Sismo de magnitude 7,7 ao largo da Rússia, alerta de tsunami

| Mundo

Um sismo de magnitude 7,7 na escala aberta de Richter foi hoje registado na costa da Rússia, informou o Centro Geológico dos Estados Unidos, levando as autoridades a emitir um alerta de tsunami em algumas zonas do Pacífico.

As ondas não deverão exceder os 0,3 metros acima do nível da maré alta na costa da região em estado de alerta, da Rússia ao Havai, disse o Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico.

O sismo foi registado às 23:34 GMT (00:34 em Lisboa), com hipocentro localizado a 11,7 quilómetros de profundidade e epicentro à latitude de 54,466 graus norte e longitude de 168,822 graus leste, a 199 quilómetros a leste-sudeste de Nikolskoye, na ilha de Bering, onde vivem mais de 600 pessoas.

O Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico emitiu um aviso para advertir sobre a possibilidade de "perigosas ondas de tsunami" para o Japão, Rússia, ilhas Marshall e Yap, além das costas norte-americanas de Guam, Havai, ilhas Marianas do Norte, Atol de Johnston, ilhas Midway e ilha Wake.

O arco das ilhas Aleutas, onde está localizada a ilha de Bering, é uma zona de grande atividade sísmica que compreende uma extensão de cerca de 3.000 quilómetros, desde o golfo norte-americano do Alasca, no leste, até à península russa de Kamchatka, no oeste.

Tópicos:

Alertas Tsunami, Japão, Johnston,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.