Volodymyr Zelenskiy apontado como novo Presidente da Ucrânia

| Mundo

|

De acordo com uma sondagem à boca das urnas, Zelenskiy deverá conseguir 73 por cento dos votos. O presidente em exercício, Petro Poroshenko, já assumiu a derrota.

Na primeira volta, o candidato, que não tem qualquer experiência na política, já tinha ultrapassado o atual presidente.

“Enquanto eu não sou formalmente presidente, como cidadão da Ucrânia, posso dizer a todos os países pós união Soviética: “Olhem para nós. Tudo é possível”, disse Zelensky perante os seus apoiantes.

O ator e humorista declarou ainda que deseja "relançar" o processo de paz com a Rússia no conflito em curso no leste separatista pró-russo do país.

"Vamos avançar com o processo de Minsk, vamos relançá-lo", declarou, na primeira conferência de imprensa após a votação, numa alusão aos acordos de paz assinados em fevereiro de 2015 sob a égide de Kiev, Moscovo, Paris e Berlim.

"Prometo que jamais vos deixarei cair", declarou perante os seus apoiantes reunidos no quartel-geral da campanha.

As projeções “são evidentes e dão-me todas as razões para felicitar o meu adversário”, declarou por sua vez Porochenko aos apoiantes. “Aceito esta decisão. Abandono as minhas funções, mas devo sublinhar com firmeza: não vou deixar a política”, garantiu o até aqui presidente da Ucrânia.

Os ucranianos regressaram hoje às urnas para uma segunda volta das presidenciais disputada por dois candidatos: o ator e humorista Volodymyr Zelensky, que liderou as sondagens após uma vitória clara na primeira volta em 31 de março (30%), face ao Presidente Petro Poroshenko (16%), que tentava a reeleição.

País com 45 milhões de habitantes às portas da União Europeia (UE), a Ucrânia, ex-república soviética, é hoje considerado um dos Estados mais pobres da Europa e a desconfiança face às instituições políticas parece ter contribuído para a eleição de um “candidato atípico”.

Caso se confirme a eleição, o comediante pode tornar-se no dirigente de um país confrontado com desafios colossais, em particular a guerra no leste, as grandes dificuldades económicas e o combate à corrupção.

Zelensky poderá ainda reforçar a sua votação nas regiões russófonas do centro e sul da Ucrânia, incluindo a sua região de Dnipropetrovsk, onde obteve o melhor resultado na primeira volta (45% contra 30% no conjunto do país).

No passado, estas regiões votaram maioritariamente nos candidatos pró-Kremlin, mas após a anexação da península da Crimeia por Moscovo e a rebelião separatista pró-russa no leste, adotaram uma posição mais cautelosa. Apesar de recusarem uma “integração” na Rússia, as populações locais sentem-se mais próximos de Zelensky, com tradições russófonas.

A crise económica também atingiu estas regiões, em particular as suas fábricas em declínio e muito dependentes do comércio com a Rússia.

Uma sondagem recente referiu que os apoiantes de Zelensky apreciam sobretudo a sua personalidade, mas estão relativamente mal informados sobre as suas respostas à crise que o país atravessa.

O ano passado foi caracterizado por um agravamento das tensas relações entre Kiev e Moscovo. A Ucrânia terminou 2018 sob regime de lei marcial, instaurada no início de dezembro e em vigor durante um mês na sequência do incidente no Mar Negro (estreito de Kerch) entre as marinhas russa e ucraniana, com a detenção de dezenas de ucranianos.

O incidente no estreito de Kerch fez recordar o conflito que se prolonga há cinco anos no leste da Ucrânia entre Kiev e os separatistas pró-russos da região do Donbass, que Poroshenko não conseguiu solucionar.

Com fracos resultados nas sondagens, o Presidente também tentou beneficiar politicamente da decisão do patriarcado de Constantinopla, que no outono reconheceu a independência do patriarcado de Kiev face ao de Moscovo.

Um sucesso que não fez esquecer os fracassos da presidência Poroshenko, que subiu ao poder na sequência da revolta de Maidan (Euromaidan) nos inícios de 2014, quando o anterior Governo do ex-Presidente Viktor Yanukovych anunciou em novembro de 2013 que não assinaria o Acordo de Associação com a União Europeia, pretexto para o início dos protestos.

Após ter evitado o colapso do país em 2014-2015 (perda da Crimeia, guerra no leste com um balanço de 13.000 mortos e milhares e feridos e refugiados), Poroshenko falhou em áreas decisivas como a reforma do Estado e o combate à corrupção.

c/Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

Apesar de terem passado pouco mais de 24 horas desde a partida de Cabo Canaveral, no espaço os minutos para Neil, Edwin e Michael parecem horas.

    Ouvido pela RTP, o artista chinês mostra-se convicto de que Hong Kong e Macau não serão, no futuro, controlados pela China.

    Começa a legislatura do Parlamento Europeu saído das últimas eleições. Conheça aqui os eurodeputados portugueses e as suas prioridades.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.