ONU critica falta de compromisso dos governos na COP28

por Rita Fernandes, enviada especial

EPA

O diretor do Programa da ONU para o Clima criticou os países que participam na COP28, no Dubai, acusando-os de manterem as mesmas posições seis dias antes do final da cimeira.

"Temos um texto de partida em cima da mesa, mas é um 'monte' de desejos cheio de posturas", lamentou Stimon Stiell em conferência de imprensa.

"É imperativo separar o 'trigo do joio'. Se queremos salvar vidas e manter o objetivo de 1,5°C, os objetivos mais ambiciosos da COP devem permanecer no centro [do debate]", sublinhou.

Como exemplo, Stiell apontou a "clara insuficência" do financiamento até agora garantido para Fundo de Perdas e Danos, destinado a ajudar os países mais prejudicados pelo impacto das alterações climáticas.  

"As ferramentas estão sobre a mesa. As tecnologias e as soluções existem. Esta é a altura para os governos e os negociadores as utilizarem", sublinhou.

A COP28, que começou na quinta-feira passada, arrancou com vários compromissos não vinculativos dos governos sobre os aspetos da transição energética, mas o verdadeiro objetivo da conferência é chegar a um texto legal e juridicamente vinculativo.

Hoje, véspera de um dia de pausa, o projeto de acordo sobre o qual os negociadores estão a discutir enumerou posições muito divergentes com "opções" em vários artigos, sem qualquer progresso no sentido de um compromisso.

A 28.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que começou na quinta-feira, reúne os representantes de quase todos países do mundo no Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, até 12 de dezembro, para debater estratégias de adaptação e mitigação, apoios financeiros, e fazer um balanço de oito anos de ação climática.

(Com Lusa)
pub