Ucrânia repele ataques russos mas reconhece situação "tensa" e aponta falta de munições

por Joana Raposo Santos - RTP
Esta semana, o exército da Ucrânia disse ter-se retirado de duas vilas perto de Avdiivka. Reuters

As forças ucranianas repeliram as tropas russas da aldeia de Orlivka, perto de Avdiivka, mas confessaram que a situação na frente oriental continua difícil. Orlivka fica a menos de dois quilómetros de Lastochkyne, vila que foi recentemente ocupada pelos militares de Moscovo.

"O inimigo continua a realizar ações ofensivas ativas em muitas áreas da linha da frente. A situação é particularmente tensa nos setores de Avdiivka e Zaporizhia", explicou o chefe do exército ucraniano, Oleksandr Syrskyi, esta quinta-feira.

Numa mensagem no Telegram, o responsável avançou que as unidades russas estão a tentar quebrar as defesas ucranianas e capturar as localidades de Tonenke, Orlivka, Semenivka, Berdychi e Krasnohorivka.

Segundo Syrskyi, que visitou os militares na frente oriental, alguns comandantes revelaram haver falhas na sua "perceção da situação e avaliação do inimigo", o que terá afetado diretamente a sustentabilidade da defesa de determinadas áreas.

"Tomei todas as medidas para remediar a situação no terreno, com a atribuição de munições adicionais e de outros recursos materiais, assim como as reservas necessárias", adiantou.Na semana passada, as forças de Moscovo conseguiram capturar a cidade estratégica de Avdiivka, no leste da Ucrânia, após meses de combate no local. Agora, estarão a exercer pressão sobre várias outras áreas ao longo da linha da frente, segundo as autoridades ucranianas.


Esta semana, o exército da Ucrânia disse ter-se retirado de duas vilas perto de Avdiivka. A perda de território acontece numa altura em que o apoio dos aliados ocidentais tem sofrido uma redução.

Tanto os militares ucranianos como o presidente Volodymyr Zelensky têm insistido que as tropas não dispõem do equipamento militar e das munições necessárias para repelir os ataques russos, denunciando uma escassez de ajuda militar do Ocidente.

c/ agências
pub