Alexandre Brito

Trump, uma Presidência feita de ignorância e preconceito

As atitudes do Presidente dos Estados Unidos da América parecem tornar ainda mais claro o sentimento que atravessa uma boa parte da sociedade norte-americana e do mundo. Donald Trump não tem capacidade para liderar a maior potência mundial. Demonstra ignorância e, mais preocupante, as últimas afirmações consubstanciam que é também preconceituoso.

Numa reunião recente, Trump referiu-se a Haiti, El Salvador e várias nações africanas como "países de merda". O que estava a ser discutido era a atribuição de vistos a imigrantes indocumentados que não podem regressar aos países de origem devido a conflitos civis ou desastres naturais.

E o que disse o Presidente dos EUA? "Por que razão temos todas estas pessoas de países de merda a virem para aqui?". Sendo que logo de seguida sugeriu que seria muito melhor receber noruegueses.

Admito que os EUA, tal como qualquer outro país, tenham leis e regras sobre quem e como recebe dentro de fronteiras. É óbvio.

Mas um Presidente dos EUA referir-se a várias nações como "países de merda" não é nada mais do que um comentário perigoso, que revela uma postura preconceituosa e deve ser denunciado de forma clara e inequívoca.

Donald Trump demonstra também uma enorme ignorância nos mais variados momentos. E não pode. É Presidente dos EUA. Tudo o que diz e faz tem um efeito borboleta com reflexos mundiais.

Na conferência de imprensa com a primeira-ministra norueguesa congratulou-se com a venda de caças F-52. Acontece que esses caças não existem, a não ser no jogo de computador “Call of Duty: Advanced Warfare”.

Até podemos esboçar um sorriso perante tamanha trapalhada. Mas há quem esteja em grandes gargalhadas porque conseguiu o que queria: descredibilizar os EUA.

A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.