vocês.
Aldrin (a bordo do ML): Muito bem.

Buzz tem uma câmara de cinema Maurer de 16 mm montada na janela do Módulo Lunar. Além de filmar a alunagem, ele vai usá-la para filmar o CSM logo após o desatracamento.

Aldrin: Ei, Mike, o que é que me recomendas como um bom ajuste para a 16 milímetros? (câmara de vídeo)
Collins: Bem, o que eles recomendam é f:8 (abertura diafragma) a 1/250th e colocá-lo não no infinito, mas em sete pés, que cobre todo o caminho do infinito até uma distância muito curta para mantê-lo em foco, e seis quadros por segundo, acho eu.
Aldrin: Sim, dizes, f:8 à 1/250th?
Collins: Sim, f:8 na l/250th. E depois de teres tudo tudo pronto, verifica o f-stop novamente porque ele desliza e desliza com muito pouca torção.
Collins : Que tal usar, como tempo de separação (entre naves), 100 horas e 12 minutos? Isso se adequa à tua imaginação? (Cerca de quatro minutos antes da ligação com a Terra)
Armstrong: Vai correr tudo bem. (tranquiliza o comandante)
Collins : Ok.

Dentro da cápsula e Módulo de Comando Columbia, o astronauta Michael Collins, que ficaria sozinho em órbita lunar enquanto Armstrong e Aldrin desciam à superfície lunar, também registava a separação das duas naves.

Armstrong: Estamos todos prontos quando você estiver, Mike.
Collins: 15 segundos.

Michael Collins filma então a separação usando uma câmara de filme de 16 mm da Maurer. Conhecida pela NASA como Data Acquisition Camera (DAC), carregada com filme reversível do tipo Ektachrome.


À medida que o ML se afasta, Neil gira o módulo permitindo que Mike inspecione o exterior e, em particular, para garantir que os quatro trens de alunagem estavam adequadamente abertos e prontos a usar.


Créditos: NASA - Apollo Journal/ todos os direitos reservados

Factos e curiosidades da missão lunar

A 20 de julho de 1969 (dia 21 em Portugal), o mundo parava para assistir à chegada do Homem à Lua. Dois seres humanos, astronautas, desciam de uma estranha nave apelidada de Águia para conquistar o satélite natural da Terra.

Foram cerca de 400 mil quilómetros no escuro espaço, entre os dois astros, mas isso não era um problema de maior para os astronautas. A viagem de ida durou pouco mais de três dias. Desde então, muito se tem falado sobre a missão e as vidas dos astronautas. Há também inúmeras teorias da conspiração.

A RTP encontrou alguns factos curiosos desta primeira ida à Lua.

- O símbolo da missão Apollo 11 (patch), que apresentava uma águia a agarrar um ramo de oliveira, foi desenhado por Michael Collins, astronauta da missão que ficou no Módulo de Comando em órbita da Lua, enquanto os companheiros Armstrong e Buzz exploravam o solo lunar.

O conteúdo deste quadro esteve a bordo da Apollo 11 em 1969. Em 1987, os três tripulantes - Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins - assinaram o desenho e entregaram-no ao antigo administrador da NASA, James C. Fletcher, para que este fosse entregue à primeira tripulação que aterrasse em Marte. Créditos: NASA/DR

- Durante a viagem à Lua, quase 60 horas após a partida, os três astronautas visualizaram um estranho objeto no espaço, que emitia uma luz errante. A tripulação da Apollo 11 descreveu este objeto como tendo a aparência de dois anéis. Ainda hoje a NASA não consegue explicar o que a tripulação observou.

- A condensação dentro do módulo lunar era de tal forma elevada que Neil Armstrong relatou para Houston a existência de uma poça de água junto ao lugar que lhe pertencia.

- Edwin (Buzz) Aldrin, era muito religioso. Entre as tarefas realizadas na Lua, Buzz leu uma passagem bíblica do livro de João. Mas foi também ele o primeiro homem a urinar na lua. Claro está que foi dentro do fato espacial e o conteúdo foi guardado para ser depois descartado a bordo da Apollo 11.

Astronauta Buzz Aldrin em solo lunar. Créditos NASA/DR

- A missão Apollo 11 foi a primeira que alcançou o objetivo de pousar na Lua, mas esta missão foi a quinta tripulada do programa Apollo.

- A alunagem do módulo lunar da Apollo 11 teve de ser manual. A medida teve de ser tomada devido a um erro de cálculo (cerca de um quilómetro), revelando-se o território onde a nave iria alunar um pouco mais rochoso do que o previsto. O responsável pela alunagem em segurança foi Neil Armstrong.

Créditos: NASA/DR

- Por pouco, a alunagem da Apollo 11 não foi abortada. Quando Armstrong e Aldrin pousaram o ML, verificaram que havia menos de um minuto de combustível restante no tanque. Se tivessem demorado mais um pouco, o objetivo de pousar na superfície lunar teria sido cancelado.

- Neil Armstrong e Edwin Aldrin passaram, ao todo, um período de 21 horas na Lua.

- De acordo com os astronautas que passearam na Lua pela primeira vez, Aldrin e Armstrong, o cheiro lembrava “cinzas molhadas numa lareira”. A descrição causa alguma estranheza, visto que qualquer cheiro no espaço é apenas aparente, já que nunca poderá ser sentido diretamente.

- Entre os cerca de 100 objetos deixados na Lua os mais emblemáticos são a bandeira dos Estados Unidos da América, toda ela feita de nylon e fibra de vidro, e uma placa agarrada à base do ML, onde se pode ler “Aqui, homens do Planeta Terra colocaram os pés pela primeira vez na Lua. Julho de 1969, A.D. Por toda a humanidade, nós viemos em paz”.

Um técnico segura a placa Apollo 11 antes da instalação na antepara de escada do Módulo Lunar. Créditos: NASA/DR

- Após os trabalhos na superfície lunar os astronautas regressaram ao ML e preparavam-se para regressar para junto de Collins, em órbita. Todavia, no momento da descolagem, um dos botões partiu-se e Edwin Aldrin precisou de usar uma caneta com ponta de feltro para ativar um disjuntor essencial para que os astronautas conseguissem sair da Lua.

- A tripulação da Apollo 11, depois de regressar à Terra, foi resgatada por homens com fatos biológicos para evitar qualquer risco de possível contaminação a partir do contacto com os astronautas, bem como uma equipa da Marinha norte-americana de merguladores equipados com armas para afastar os tubarões que se aproximassem da amaragem.

Créditos: NASA/DR

- Neil Armstrong, Michael Collins e Edwin (Buzz) Aldrin não tomaram banho durante os oito dias da viagem (Terra-Lua-Terra).

- No regresso à Terra, o trio de astronautas da Apollo 11 foi colocado em quarentena. A medida foi tomada por questões de segurança e levou três semanas. Suspeitava-se que os astronautas pudessem trazer eventuais germes ou algo que contaminasse a Terra.

O trio de astronautas (da esq. p/ dir.) Michael Collins, Edwin Aldrin e Neil Armstrong durante a quarentena após sucesso da missão Apollo 11. Créditos NASA/DR

- O programa Apollo contou com mais de 400 mil profissionais, entre engenheiros, técnicos e cientistas.

- A programação do computador que os astronautas usavam na missão [Apollo Guidance Computer] foi criada pela engenheira e programadora Margaret Hamilton. O software foi escrito por uma equipa do MIT, do Laboratório de Instrumentação (atualmente chamado de Laboratório Draper), sob a coordenação de Margaret.

Margaret Hamilton fotografada enquanto procedia a algumas verificações dentro do MC da Apollo 11. Créditos NASA/DR

- Os três tripulantes da Apollo 11 autografaram centenas de postais com suas imagens para serem leiloados. Esta ação foi tomada para subsidiar a família de Neil Armstrong, caso algum imprevisto ocorresse, ou algo saísse errado durante a missão. Isto porque ele não tinha condições de pagar um seguro de vida para astronautas.

Créditos: NASA/DR

- O acontecimento espacial teve uma audiência à altura de sua dimensão histórica: estima-se que cerca de 600 milhões de pessoas tenham assistido à “Eagle” da Apollo 11 a pousar na Lua, ao vivo, pela televisão.

- Havia um discurso alternativo preparado pelo Presidente Richard Nixon, para o caso de falha na missão Apollo 11.

- Michael Collins resolveu deixar a carreira de astronauta assim que regressou da missão na Lua. O tripulante da Apollo 11 passou a tentar a vida no mundo dos negócios.
Collins. O astronauta solitário

Quando Neil Armstrong e Edwin "Buzz" Aldrin deram os primeiros passos na Lua, poucos eram os que se lembravam do terceiro membro da tripulação - Michael Collins - que se encontrava sozinho em órbita.

Não menos heroico que os outros dois, Collins tinha por função garantir que estava no local certo, à hora certa, para recolher os dois companheiros que tinham viajado até lá baixo.

De acordo com declarações do astronauta, durante as cerca de 21 horas que demoraram as operações em solo lunar, Collins afirma: "Senti-me o homem mais solitário do universo". Os olhos do mundo estavam agora concentrados na Lua e ele era uma peça secundária.

Não era a primeira vez que Collins estava numa missão espacial. Membro da tripulação da Gemini X, lançada em 18 de julho de 1966, Collins sabia como era o vazio do espaço, mas tinha companhia de dois outros tripulantes. Agora era diferente e estava sozinho.

Créditos: NASA/DR

E se Neil e Aldrin arrecadavam os louros de serem os primeiros a pisar a Lua, ele seria o primeiro e único astronauta a orbitar o lado "escondido" sozinho, nessa mesma viagem.

Se estar sozinho já era doloroso, a cada passagem pelo lado oculto da Lua, a solidão aumentava. Isto porque o sinal rádio deixava de funcionar e as comunicações, durante longos 48 minutos, deixavam simplesmente de se ouvir. 

Cortado do contacto do mundo, restava a Collins sonhar como era tão fácil tocar na Lua e rezar que os companheiros conseguissem voltar sãos e salvos do enorme rochedo branco, que pairava agora debaixo dos pés do astronauta solitário.

"A Águia que pousou na Lua"

O relógio marca 15h17m (20h17 UTC) quando se ouve Neil Armstrong: “Houston, Tranquility Base here. The Eagle has landed”. A 20 de julho de 1969 o módulo lunar Eagle, a primeira nave tripulada, alunava no Mar da Tranquilidade.

A descida

Decorria a hora 101 e 36 minutos da missão Apollo 11 quando o Módulo Lunar (ML), na sua 13ª órbita, na parte oculta da Lua, disparava por 30 segundos o motor de retaguarda para fornecer o impulso que daria inicio à inserção de descida.

As ligações de rádio com a Terra tinham sido cortadas e durante 48 minutos o silêncio era assustador.

Uma hora depois, os módulos Columbia e Eagle reapareciam por detrás da Lua. Quando o LM estava a cerca de 300 milhas de altitude [482  Km], a iniciação de descida motorizada foi realizada com o motor de descida, acionado por 756,3 segundos.


PAO: Aqui Controlo Apollo a 102 horas, 12 minutos de voo da Apollo 11. Estamos agora a 2 minutos e 53 segundos de readquirir a nave espacial; 21 minutos e 23 segundos do início da descida à superfície lunar. Aqui no Controle da Missão está tudo muito calmo. Há momentos, o diretor de voo Gene Kranz pediu que todos se sentassem e se preparassem para os eventos que estão por vir e disse o seguinte: "Boa sorte a todos vocês". Aqui no… em frente dos nossos ecrãs de acompanhamento, temos uma série de grandes ecrãs que serão usados para acompanhar o progresso da propulsão (ML). Entre os mais importantes, está um que mostrará o desempenho dos sistemas de orientação a bordo, tanto o sistema de orientação primário como o de back-up, e comparará os sistemas de orientação com o rastreamento da Manned Space Flight Network. Estes displays, quando tudo isto acabar, vão parecer muito idênticos quase iguais a uma árvore de Natal ou ao dia 4 de Julho. Estamos agora a 1 minuto e 39 segundos de readquirir o Command Module Columbia. A aquisição do Módulo Lunar virá em pouco menos de 2 minutos depois disso. No momento em que adquirirmos o ML, ele deverá estar a uma altitude de cerca de 18 milhas náuticas, descendo em direção ao pericintonário de 15 mil metros, a partir do qual será iniciada a descida até a superfície lunar. Se por algum motivo a tripulação não gostar do aspeto das coisas, ao cruzar o pericínton, simplesmente e por não se iniciar a manobra, ela permanecerá numa órbita segura de 60 milhas por 50.000 pés [111 por 15 km], e se quiserem podem tentar a descida motorizada na órbita seguinte, no tempo decorrido terrestre de cerca de 104 horas, 26 minutos. Estamos agora a chegar aos 30 segundos para a aquisição do Módulo de Comando. Estamos prontos para o evento.

Aldrin (a bordo do ML): 180, 287, 0. Aqui vai.
Aldrin: Dê-me...
Armstrong (a bordo ML): Eles apanham-nos antes de nós (sinal rádio).
Collins (A bordo do MC): Pronto para lhes dar um relatório da situação? DOI?
Aldrin: Bem, espero que esteja na página certa.
Aldrin: Ok, eu vou pegar Descent Quantity, On.
Armstrong: Ok, queres dar - Ok, nós perdemos. Em Auto agora.

(O controlador de rede diz que temos a Aquisição de Sinal do Módulo de Comando)

Aldrin: Taxa de alcance.
Armstrong (a bordo): Que tal isso?
Duke: Columbia, Houston. Estamos a postos. Terminado.
Duke: Columbia, Houston. Terminado.
Collins: Houston, Columbia. Leitura em voz alta e clara. Como eu?
Duke: Entendido. Five-by, Mike. Como correu? Terminado.
Collins: Ouça, querida. Tudo está indo muito bem. Bonito.
Duke: Ótimo. Estamos a postos para a Águia.
Collins: Ok. Ele está vindo junto.
Duke: Entendido. Out.
(...)

Após oito minutos, o ML estava no "ponto exato", a pouco mais de oito quilometros do local de alunagem.

O motor de descida continuou a proporcionar o impulso de travagem até cerca das 102 hora e 45 minutos da missão.
Um alarme (1202) à hora errada
A Apollo 11 estava a quatro minutos da sua sequência de aterragem (102h38m26s) quando as palavras do comandante, Neil Armstrong, ecoaram nas comunicações de forma dramática.

Armstrong: "Program alarm."
A Tabela 5-I no Relatório da Missão Apollo 11 dá a hora deste alarme 1202 às 102:39:02.
CapCom Duke (Houston) : Parece-me tudo bem para nós. Over.
Armstrong: É um 1202.
Aldrin: 1202.

Um código de erro. Mas o que seria? - interrogavam-se os controladores em Houston, ao examinar as notas, tentando descobrir qual era o problema. O tempo estava a esgotar-se.

O alarme 1202 estava a ser gerado devido à computação de dados em excesso no computador. Este alarme não tinha surgido durante as simulações em Terra, mas, como Neil Armstrong explicou mais tarde durante uma conferência de  imprensa pós-missão: "Nas simulações temos um grande número de falhas e normalmente somos empurrados para abortar a missão. E neste caso, num voo real, estavamos a ser empurrados para aterragem o mais depressa possível.
(...) Tínhamos ido tão longe e queríamos aterrar. Nós não queríamos abortar. Então, tenho certeza de que estávamos concentrandos em fazer o que era necessário para completar a alunagem".

Apesar do alarme, a bordo do "Eagle" as atenções estavam todas em executar as manobras de aterragem, como tinha sido treinado.

Duke: 6 mais 25. Acelera... (disparos de retro-propulsão)
Aldrin: Ok. Parece que cerca de 820...
Duque: ...6 mais 25, acelera.
Aldrin: Entendido. Entendido.
Armstrong: 6 mais 25.
Aldrin: O mesmo alarme e parece que sobe quando temos um 16/68.
Duque: Entendido. Entendido. (Pausa)

O código 16/68, ao qual o Buzz se refere, é a informação disponibilizada no ecrã do computador Verb16 Noun 68 que exibe o alcance até ao local de alunagem, bem como o tempo restante na fase de travagem. Esta imagem não colocava um peso (byts) particularmente acentuado no computador, mas quando adicionado à informação existente foi o suficiente para gerar o alarme 1202.

Duke: Eagle, Houston. Nós vamos monitorizar o Delta-H.
Armstrong: Estamos... a descer?
Aldrin: Sim, está a cair lindamente.
Duke: Delta-H....
Armstrong: Roger, parece bom agora.
Duke: Roger. Delta-H está a parecer bom para nós.
Aldrin: Uau! Acelerar...
Armstrong: Aceleração mesmo a tempo.



Touchdown

Decorria a hora 102:44:45 em Houston e a Águia, quanse em solo lunar, "batia as asas" (combustão dos propulsores) levantando o fino e estéril pó lunar. Com a confusão toda gerada anteriormente, o ML não iria aterrar de forma automática e no local programado. Armstrong tinha de tomar imediatamente as rédeas na nave e alunar manualmente.

Aldrin: 100 pés, 3 1/2 abaixo, 9 em frente. Cinco por cento (combustível restante). Quantidade de luz.

Este preciso evento iniciou uma contagem regressiva de 94 segundos para a apelidada Fuel Call Bingo, que significava"'pousar em 20 segundos ou abortar". Então, se a contagem chegasse a zero, Neil terá 20 segundos para pousar, caso contrário, teria de abortar imediatamente.

As tabelas indicavam que até 50 pés, com os valores do combustível acima do marcador Bingo, não haveria problema, mas entre 70 e 100 pés seria arriscado aterrar.

Já se o valor da altitude fosse acima de 100 pés e o mostrador do combustível atingisse a marca (Bingo), a ordem era imediatamente para abortar e diria adeus à Lua.

Aldrin: Ok. 75 pés. E está parecendo bem. Abaixo da metade, 6 em frente.
Duke: 60 segundos (combustível deixado antes da chamada de Bingo).
Aldrin: 40 pés, abaixo de 2 1/2. Apanhando alguma poeira.

Aldrin: 4 em frente. 4 em frente. À deriva para a direita um pouco. Vinte pés, para baixo uma metade.
Duke: 30 segundos (até a chamada Bingo).
Aldrin: Andando um pouco para a frente; isso é bom.

Referência no relatório tecnico de Armstrong (1969): "À medida que nos aproximávamos dos 30 pés, tinha selecionado a área final do touchdown. Por alguma razão, não tenho certeza, começámos apanhar velocidade para a esquerda e uma velocidade para trás.  Coisa que eu certamente não queria fazer, porque não é agradavel andar para trás, incapaz de se ver para onde se vai. Então eu prendi essa taxa de retrocesso com alguns movimentos de controlo possivelmente espasmódicos, mas não consegui parar a taxa de translação esquerda. Quando nos aproximamos do solo, eu ainda tinha uma taxa de translação à esquerda, o que me tornou hesitante em desligar o motor enquanto eu ainda tinha esse valor. Eu também relutante em diminuir minha velocidade de descida mais do que estava, ou parar (a descida), porque estávamos perto de ficar sem combustível. Estávamos atingindo nosso limite para abortar.
Acho que, naquela altitude, ficar sem combustível não era uma hipótese. Provavelmente deixaríamos que ela (Eagle) caísse".

"Um corte no motor a qualquer altura acima de 10 pés teria produzido uma alunagem mais dura do que o trem de aterragem tinha sido projetado para suportar".

A 19 de setembro de 2001, Neil foi entrevistado na NASA Johnson pelos historiadores Stephen Ambrose e Douglas Brinkley e, durante a entrevista, disse: "Eu queria facilitar o mais possível a minha vida naquele primeiro (pouso) - há muita preocupação em chegar perto de ficar sem combustível e eu estava muito ciente disso. Mas eu sabia que se eu pudesse ter minha velocidade estabilizada e atitude estabilizada, eu poderia cair de uma altura razoavelmente boa, talvez quarenta pés ou mais na gravidade lunar baixa [e] a engrenagem absorveria essa queda. Então, talvez eu estivesse menos preocupado com isso do que muitas pessoas observando aqui na Terra. Isso não quer dizer que eu não estivesse a pensar nisso, porque eu certamente estava. Mas achei que era importante tentar fazer com que caísse suavemente na primeira tentativa. Não sabíamos como é que essa aterragem iria decorrer até esse ponto. Por isso, queria que fosse o mais suave possível".

Aldrin: Luz de Contacto.

Uma das sondas penduradas em três dos footpads tocava a superfície. Cada uma delas tem 67 polegadas (1,73 metros) de comprimento.

Referência no relatório técnico de Armstrong (1969): "Continuamos a aterrar com uma ligeira torção para a esquerda. Eu não pude determinar com precisão [o momento do] touchdown. Buzz afirmou o contacto lunar, mas eu nunca vi as luzes de contacto lunares.

Referência no relatório técnico de Aldrin (1969):"Eu avisei da luz de contacto".
"Tenho certeza que sim, mas eu não ouvi, nem vi", descreve Armstrong nesse mesmo relatório.

Armstrong: Shutdown
Aldrin: Okay. Engine Stop. (102:45:44)

Parcialmente pilotada manualmente por Armstrong, a Águia alunou no Mar da Tranquilidade no Local 2 a 0 graus, 41 minutos, 15 segundos de latitude norte e 23 graus, 26 minutos de longitude leste. Ou seja, cerca de quatro milhas abaixo do ponto previsto. Ocorreu também quase minuto e meio antes do programado. Incluía uma descida motorizada que durava apenas 40 segundos nominais mais do que o planeamento antes do voo, devido a manobras de translação para evitar uma cratera durante a fase final da manobra


Imagens: NASA - Direitos Reservados

“Houston, Tranquility Base here. The Eagle has landed”.


Apenas 50% de garantia de alunar em segurança

Neil Armstrong pouco revelou do que se tinha passado nessa viagem. Poucos meses antes da sua morte, o primeiro astronauta a pisar a Lua aceitou conversar e, numa entrevista exclusiva ao jornal The Guardian, explicou que não havia total garantia, naquela altura, de que alunar era totalmente seguro. Já se tinha testado ir até órbita e regressar (Apollo 10), mas nunca alunar. E foi por pouco que os problemas não apareceram. "Um mês antes do lançamento da Apollo 11 estávamos confiantes o suficiente de que poderíamos tentar realizar uma descida à superfície lunar", disse Armstrong.

"Eu pensei que tínhamos uma hipótese de 90 por cento de ir até lá e voltar em segurança para Terra, mas apenas uma oportunidade de 50-50 de fazer uma aterragem logo à primeira tentativa. Havia tantas incógnitas sobre essa descida desde a órbita lunar até a superfície, que não tinha sido testada por falta de uma experiência real. Havia, por essa razão, uma forte hipótese de acontecer algo, algo que podíamos não entender corretamente e abortar a missão e voltar a Terra sem alunar. A alunagem não foi tão perfeita como atualmente se quer mostrar", revelou Armstrong.

Quando os dois astronautas estavam a realizar a descida, dentro do Módulo Lunar, o computador de bordo dava-lhes a indicação para alunar num dos lados de uma grande cratera, com inclinações íngremes e repletas de enormes pedregulhos.

"Não é um bom lugar pousar", disse Armstrong a Aldrin. "Levei-o [o ML] manualmente e sobrevoei a zona como um helicóptero em direcção a Oeste, para uma área mais suave, sem tantas pedras, até encontrar uma área mais nivelada, a tempo de realizar a manobra antes de ficar sem combustível. Após alunar verificámos que restavam 20 segundos de combustível nos depósitos do módulo de alunagem", disse.


 

"Um pequeno passo para o Homem, um salto gigantesco para a Humanidade"
A escotilha do módulo lunar abria-se na rarefeita atmosfera da Lua cinco horas antes do horário previsto pela equipa científica da Apollo 11, marcava o relógio na Terra 2H39 UTC. Neil Armstrong foi o primeiro a sentir o vazio lunar. Vestido com o fato espacial, que lhe dava a garantia de suporte de vida num ambiente sem oxigénio, não sabia o que o esperava quando colocasse os pés no chão.

De costas para a superfície, Armstrong pôs as mãos nos suportes existentes junto à escotilha e desceu lentamente, sempre acompanhado por uma câmara de vigilância instalada no exterior do módulo. As imagens e os sons vindos da superficie da Lua estavam a ser transmitidos em direto, não só para a centro de comando, em Houston, mas para o mundo inteiro, que assistia a um momento único na história da Humanidade.
20:17:39 UTC 20 Jul - ML toca a superfície lunar
02:39:33 UTC 21 Jul - Começo das AEV (Escotilha aberta)
02:56:15 UTC 21 Jul - Primeiro passo na superficie lunar
05:11:13 UTC 21 Jul - Fim das AEV (fecho da escotilha)
17:54:00 UTC 21 Jul - Ignição e saída da lua (LM APS).

Armstrong, antes de pisar pela primeira vez o solo lunar, olhou para baixo e hesitou durante breves segundos. Depois, colocou pela primeira vez a bota no solo e testou o seu peso sobre a superficie: "Acabei de confirmar... agora voltei ao primeiro degrau... o solo não colapsou muito,  mas eu preferi voltar um pouco atrás".

Neil descrevia a superfície da Lua coberta com uma espécie de poeira cinzenta fina e muito suja.

Às 2h56 UTC, 16 minutos após a abertura da escotilha, o pé de Neil Armstrong carimba a marca humana na superfície de um astro extraterreno: "Coloquei um pé no solo e ele enterrou-se um ou dois centímetros. A superficie parece ser suja e com finos grãos cinzentos, muito parecido com pó".

O fino e cinzento pó lunar, agora compactado pelo peso de Armstrong, ficaria registado na foto tirada pelo próprio, logo após as palavras que imortalizaram o homem e o momento: “Um pequeno passo para um homem, um salto gigantesco para a Humanidade (That's one small step for man, one giant leep for mankind)".

Foto: Registo oficial da primeira pegada realizada na lua - Créditos NASA

Buzz Aldrin foi o segundo ser humano a pisar a Lua, 19 minutos depois. Um outro momento marcante nesta epopeia espacial foi a colocação da bandeira dos Estados Unidos da América em solo lunar. Foram duas horas, 31 minutos e 40 segundos de atividade extraveicular na Lua. Armstrong e Aldrin tiraram fotos do terreno, executaram testes científicos simples e falaram com o então Presidente norte-americano Richard Nixon, via Houston.

Às 5h11 do dia 21 de julho, ambos os astronautas regressavam ao módulo lunar com ordens para fechar a escotilha ao ambiente lunar. Extasiados com a experiência, os dois homens tinham recebido ordens para descansar e preparar o regresso à orbita , onde Collins os esperava para os levar de volta a casa.

Eram 17h54 quando os propulsores da fase dois do ML ganharam vida, separando-se da base que os fizera chegar em segurança à Lua. A "Águia" espacial regressava ao Módulo de Comando transportando a bordo os primeiros humanos a pisar outro corpo celeste que não a Terra.

Chegada à Lua vista pela Imprensa

Se viajar desde a Terra até ao seu satélite natural era digno de ser notícia de destaque, colocar um homem na Lua era, sem dúvida, um feito que merecia honras de destaque na imprensa em todo o mundo.

Portugal não foi exeção e foram muitos os artigos escritos, durante dias, pela imprensa nacional. A rádio (Emissora Nacional) difundia os sons da grande chegada e a televisão (RTP) mostrava e comparava este grande feito aos antigos descobridores português.

Imagens e sons que aqui disponibilizamos.

A Radio Televisão Portuguesa, nos dias em que a missão Apollo 11 decorria, foi para a rua inquirir a população, e as respostas revelavam-se surpreendentes. Inquietude e desconfiança reinava perante uma façanha que mudaria a forma de ver a ciência e o mundo em que vivemos.

                                      (Som Emissora Nacional)




A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.