Portugal disponível para acolher comando do Atlântico da NATO

| Mundo

|

O ministro da Defesa afirmou hoje que Portugal disponibilizou-se para acolher o novo comando para o Atlântico da NATO, e que é favorável à criação de uma missão de treino no Iraque.

"Não há candidaturas, não apresentação de candidaturas. Há juízos políticos, sobre aquilo que envolvem esses comandos e há, evidentemente, depois, manifestações de vontade ou expressões de vontade", começou por esclarecer Azeredo Lopes, em conversa com jornalistas, à margem da reunião de ministros da Defesa da Aliança Atlântica, que decorre até hoje, em Bruxelas.

O ministro da Defesa assumiu que Portugal expressou a vontade, de "seja lá onde ficar o novo comando do Atlântico", ser tempo de olhar com mais atenção para a estrutura da STRIKFORNATO [`Naval Striking and Support Forces NATO`], em Oeiras, que "está perfeitamente virada para o Atlântico e preenche perfeitamente uma vocação de articulação com o futuro comando, ou de um qualquer reforço nas suas capacidades".

"É bom que tenhamos noção que o comando do Atlântico não envolve milhares de militares. Estamos a falar de uma estrutura de recursos humanos que deve andar em torno de duas dezenas de pessoas, e que garante uma robustez e maior planeamento da organização, agora que o atlântico tem novamente um peso importante, e digo-o com muito contentamento, nas reflexões estratégicas", sublinhou.

Antes, José Azeredo Lopes já tinha apontado como destaque da reunião ministerial "o consenso generalizado sobre a alteração da estrutura de comandos", que inclui a criação de um comando no centro da Europa, vocacionado para a mobilidade e a logística, e outro, marítimo, no Atlântico, para a proteção das linhas de comunicação no caso de uma eventual crise.

"O comando do Atlântico diz bastante a Portugal, uma vez que Portugal considera que, se temos defendido desde sempre uma organização realmente a 360º, era tempo de enfrentar as questões e as ameaças provindas do Sul, como também olhar de novo -- e é um olhar que é renovado -- para o Atlântico", prosseguiu.

O ministro da Defesa abordou também a possibilidade do país participar numa eventual missão de treino no Iraque, mostrando-se, "em princípio", favorável "à constituição de uma missão não combatente, com um envolvimento pleno e político dos iraquianos", e que trabalhe em coordenação "clara" com a coligação internacional "anti-Estado Islâmico".

"Achamos que, se estes pressupostos estiverem preenchidos, é uma decisão feliz, é uma decisão de capacitação e de segurança", concluiu.

 

Tópicos:

Atlântico, Azeredo, Islâmico Achamos, STRIKFORNATO [ Naval Striking Support Forces NATO ] Oeiras,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.