Novo presidente do STJ são-tomense promete "credibilizar" a justiça

| Mundo

O novo presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) são-tomense, Roberto Raposo, prometeu hoje "credibilizar a justiça para fazer renascer o prestígio da magistratura".

Investido hoje no cargo de presidente do STJ, Roberto Raposo que já foi ministro da Justiça e direitos humanos e Procurador Geral da República sublinhou que vai trabalhar para "uma Justiça célere e bem administrada em nome do povo".

No seu discurso de tomada de posse, o presidente do STJ que substitui no cargo Silva Fomes Cravid, exonerado e reformado compulsivamente através de uma resolução parlamentar, Roberto Raposo lembra que "com experiência e reconhecido mérito dos juízes e magistrados", empossados segunda-feira, será possível "fazer renascer a credibilidade da justiça" são-tomense.

"Nós, em equipa, vamos continuar a trabalhar e acreditamos nas reformas para renascer o prestígio da magistratura, sua independência e autonomia para que tenhamos aquela justiça célere e bem administrada em nome do povo", disse.

Considerou que com a eleição e investidura dos novos juízes conselheiros do Supremo Tribunal de Justiça se inaugurou "uma nova era na Justiça são-tomense".

No ato de investidura estavam presentes a ministra da Justiça, Administração Publica e Direitos Humanos, Ilza Amados Vaz, o presidente do Tribunal Constitucional, José Bandeira, do Tribunal de Contas, José Monte Cristo, a bastonária da Ordem dos Advogados, Célia Posser.

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.