Triplicaram casos de sarampo na Europa em 2017 para mais de 14 mil casos

| Mundo

Mais de 14 mil casos de sarampo foram notificados em 30 países europeus no ano passado, triplicando o número de situações registadas em 2016, segundo um relatório publicado este mês pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças.

"Os surtos de sarampo continuam a ocorrer nos países da União Europeia e do espaço económico europeu e existe o risco de propagação e transmissão sustentada em áreas com populações suscetíveis", avisa o organismo da União Europeia.

Segundo o Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla inglesa), foram em 2017 reportados 14.451 casos de sarampo, quando em 2016 foram notificados 4.643 casos.

O país europeu com mais casos reportados desde 1 de janeiro de 2017 até ao momento continua a ser a Roménia, com mais de 10.600, seguido de seguido de Itália, com 4.991 casos, da Grécia (1.463 casos) e da Alemanha, com menos de mil.

Em 2017, Portugal teve dois surtos simultâneos de sarampo (num total de 29 casos), que chegaram a provocar a morte de uma jovem de 17 anos.

O sarampo é uma doença grave, para a qual existe vacina, tendo provocado a morte a 50 pessoas desde início de 2016 até hoje no espaço europeu.

Contudo, o ECD estima que há uma elevada incidência de casos em crianças menores de um ano de idade, que ainda são muito novas para receber a primeira dose da vacina. Daí que reforce a importância de todos os outros grupos estarem vacinados de forma a que não apanhem nem transmitam a doença.

Segundo os dados de 2017, mais de 87% das pessoas que contraíram sarampo não estavam vacinadas.

Tópicos:

Grécia, Itália,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.