Portland. Casa Branca cede e ordena retirada de agentes federais

por Joana Raposo Santos - RTP
A saída dos agentes federais será feita de forma faseada, com os primeiros a abandonarem as ruas nos próximos dias. Caitlin Ochs - Reuters

A administração Trump concordou com a retirada dos agentes federais que tinha destacado para controlarem os protestos em Portland, no Estado do Oregon. A informação foi avançada pela governadora desse Estado, que tinha já criticado a "ingerência" da Casa Branca e acusado os agentes federais de "atuarem como uma força de ocupação e trazerem violência" ao longo de quase um mês de confrontos com os manifestantes.

Desde que o afro-americano George Floyd morreu, no final de maio, às mãos da polícia de Minneapolis, protestos contra a injustiça racial incendiaram todos os Estados norte-americanos. Um deles foi o do Oregon, cuja maior cidade, Portland, há mais de 60 noites consecutivas é palco de manifestações onde são exigidas reformas policiais.

Os protestos em Portland começaram, entretanto, a ser utilizados para contestar outras questões, nomeadamente a posição de Donald Trump quanto à pandemia de Covid-19 e o estado da economia.

A escalada de violência entre manifestantes e autoridades nesses protestos levou, há cerca de um mês, o Presidente norte-americano a enviar agentes federais para conter os distúrbios, tarefa pouco habitual para essas autoridades.

Na terça-feira, a secretária de imprensa da Administração Trump, Kayleigh McEnany, repetiu que o envio de agentes federais para Portland tinha como objetivo a proteção de propriedade federal. 

Muitas das vezes, esses agentes atuaram sem farda e sem identificação, utilizando gás lacrimogéneo e outras táticas não permitidas, como a detenção de manifestantes sem fundamentos legais.

A decisão da Casa Branca foi contestada pela governadora do Oregon, Kate Brown, que acusou a Casa Branca de ingerência e que, agora, conseguiu revertê-la. “Depois das minhas discussões com o vice-presidente Pence e outros, o governo federal concordou com a retirada dos agentes federais de Portland. Eles atuaram como uma força de ocupação e trouxeram violência. A partir de amanhã, todos os agentes de proteção das fronteiras e da Imigração e Alfândega vão abandonar Portland”, escreveu na quarta-feira a governadora no Twitter.


"As autoridades estaduais e municipais começarão a garantir a segurança de pessoas e propriedades, especialmente as que cercam edifícios federais e que têm estado sob ataques noturnos, nos últimos dois meses", acrescentou a governadora.

A saída dos agentes federais será feita de forma faseada, com os primeiros a abandonarem as ruas nos próximos dias, depois de o Presidente Trump ter dito que as tropas federais não deveriam deixar a cidade antes de as autoridades locais garantirem a sua segurança.

A par desta medida, o Governo anunciou que enviará agentes federais para três novas cidades - Cleveland, Detroit e Milwaukee, todas lideradas por democratas - com o mesmo argumento de restaurar a “ordem e segurança”.

“Estas três cidades estão a viver um aumento perturbador de crimes violentos, especialmente homicídios”, disse na quarta-feira o procurador-geral, William Barr. No entanto, as autoridades de uma dessas cidades já manifestaram a sua preocupação com a chegada dos agentes federais, lembrando os problemas causados em Portland.

A recente conduta de agentes federais em Portland, Oregon, causa sérias preocupações em Milwaukee, Wisconsin, sobre os objetivos e extensão de uma missão federal na nossa cidade e no nosso Estado”, disseram fontes das autoridades de segurança locais.

Grupos de ativistas pelas liberdades civis acusam os agentes federais que atuaram em Portland de ações desproporcionadas para controlarem as multidões. Um dos padrões que começaram a notar-se foi o lançamento de gás lacrimogéneo por parte de agentes camuflados sempre à meia-noite, em resposta a foguetes lançados pelos manifestantes desde o outro lado da barreira que limitava o perímetro de segurança.

c/ agências
Tópicos
pub