Sete organizações pedem libertação de ativistas presos sem acusação na Guiné Equatorial

| Mundo

Sete organizações dos direitos humanos e de transparência exigiram hoje que as autoridades da Guiné Equatorial libertem imediatamente dois ativistas, que lideram uma organização não-governamental dos direitos humanos no país, presos sem acusação.

A polícia prendeu a 17 de abril Enrique Asumu e Alfredo Okenve, que são respetivamente o presidente e o vice-presidente do Centro para o Desenvolvimento de Estudos e Iniciativas (CEID), mas ainda não houve uma acusação formal contra os dois ativistas.

Já foi ultrapassado o período de 72 horas que a lei da Guiné Equatorial permite que se detenha uma pessoa sem acusação.

"As autoridades têm uma longa história de assédio, de detenção arbitrária e geralmente interferem com o trabalho dos defensores de direitos humanos na Guiné Equatorial", afirmou Tutu Alicante, diretor-executivo da EG Justice, que monitoriza abusos cometidos contra os direitos humanos na Guiné Equatorial.

"Este último incidente mostra a disposição das autoridades em pisar as leis que determinam o devido processo legal para intimidar e silenciar a dissidência", referiu ainda Alicante.

As organizações que já demonstraram a sua preocupação sobre as prisões foram a Transparência Internacional, a Amnistia Internacional, a Human Rights Watch, a EG Justice, a Publish What You Pay, a UNCAC Coalition e a International Anti-Corruption Conference.

"Essas detenções fazem com que as promessas do Governo de respeitar a sociedade civil como parte da sua tentativa de ingressar na EITI sejam ocas", disse Elisa Peter, diretora-executiva da Publish What You Pay.

"Ameaçam derrubar a candidatura do país à EITI e enviam a mensagem de que o Governo não tolerará vozes independentes", declarou Elisa Peter.

Para Sarah Saadoun, uma pesquisadora da Human Rights Watch, "o Governo trabalha com o CEID quando quer fingir respeito pela sociedade civil, mas mantém esta ordem de suspensão pendurada sobre a entidade como a espada de Damocles".

"Ao intimidar dois dos mais respeitados defensores dos direitos humanos do país, o Governo parece estar a tentar silenciar a sociedade civil num momento de crescente desespero pela crise económica do país", referiu Sarah Saadoun.

A 16 de abril, as autoridades impediram Asumu de embarcar num voo na capital equato-guineense, Malabo, para a cidade de Bata, alegando que estavam a agir sob as ordens do ministro da Segurança Nacional, disse um colega de Asumu que estava presente e também o advogado do ativista.

No dia seguinte, Asumu e Okenve foram aos escritórios do ministro da Segurança Nacional, que está situado no mesmo prédio da Delegacia Central de Malabo. O ministro interrogou os dois homens no seu escritório por mais de cinco horas, de acordo com dois colegas que os acompanharam a esta reunião.

Depois do término da reunião, por volta das 06:00 horas da manhã, as autoridades impediram Asumu e Okenve de saírem do prédio e continuam a mantê-los ali.

A polícia permitiu que os colegas, bem como os membros das famílias, visitassem Asumu e Okenve, e permitiram-lhes acesso aos seus advogados. Entretanto, as autoridades não os apresentaram diante de um juiz, o que é uma exigência da lei num prazo de 24 horas. Tampouco as autoridades acusaram-nos, o que, de acordo com a lei da Guiné Equatorial, deve ocorrer dentro do prazo de 72 horas.

O Ministério do Interior ordenou ao CEID que suspendesse suas atividades por tempo indeterminado em março de 2016. A CEID apelou da decisão de suspensão das suas atividades, mas não recebeu resposta, segundo um representante da organização.

Alguns colegas que conversaram com Asumu e Okenve disseram que as autoridades equato-guineenses ameaçaram multá-los com 10 milhões de francos do país (14,9 mil euros) por violarem esta ordem.

A organização anunciou que em setembro de 2016 que iria retomar as suas atividades e, desde então tem organizado e participado em eventos em que representantes das várias autoridades ministeriais também compareceram.

A Guiné Equatorial faz parte da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) desde 2014.

Tópicos:

Amnistia, Elisa Peter, Enrique Asumu, Guiné Equatorial, Human Rights Watch EG Justice Publish What You Pay, Sarah Saadoun, Transparência,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.