Sanções contra o Irão: aumenta a tensão entre Europa e EUA

| Mundo

|

Segundo o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Bruxelas poderá reactivar legislação que proibiria às empresas europeias a observância das sanções norte-americanas contra o Irão.

Segundo o site de Der Spiegel, Jean-Claude Juncker referiu hoje no final de uma cimeira da União Europeia em Sófia, que o chamado "Blocking Statute" poderia ser reactivado, tornando alvo de penalizações as empresas europeias que se submetam às ordens norte-americanas no sentido de sancionar novamente o Irão.

A lei em causa fora aprovada em 1996, para responder às sanções norte-americanas contra países como a Líbia, Cuba e o próprio Irão. Mas não chegou a ser aplicada.

O mesmo diploma prevê, além do chicote, a cenoura: as empresas europeias que sofram prejuízos por terem transgredido as indicações norte-americanas deverão ser compensadas por um fundo a criar.

Contudo, a chanceler alemã, Angela Merkel, considerou que essas compensações não são viáveis: "Indemnizar toda a economia duma forma abrangente por medidas dos EUA, sobre isso não podemos nem devemos alimentar ilusões".

A explicação para as preocupações europeias com o futuro do acordo com o Irão reside na possibilidade de muitas empresas europeias, assustadas com as ameaças norte-americanas, poderem começar a abster-se de realizar negóicos dom o Irão.

Se assim fosse, de pouco teria servido que a União Europeia e grande parte dos Estados membros da  UE tenham reafirmado o acordo. O Irão perderia, desse modo, negócis com firmas europeias e o significado do acordo ficaria esvaziado, desaparecendo para o Governo de Teerão o estímulo económico para renunciar ao seu programa nuclear.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.