Alexandre Brito

Trump, uma Presidência feita de ignorância e preconceito

As atitudes do Presidente dos Estados Unidos da América parecem tornar ainda mais claro o sentimento que atravessa uma boa parte da sociedade norte-americana e do mundo. Donald Trump não tem capacidade para liderar a maior potência mundial. Demonstra ignorância e, mais preocupante, as últimas afirmações consubstanciam que é também preconceituoso.

Numa reunião recente, Trump referiu-se a Haiti, El Salvador e várias nações africanas como "países de merda". O que estava a ser discutido era a atribuição de vistos a imigrantes indocumentados que não podem regressar aos países de origem devido a conflitos civis ou desastres naturais.

E o que disse o Presidente dos EUA? "Por que razão temos todas estas pessoas de países de merda a virem para aqui?". Sendo que logo de seguida sugeriu que seria muito melhor receber noruegueses.

Admito que os EUA, tal como qualquer outro país, tenham leis e regras sobre quem e como recebe dentro de fronteiras. É óbvio.

Mas um Presidente dos EUA referir-se a várias nações como "países de merda" não é nada mais do que um comentário perigoso, que revela uma postura preconceituosa e deve ser denunciado de forma clara e inequívoca.

Donald Trump demonstra também uma enorme ignorância nos mais variados momentos. E não pode. É Presidente dos EUA. Tudo o que diz e faz tem um efeito borboleta com reflexos mundiais.

Na conferência de imprensa com a primeira-ministra norueguesa congratulou-se com a venda de caças F-52. Acontece que esses caças não existem, a não ser no jogo de computador “Call of Duty: Advanced Warfare”.

Até podemos esboçar um sorriso perante tamanha trapalhada. Mas há quem esteja em grandes gargalhadas porque conseguiu o que queria: descredibilizar os EUA.

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.