João Fernando Ramos

Mais incêndios, antes dos fogos

Na crónica da semana passada quase adivinhava que estava para estalar mais uma polémica na reorganização da Proteção Civil. Lá se demitiu o comandante Paixão e entramos numa outra solução, por causa dos problemas de sempre. Claro que é quase missão impossível colocar um travão aos gigantescos e lucrativos interesses que se alimentam da tragédia.

António Paixão foi apenas mais uma vítima, com as pressões a terem outros significado com o tempo quente a chegar e com a ameaça ainda tão presente, depois do que aconteceu no verão passado.

Ninguém tem dúvidas de que a solução passa pela profissionalização da primeira intervenção com forças como os GIPS da GNR, a entrega do controlo e da operação dos meios aéreos à Força Aérea e à presença muito mais efetiva de contingentes militares neste dispositivo, que tem que ser competente e profissional, estando disponível e presente na floresta durante todo o ano.

Digo ninguém tem dúvidas, deveria dizer, quase ninguém tem...

O problema é que é esse "quase" que pressiona, guerreia, abre polémicas, planta notícias nos jornais, dá entrevistas, procura sempre travar todos os processos de mudança, continua a condicionar essa mudança comprovada em mil e trinta e cinco relatórios dependentes e independentes, em comissões, universidades e até no mais leigo dos comentadores de assuntos da floresta.

O verão está a chegar e todos percebemos que é complicado travar o negócio dos fogos, que se alimenta de tragédias.

Olhando para o novo comandante da Proteção Civil vemos mais um militar que estudou todas as guerras. Vamos ver se consegue vencer esta.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.