Alexandre Brito

Netflix. Assalto à La Casa de televisão...e cinema...

Os números revelados esta semana relacionados com o Netflix são impressionantes. A empresa vai investir na Europa mil milhões de dólares em produção própria. E oito mil milhões em conteúdo em todo o mundo. Conseguiram o que poucos, há 10 anos, achavam possível. Escala. Atualmente há 125 milhões de subscritores deste serviço de streaming.

Ainda nos números. Quem em 2007 teve a visão de investir 1000 dólares no Netflix, hoje teria cerca de 100 mil. A valorização da empresa tem sido extraordinária nos últimos anos.

Perante isto, não será difícil perceber que os media tradicionais vão sentir ainda mais dificuldades nos próximos tempos. A geração nativa digital está crescer, habituada a viver com estes serviços, ao mesmo tempo que estas empresas nativas digitais começam a injetar milhões e milhões para produzir conteúdos de qualidade.

É o que o Netflix vai fazer ainda durante este ano na Europa. Vai investir mil milhões de dólares para produzir conteúdos. O que isto vai provocar nos meios tradicionais é ainda incerto. Mas arrisco dizer que se o caminho já era difícil, vai tornar-se ainda mais complicado.

Verdade seja dita, em paralelo com este assalto à casa da televisão, o Netflix criou uma oportunidade. Veja-se o exemplo de La Casa de Papel. Há uns anos seria provavelmente um produto local (ao nível global um país é local) que nunca ganharia a dimensão que tem hoje. La Casa de Papel é atualmente um dos maiores sucessos de séries em todo o mundo, e isso deve-se ao Netflix.

Regresso aos números para acrescentar que esta semana o valor de mercado do Netflix chegou aos 144 mil milhões de dólares. Vale mais do que gigantes como a General Electric ou a IBM. E vale pouco menos do que a Walt Disney.

E isto ainda agora está a começar.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.