Quénia: oito rinocerontes negros morrem após deslocação

| Mundo

Restam menos de 5500 rinocerontes-negros no mundo
|

Oito rinocerontes negros, uma espécie em vias de extinção, morreram depois de serem transportados para um novo habitat. As informações foram adiantadas no início desta tarde pelo ministro do Turismo queniano, Najib Balala.

Os animais que morreram faziam parte de um grupo de 14 rinocerontes negros que estavam a ser transportados de Nairobi, capital do Quénia, para Tsavo East, a maior reserva natural do país.

Em comunicado, o ministro do Turismo do Quénia adiantou que tinham morrido oito rinocerontes e não sete, como anteriormente tinha sido declarado. O documento adiantou ainda que os animais morreram por envenenamento de sal, após beberem água do seu novo habitat.

Desde então, o transporte de rinocerontes foi cancelado.

Segundo a organização Save the Rhinos, restam menos de 5500 rinocerontes negros no mundo, todos no continente africano. O ano passado, o Kenya Wild Service (KWS) registou a morte de nove rinocerontes.

Este animal tem poucos predadores no seu habitat natural, devido ao seu tamanho e à pele espessa. No entanto, os rinocerontes têm sido vítimas de caçadores furtivos, que retiram os seus chifres para os vender na Ásia, onde lhe são atribuídos benefícios medicinais.

Em maio deste ano, três rinocerontes-negros foram mortos a tiro no Parque Nacional de Meru, no Quénia, e os seus chifres foram removidos.

Tópicos:

Balala, Najib, Quénia, habitat, ministro, mortos, novo, transporte, turismo, éspecie, extinção, negro, rinoceronte, vias,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.