Sismo de magnitude 6,0 registado perto de Tóquio mas sem aviso de tsunami

| Mundo

Um sismo de magnitude 6,0 na escala de Richter atingiu hoje a região japonesa de Kanto (leste), onde fica a capital do país, Tóquio, mas nenhum aviso de tsunami foi emitido, informou a agência de meteorologia nipónica.

Momentos depois da divulgação desta informação, o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) revia a intensidade do tremor de terra para 5,9 na escala de Richter.

O tremor de terra foi sentido em Tóquio, segundo a agência de meteorologia do Japão.

O sismo, que ocorreu às 20:24 hora local (12:24 hora de Lisboa), foi precedido por um alerta à população.

Até ao momento, não existem informações sobre eventuais vítimas ou danos materiais, mas, segundo informações divulgadas pelo canal público NHK, os habitantes de uma zona da região de Chiba (adjacente à área metropolitana de Tóquio) relataram que sentiram um forte abalo.

"Alguns objetos caíram, mas está tudo bem", afirmou uma residente de um dos bairros da região de Chiba, contando ainda que o abalo foi prolongado.

Nenhuma anomalia foi relatada, até ao momento, no reator nuclear Tokaimura 2, localizado no perímetro do tremor de terra.

Esta instalação nuclear está atualmente desativada.

Alguns dos comboios que circulavam nas zonas afetadas pelo sismo pararam para verificação das linhas, segundo o canal NHK.

O Japão, país localizado na junção de quatro placas tectónicas, regista anualmente mais de 20% dos sismos verificados a nível mundial.

Tópicos:

Kanto, NHK,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.